Presidente do Flamengo não quer discutir divisão de cotas: “a negociação é feita pelo clube com a TV e valem os interesses da TV”.

Todo mundo sabe que a evolução do futebol brasileiro passa pela criação de uma Liga Nacional, que dê aos clubes o comando do futebol no País, hoje nas mãos da Rede Globo de Televisão. Porém, conhecendo o caráter imediatista e individualista do dirigente brasileiro, já se sabia também que seria utópico esperar que os clubes privilegiados pelo atual sistema desigual de divisão de cotas de tevê ao menos concordassem discutir a situação. A entrevista do presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, à Agência Estado, confirma as piores previsões.

Duas das perguntas feitas pela Agência Estado se referem às divisões das cotas de tevê, que hoje privilegiam desmesuradamente a Flamengo e Corinthians. Nas duas, Eduardo Bandeira mostra sua intransigência, colocando as ambições de seu clube acima dos interesses gerais dos clubes brasileiros. Leia e analise a primeira:

AE – Há espaço para os clubes discutirem cotas de TV em conjunto?
Eduardo – A questão das cotas de TV não foi discutida nem vai ser. Não está em pauta. A negociação é feita pelo clube com a TV e valem os interesses da TV. A gente não imagina que esse caminho seja com todo mundo junto. Senão, vamos ter de chamar todos os 680 clubes brasileiros. Aí o Calouros do Acre vai dizer que quer ganhar que nem o Flamengo.

Perceba que o dirigente do Flamengo defende “os interesses da TV”. Ou seja, ele é presidente de um clube de futebol, mas como a decisão da TV favorece tremendamente ao seu clube, abandona a sua categoria para apoiar a liderança da TV. Este seu argumento de que seria preciso “chamar todos os 680 clubes brasileiros” evidentemente é furado. O que se estará em pauta, principalmente, é a transmissão do Campeonato Brasileiro da Série A, que conta com apenas 20 clubes.

Agora leia a resposta do presidente do Flamengo quando a pergunta se refere à Espanholização comandada pela Rede Globo:

AE – Alguns clubes consideram que o Brasil passa por um processo de “espanholização” de seu futebol, numa alusão a valores que Flamengo e Corinthians recebem da TV. O que acha disso?
Eduardo – Não concordo. O Flamengo sempre foi a maior torcida. Quando não tinha direito de televisão, a receita era de bilheteria. Hoje, a receita de TV é maior, o patrocínio também é maior porque a torcida do Flamengo é maior e nem por isso se está a assistindo à “espanholização” do futebol brasileiro. Há clubes que têm outras vantagens comparativas. O São Paulo, por exemplo, tem um estádio há mais de quatro décadas. Por competência, eles conseguiram fazer um trabalho de base. O do Flamengo se deteriorou. A nossa receita de venda de jogadores é ridícula. Nós nunca tivemos estádio, o nosso centro de treinamento está sendo construído agora e está ainda em uma situação precária em relação ao de outros clubes. Ou seja, eu não estou propondo que ninguém divida seu centro de treinamento nem estádio com o Flamengo. Cada um com suas vantagens.

Nesta resposta, o presidente flamenguista junta alhos com bugalhos para justificar o injustificável. Se outros clubes têm estádios ou um bom trabalho de base é porque tiveram méritos para isso. Nada, a não ser sua incompetência histórica, impediu o Flamengo de conseguir as mesmas coisas. E isso de torcida ser monetarizada em forma de cota de tevê merece uma longa e detalhada discussão.

Em primeiro lugar, o ibope se transforma em dinheiro à medida em que os horários das transmissões de futebol são vendidos a patrocinadores. Esses patrocinadores anunciam para um público que pode comprar seus produtos. Onde está esse público e onde estão esses patrocinadores? Estão, em 80% dos casos, na Capital e no Interior do Estado de São Paulo, justamente os mercados produtor e consumidor mais ricos do Brasil. Pois bem, qual é a dimensão da audiência do Flamengo nesses dois mercados? Nula! Isso mesmo: Nula!

Times do Interior de São Paulo, como Ponte Preta, Guarani e Ituano talvez despertem mais interesse no telespectador paulista do que equipes do Rio de Janeiro, como o Flamengo. Essa é uma questão cultural e jamais vai mudar. Assim como os comunistas soviéticos tentaram, em vão, acabar com o cristianismo nos países do Leste Europeu, usando para isso todos os recursos de propaganda, a Globo pode ficar até a eternidade tentando semear o interesse pelo futebol carioca em São Paulo e não conseguirá.

Portanto, é inegável que o Flamengo tenha maior torcida no Rio de Janeiro e no Norte/Nordeste do País, mas se estamos falando em converter essa audiência em dinheiro, o poder aquisitivo de cada mercado tem de ser levado em conta – e neste aspecto, São Paulo, Palmeiras e Santos vendem mais no rico mercado paulista do que o Flamengo ou qualquer outro time carioca.

Mas o que a Liga Nacional deve pretender, entretanto, não é mudar os nomes dos privilegiados, e sim acabar com os privilégios. Como já ocorre na Alemanha e Inglaterra, em que a divisão de cotas é justa e permite a estabilidade de todos os clubes da divisão principal e a competitividade obrigatória para o sucesso de suas competições internas, da mesma forma o Brasil pode ter um futebol mais rico e promissor caso mais clubes tenham plenas condições de serem incluídos no espetáculo.

Como todo dirigente de clube de futebol no Brasil, o presidente do Flamengo quer manter as vantagens que o sistema desproporcional dá à sua agremiação e mudar apenas as situações em que o Flamengo se sente prejudicado, como no Campeonato Carioca, cuja Federação cobra 10% da receita bruta de cada jogo do Estadual, o que é realmente é abusivo. Mas lutar contra as injustiças que nos prejudicam e apoiar as que nos favorecem nunca foi a política de um bom estadista, pois é evidente que ela provoca nos concorrentes uma reação igualmente radical, o que leva a situação a um impasse.

A intransigência do Flamengo no caso da divisão de cotas de tevê e da criação da Liga Nacional de Clubes certamente levará também à radicalização dos clubes adversários. A não ser que julgue viável participar de um eterno Rio-São Paulo com o Corinthians, o presidente do rubro-negro terá de mudar sua postura e entender que os interesses do futebol brasileiro devem se sobrepor aos interesses de seu clube.

E você, o que acha da intransigência do presidente do Flamengo?