Com 1.321 votos, apenas 3%, ou 182 votos, a mais do que José Carlos Peres, que obteve 1.139, Modesto Roma Junior foi eleito presidente do Santos para o triênio 2015/16/17. A vitória coube ao candidato mais preparado para o cargo? Não. Sorriu àquele mais habilitado para lidar com a terrível situação que o clube atravessa? Absolutamente não! Então, por que ele foi eleito?

A eleição de Modesto Roma, um empresário malsucedido, a quem falta capacidade administrativa e espírito de liderança, se deve à campanha da ala bairrista da imprensa esportiva de Santos, especificamente da equipe da TV Santa Cecília, e do farto e dispendioso material de propaganda espalhado pela Baixada Santista.

Os mesmos sócios que não vão aos jogos da Vila Belmiro nem em dias de sol, foram votar embaixo de chuva para impedir que “roubassem” o Santos de sua cidade, como se isso fosse possível. Donos de cadeiras cativas que não freqüentam o Urbano Caldeira nem a pau, trocaram seus pijamas por bermudas, chinelos e guarda-chuvas e foram eleger o candidato indicado por Teixeira e seu porta-voz Armando Gomes.

A impressão que se tem é que se o poderoso Marcelo Teixeira tivesse escolhido o pipoqueiro da Santa Cecília para ser candidato a presidente do Santos, ele também seria eleito. É claro que imaginaram que votando em Roma, estariam elegendo Teixeira, pois ninguém em sã consciência acredita que Roma tenha a mínima noção de como tirar o Santos da enrascada em que se meteu, com dois meses de salários atrasados, último lugar em média de público na Série A e décimo-segundo lugar em recebimento de cotas de tevê.

Roma terá de ser humilde e chamar Teixeira para ajudá-lo a governar, ou a nau do Santos irá a pique rapidamente. Não consigo imaginar o novo presidente negociando a vultosa dívida do clube com os bancos, discutindo as cotas de tevê com a Rede Globo e se relacionando com CBF, Federação Paulista de Futebol e presidentes de outros clubes, como Peres faria com um pé nas costas. Com Roma, os sonhos de o Santos liderar a criação de uma liga de clubes, ou tentar alterar a Lei Pelé, ficam adiados por mais três anos.

Na verdade, esta eleição foi o resultado do exacerbado bairrismo do santista de Santos aliado à omissão de boa parte dos santistas da Capital. Se tivessem votado na Federação Paulista de Futebol ao menos 1.700 dos 2.019 associados que mudaram o domicílio eleitoral para São Paulo, provavelmente José Carlos Peres seria eleito, pois obteve 407 votos, ou 37,5%, dos votos registrados na FPF. Mas apenas 1.110 sócios cumpriram o seu dever.

Por outro lado, como prova evidente de sua rejeição pelo santista de São Paulo, Roma conseguiu apenas 35 votos, ou 3% do total, nas urnas da FPF, vexame que nem a presença do ídolo Léo e do chefe de torcida Cosmo Damião conseguiram amenizar. Assim, da mesma forma que na eleição para presidente do Brasil, ficou claro que a torcida do Santos rachou: a da capital ficou com Peres, enquanto a de Santos preferiu Modesto.

Isso fará com que Modesto tenha de mostrar muito jogo de cintura para governar para todos os santistas, e não apenas para os de sua cidade. Se não marcar jogos no Pacaembu, se insistir em ignorar o sócio de fora de Santos, o clube terá os seus dias contados para voltar a disputar renhidas disputas municipais com Jabaquara, Portuguesa Santista e os times de várzea com os quais o novo presidente prometer fazer intercâmbios.

De qualquer forma, a vida e o Santos seguem. Este blog continuará crítico, mas jamais torcerá contra o Glorioso Alvinegro Praiano. A partir de hoje somos fiscais da gestão de Modesto Roma, a quem desejamos sabedoria e energia para tirar o Santos do atoleiro. E se quiser começar com o pé direito, faça o que seria a primeira providência do Peres: contrate uma auditoria para esclarecer a venda de Neymar e a contratação de Leandro Damião. A gente vai se conversando…

Por fim, a eleição mostrou, ainda, que a gestão de Odílio Rodrigues, representada pela candidatura de Nabil Khaznadar, foi amplamente rejeitada, com 735 votos e a quinta e última colocação entre as cinco chapas. Orlando Rollo ficou em quarto, com 855 votos, e Fernando Silva, apoiado por Luis Álvaro Ribeiro e Celso Jatene, em terceiro, com 1.077 votos. Todos os três investiram muito mais na campanha do que José Carlos Peres, que não poluiu as ruas da Baixada Santista com um único cartaz.

Peres, o presidente eleito na Capital, nas urnas da FPF.
1° – José Carlos Peres – 407 votos
2° – Fernando Silva – 338
3° – Nabil Khaznadar – 212
4° – Orlando Rollo – 118
5° – Modesto Roma – 35

Conselho com Roma, Peres e Silva
Como é preciso ter ao menos 20% dos votos para ter representatividade no Conselho, e como o total de votos foi de 5.127, apenas as chapas de Modesto Roma, José Carlos Peres e Fernando Silva terão representantes no Conselho Deliberativo do Santos:
1° – Modesto Roma Júnior – 1.321
2° – José Carlos Peres – 1.139
3° – Fernando Silva – 1.077
4° – Orlando Rollo – 855
5° – Nabil Khaznadar – 735

E você, o que achou dessas eleições presidenciais do Santos?