Conheço alguns profissionais do marketing do Santos. São boas pessoas. Mas entraram no ritmo de um clube que não valoriza suficientemente o trabalho. E sem criatividade e trabalho, o Santos não vai a lugar algum. Digo e repito isso porque é o cúmulo você ficar duas horas na Praça Charles Miller, esperando para assistir a um jogo do Santos, e ver aquele monte de crianças, mulheres, santistas sem nada o que fazer.

Meus caros, eles são o público consumidor do Santos. E se foram ao jogo, é porque estão dispostos a apoiar o clube. Então, que se pense em atividades para essas crianças e adultos. Não existe essa nova turminha do Baleiinha e Baleião? Não se pode organizar brincadeiras com alguns brindes? Não se pode aceitar novos sócios, vender produtos oficiais? Distribuir a revista do clube? Enfim, há trocentas coisas que poderiam e podem ser feitas.

O Santos tem de cativar os seus clientes a cada partida, como o marido que a cada dia leva uma rosa para a esposa. O momento de contato do clube com o torcedor é o jogo e está sendo profundamente negligenciado pelo Santos. Será que é tão difícil conseguir patrocinadores para esses eventos pré-jogo? Garanto que não. E será que é impraticável escalar funcionários do clube para atuar nesses eventos? Claro que não. É só querer.

Desculpe se vou parecer cabotino, mas, como jornalista esportivo, passei anos sem folgar em um fim de semana inteiro. Lembro que em 1984 não tive um único domingo de folga. Como tinha dois empregos, se folgava em um, trabalhava no outro, e assim seguia a vida. São os ossos do ofício, mas quem gosta do ofício, não pode esperar só pelo filet mignon. Não vejo diferença do trabalho do jornalista esportivo para quem presta serviços a um clube de futebol.

É preciso ter vocação para a coisa. Clube de futebol não é repartição pública e muito menos deve servir para cabide de emprego. Quem entra na chuva tem de estar disposto a se molhar. Mas com isso eu quero dizer que os funcionários do marketing do Santos são preguiçosos? Não, quero dizer que estão acostumados a fazer muito pouco por um clube que precisa que façam muito mais do que os concorrentes.

Um clube que não precisa de palavras bonitas, nem de promessas, nem de dinheiro emprestado de seu presidente. Mas precisa aprender a andar com suas próprias pernas. E isso só será conseguido, repito, com boas ideias e muito trabalho. Para começar, que tratem cada jogo do Santos como um evento especial. Em pouco tempo isso já dará um grande resultado.

O que se está pensando para Santos x Coritiba, próximo sábado?

No próximo sábado, às 21 horas, o Santos terá o mando de campo contra o Coritiba. Pois bem. O que o marketing do Santos, o Social do Santos, o departamento de Eventos do Santos está planejando para o jogo? Pra começar, será mesmo na Vila Belmiro?

Quanto dará esse jogo no sábado à noite na Vila Belmiro? Seis, sete mil pessoas? Quanto daria no Pacaembu? 15, 20 mil pessoas? E onde está o problema que impede o jogo na Capital? Chegou um momento em que o santista não quer ouvir mais promessas, discursos, empurrões com a barriga. Há coisas que precisam ser feitas já.

Faltam mais de três meses para as eleições. Por que, em vez de lançar balões de ensaio e fazer promessas só para se manter no poder, a atual administração não arregaça as mangas e, ao menos nesse tempo que falta, mostra um pouco de trabalho e dedicação?

E você, tem alguma ideia para o marketing do Santos?