Voltamos de um almoço em um restaurante peruano. Tomamos um chá no hotel antes de minha filha ir para sua casa. Nos últimos minutos eu já estava ansioso para buscar um site da Internet que dissesse como está o jogo. Mal a Luana se foi e achei um daqueles sites que contam o jogo lance a lance. O Figueirense pressionava. Pensei: é a pressão dos desesperados, dos times sem convicção, como era o Santos nos tempos do Oswaldo de Oliveira. Logo o Santos faz um gol e tudo muda…

Demora um pouco e aos 40 minutos, surge o anúncio: “Santos!”. Damião aproveitou um cruzamento de Lucas Lima e abriu o marcador, de cabeça. Torço para o primeiro tempos acabar logo. Sei muito bem como o Santos é. Adora tomar um gol logo em seguida. Vem a informação de que haverá dois minutos de acréscimo. Fico esperando o fim do primeiro tempo antes de sair com a Suzana para um passeio pelas ruas próximas ao hotel. Mas logo aparece a informação de que há um pênalti contra o Santos. Em seguida, o anúncio do gol de empate.

Sofrer um gol no último lance do primeiro tempo me parece coisa de time amador. Depois vi a jogada e percebi que Alison não teve a intenção de colocar a mão na bola. Mas atrapalhou o cruzamento. Deveria ter tido mais cuidado com a maldita mão. Mas na hora só recebi a informação de que tinha sido um pênalti “polêmico”.

Saí com a Suzana e caminhamos pela avenida Holanda. Fomos dar em um shopping que não parecia nada de mais olhado de baixo, mas entramos e tinha seis andares de lojas bonitas, corredores espaçosos, cheiros e vitrinas embriagadores. Não sou consumista, mas fiquei abismado com o grande shopping de Santiago. Que Iguatemi, que nada. Esse é o melhor que vi.

Mas o tempo todo, ao lado da mulher que amo, andando por lugar tão agradável, não conseguia parar de pensar no jogo do Santos. A Internet depende do wi-fi do hotel e na rua fiquei sem saber os que ocorria na Vila Belmiro. Confesso que não estava muito animado. Imaginei que o time voltaria mais decidido para o segundo tempo, ou acabaria se perdendo de vez.

Tornei-me impaciente com a Suzana nos últimos momentos no shopping. Não, não queria presente algum. Sapatos compramos no Brasil, onde são melhores e mais baratos. Ela acabou cedendo. Voltei andando mais depressa. Mal chegamos ao quarto e busquei conexão com o mesmo site que transmitia o jogo lance a lance. E lá estava, em letras pequenas, porém divinas: Santos 3 x 1 Figueirense. Robinho e Lucas Lima tinham marcado aos 11 e 44 minutos do segundo tempo. Aleluia! O perigosíssimo Figueirense tinha sucumbido!

Meus amigos, hoje foi mais um dia em que percebi como o futebol, como o Santos, mexe comigo e completa minha felicidade. Sei que os três pontos não tiram o time da nona colocação, sei que o próximo jogo, contra o Atlético Mineiro, em Minas, é daqueles que o empate já estará bom, mas hoje vou dormir em paz.

Damião fez um gol, Robinho fez um golaço e Lucas Lima foi o homem do jogo. Alison e Souza, pelos comentários, bateram cabeça. Sei também que só 5.571 pessoas foram à Vila Belmiro. Tudo bem. Que tudo melhore na próxima partida. Hoje vou curtir essa vitória. Servidos uma Absolut?

E você, não se sentiu aliviado com essa vitória?