Só neste mês de aniversário do Santos você encontra aqui o livro “Segundo Tempo”, de Pelé, por apenas R$ 74,90. Não perca o melhor presente que um santista pode dar e receber em abril.
eu, Pelé e as crianças - livro segundo tempo

Um dos dois times que participará do maior clássico alvinegro da Terra está sempre envolto em dívidas, tem problemas crônicos com seus confusos dirigentes e invariavelmente é prejudicado pela arbitragem em jogos decisivos. Seus torcedores só não se dizem “sofredores” porque, apesar de tudo, e sabe-se lá como, esse time costuma revelar jovens jogadores de talento, ou atrair outros experientes e já desacreditados que se transformam ao vestir sua camisa.

Este primeiro time, ainda, já jogou o futebol mais bonito e ofensivo visto neste planeta. Formou, do nada, um grupo de artistas que por quase duas décadas encantou plateias de todos os continentes, parando até guerras e ensinando a todos que a capital do Brasil não era Buenos Aires. Como estrela da companhia, ainda exibia o melhor jogador de todos os tempos, um verdadeiro Rei, malabarista, sábio e corajoso como seus irmãos brasileiros. É por isso que este time improvável, underdog da história, simboliza tudo o que é puro, nobre, romântico e belo no futebol.

Seu adversário, de origem humilde, mas tornado rico e poderoso pelas conveniências políticas e mercadológicas, recebe benesses do governo em forma de estádio moderno e patrocínio milionário de empresa estatal, e também é privilegiado pela empresa que domina e manipula a comunicação no País. Não precisa se preocupar com a arbitragem, pois, em dúvida, ela sempre estará ao seu lado. Este é o alvinegro do status quo, que tem o chefe do sistema político nacional como seu maior lobista.

Mas por essas diferenças é que este encontro sempre vale a pena. Ele acaba com as neutralidades aparentes, separa crianças de homens e testa o senso estético e ético dos brasileiros. Ele divide opiniões e paixões. E faz até os deuses do futebol tomarem partido.

Veja agora este jogo, decisivo para o título Paulista do Santos em 2006: árbitro não deu pênalti e ainda expulsou o santista que reclamou. Menino Geilson fez o gol sozinho contra a defesa adversária e depois Cleber Santana fez um gol de falta que o árbitro não deu. É mole? Mas o Santos ganhou e seguiu rumo ao título:

Veja Alison visitando os companheiros no vestiário do Santos:

Pra você, qual dos dois alvinegros representa o povo brasileiro?