http://youtu.be/0GJ3IB8yUKM

O Santos não precisava ter passado o sufoco que passou no fim, mas a vitória de 2 a 1, sobre o Coritiba, com golaços de Lucas Lima e Robinho ainda no primeiro tempo, fez o time saltar para 29 pontos, nove acima da zona do rebaixamento. O público foi 40% acima dos cinco mil tradicionais que freqüentam os jogos na Vila Belmiro. Desta vez, 7.075 pessoas pagaram ingresso, um pouco menos do que a metade dos que assistiram a Santos e Vitória, no Pacaembu.

A campanha para tirar o santista de Santos do sofá e do boteco precisa continuar. Nenhuma outra cidade do mundo tem tantos torcedores que podem até ir a pé ao estádio e não vão. A Vila Belmiro não é uma vergonha, mas esse comodismo dos santistas de Santos, é. Bem, isso posto, vamos ao jogo.

Primeiro tempo começou equilibrado. Logo aos três minutos Zé Love entortou Edu Dracena e acabou bloqueado por Lucas Lima. Aos 13 minutos, Gabriel tocou para Lucas Lima, que penetrou e mandou belo chute de esquerda, na paralela, bem no ângulo da meta de Vanderlei. Um golaço que mudou a partida, pois o time do Paraná se abriu mais e permitiu bons contra-ataques do Santos.

Aos 24 minutos Robinho sofreu pênalti ao levar um rapa quando driblava para chutar de direita, mas o árbitro José Aldo de Lima Henrique, do Rio de Janeiro, nada marcou. Seis minutos depois, o Coritiba chegou ao empate com um gol de Lucas Claro, mas a arbitragem invalidou erradamente. Zé Love não estava impedido quando deu o passe.

Mesmo com as deficiências técnicas que o santista conhece bem, até metade do segundo tempo Zé Love prosseguia deitando e rolando pra cima de Cicinho. A qualquer momento o empate poderia sair de uma dessas jogadas. Porém, em belo contra-ataque, Gabriel tocou para Robinho, livre, e este apenas tocou por cima do goleiro, em outro gol muito bonito (um gol que lembrou o segundo contra o Grêmio, pela Copa Brasil de 2010).

O Coritiba voltou pressionando no segundo tempo e logo aos dois minutos, em bola cruzada na área, a zaga do Santos parou e dois jogadores adversários apareceram livres para cabecear. Por sorte, ambos se atrapalharam e a bola acabou saindo pela linha de fundo.

A esta altura, Alison e Cicinho já tinham levado cartão amarelo. O Coritiba pressionava, mas parava na defesa do Santos. Os contra-ataques caiam sempre nos pés de Robinho, que se entendia bem com Lucas Lima pela esquerda. Dessas jogadas saíram boas chances de ampliar o marcador.

Aos 25 minutos Gabriel saiu, de cara feia, para a entrada de Rildo. Talvez não fosse a melhor substituição a fazer, mas nem o Pelé fazia beicinho quando era substituído. Mais cinco minutos e Enderson Moreira tirou Leandro Damião para colocar Souza. Com esta substituição ele chamou o Coritiba para o campo do Santos.

Damião ao menos segura um ou dois beques na defesa do adversário. Souza ainda não sabe em que lugar do campo deve jogar no Santos e, para complicar, entrou errando passes de cinco metros. Aos 39 minutos, Moreira chamou definitivamente o adversário para dentro do Santos ao tirar Lucas Lima e colocar Geuvânio.

Sem o único jogador que consegue segurar a bola no meio-campo do Santos, o time passou a ser pressionado em casa. Aos 42 minutos, Dudu, que tinha entrado no lugar de Helder, acertou um chute de fora da área, que resvalou na defesa e entrou: 2 a 1.

Os últimos minutos foram de dar bicão pro mato e olhar o relógio. Mas a vitória veio e com isso algum respiro para um time que precisa muito ganhar os jogos em casa, pois tem perdido todos que faz fora. Na quinta-feira irá para Porto Alegre a fim de enfrentar o Grêmio, em uma revanche nervosa do jogo do racismo. Alison, suspenso, não jogará.

Atuações dos santistas

Aranha – Sem culpa no gol. 6
Cicinho – Atrapalhado, não inspira confiança. 4
Edu Dracena – Fica tanto na sobra que às vezes se esconde atrás dos outros jogadores. 5
David Braz – Apagado. 5
Zé Carlos – Desta vez, fez pouco. 5
Alison – Só tromba. Criatividade zero. 5
Arouca – Apagado. 5
Lucas Lima – O único armador do time. Belo gol. 7
Gabriel – Um bom primeiro tempo. 6
Leandro Damião – Esforçado. 5
Robinho – Participativo. Belo gol. 7
Rildo – Correu, trombou. 4
Souza – Jogou pouco tempo. E mal. 2
Geuvânio – Sem tempo e sem vontade. 4
Enderson Moreira – Se for esperto, mantém Robinho, Gabriel e Leandro Damião nos próximos jogos. Mexeu mal. 5

Torcida: Com os não pagantes, ocupou 50% da Vila, que só cabe 16 mil pessoas. Mas ainda pode bem mais. O clube tem de fazer promoções, divulgar melhor, oferecer brindes… É uma vergonha o estádio comportar tão pouca gente e ainda ficar pela metade. De nossa parte, vamos fazer uma campanha por jogo. Não adianta ter orgulho do Santos e da Vila Belmiro, mas nunca ir ao estádio. Os que foram, merecem nota 10. Os que podiam ir e preferiam ficar em casa, ou no boteco, zero.

Santos 2 x 1 Coritiba

Vila Belmiro, 13 de setembro de 2014, às 21 horas
Público: 7.075 pagantes. Renda: R$ 129.955,00
Santos: Aranha, Cicinho, Edu Dracena, David Braz e Zeca; Alison, Arouca e Lucas Lima (Geuvânio 39’/2ºT); Gabriel (Rildo 25’/2ºT), Robinho e Leandro Damião (Souza 30’/2ºT). Técnico: Enderson Moreira.
Coritiba: Vanderlei, Ivan, Luccas Claro, Leandro Almeirda e Carlinhos; Helder (Dudu 16’/2ºT), Rosinei, Gil e Robinho (Joel intevalo); Elber (Douglas 33’/2ºT) e Zé Love. Técnico: Marquinhos Santos.
Gols: Lucas Lima aos 13 e Robinho (Santos) aos 38 minutos do primeiro tempo; Dudu, aos 42 minutos do segundo.
Arbitragem: Marcelo de Lima Henrique (Fifa-RJ), auxiliado Rodrigo Pereira Joia (Fifa) e Rodrigo Henrique Correa, todos do Rio de Janeiro.
Cartões Amarelos: Carlinhos, Alison, Hélder, Cicinho, Zé Love e Leandro Damião.

E você, o que achou do desempenho do Santos contra o Coritiba?