Ao voltar atrás e se decidir pela Vila Belmiro como o estádio do jogo de volta contra o Cruzeiro, pela semifinal da Copa do Brasil, o comitê de gestão do Santos escolheu para o clube o caminho do amadorismo.

Mas ser amador é ruim? Talvez não. Depende do ponto de vista. Um lado muito positivo é que atletas amadores competem com mais paixão, pois praticam o esporte unicamente por amor.

O uniforme do time amador também é mais bonito, pois não é poluído por propaganda na camisa, no calção, na meia, em lugar nenhum. Lindo!

O dirigente do clube amador pode fazer qualquer besteira que não dá nenhum prejuízo ao clube, já que os jogadores, em vez de contratados, eles é que escolhem os times onde querem jogar.

Para o torcedor, acompanhar uma equipe amadora é mais fácil, pois não se paga ingresso para entrar no campo. Não é preciso tevê por assinatura, muito menos pay per view. Já pensou que legal?

Que se saiba, o Santos tinha decidido enfrentar o Cruzeiro no Pacaembu porque lá cabe mais pessoas e a renda ajudaria a aliviar o déficit contínuo que assola os cofres da Vila.

Com mais lugares no estádio, finalmente o clube poderia oferecer ingressos de um jogo importante a seus 50 mil sócios, que pagam religiosamente e pouco ou nada recebem em troca. E também porque o clube teria mais visibilidade e com ela condições melhores para tentar vender o decantado patrocínio máster, além de atrair mais torcedores.

Porém, se o comitê decidiu que o Glorioso Alvinegro Praiano será amador, os problemas estão todos resolvidos. Para que ser mais conhecido ou aumentar sua torcida? Bobagem.

Até porque, se os próprios jogadores insistiram para jogar na Vila Belmiro, é porque já devem ter aberto mão de seus salários, assumindo de vez o belo e puro amadorismo que virá não só salvar o Santos, como o futebol brasileiro. Palmas!

Só me resta tirar o chapéu para tão sábia decisão. Ao escolher o amadorismo, o comitê gestor solucionou, de uma tacada só, a falta de patrocínio, de arrecadações e de transmissões pela tevê.

Eu sabia que antes de entregarem os bonés para os eleitos nas eleições de 6 de dezembro, esses homens que hoje dirigem o Santos dariam uma tacada de mestre. Amadorismo!!! Genial!!! Como eu não tinha pensado nisso!

E você, gostou do Santos ter optado pelo futebol amador?