Sede da Under Armour em Baltimore, Maryland, Estados Unidos.

O Santos tinha negociações bem adiantadas com a empresa norte-americana Under Armour para que ela se tornasse a sua fornecedora de material esportivo. No entanto, nesta terça-feira veio o anúncio oficial de que a Under Armour assinará um contrato de cinco anos com o São Paulo, pagando R$ 15 milhões anuais em dinheiro e mais R$ 12 milhões por ano em material esportivo, fora premiações por títulos. A pergunta que ficou no ar é: por que a Under Armour decidiu patrocinar o São Paulo e não o Santos?

A pergunta se torna ainda mais necessária quando se sabe que nenhum outro time brasileiro, além do Santos, representava fielmente a imagem que a Under Armour quer manter no Brasil. Em seu site oficial, a empresa se define como “uma marca de Underdogs”. Como se sabe, underdog quer dizer azarão, marginalizado, carta fora do baralho.

O site prossegue: “Você não leu errado, azarões mesmo. Azarão é aquele no qual ninguém acredita, ninguém aposta. Mas ele vence. Não conta com a sorte e não acredita em dom. Vence porque é disciplinado, determinado e sua para isso. Não precisa de exposição, de mérito ou aplausos, ele precisa do resultado.”

Bem, e qual é o maior time underdog do Brasil, o único que não é de uma capital e se mantém entre os mais vitoriosos do País, com feitos históricos inigualáveis e berço de tantos craques incomparáveis, entre eles o Rei Pelé? Não, nenhum outro time brasileiro é tão underdog, é tão Under Armour como o Santos.

Então, não fechar com o Santos foi um erro na empresa norte-americana? Não se pode dizer isso. Uma empresa de material esportivo quer visibilidade, lucro, participação maior no mercado, e viu mais isso no São Paulo do que no Santos. Entretanto, quem sou eu para analisar questões de marketing. Sou apenas um jornalista e como tal busquei fontes fidedignas sobre a negociação da Armour com os dois grandes clubes brasileiros. Pelas informações que apurei, a Under Armour fechou com o São Paulo, e não com o Santos, pelos seguintes fatores:

1 – O São Paulo é de São Paulo, uma das maiores cidades do mundo, com 15 milhões de habitantes. O Santos também tem muitos torcedores em São Paulo, mas prefere jogar em Santos, no menor estádio entre todos os times do Campeonato Brasileiro.

2 – O São Paulo, mesmo com problemas financeiros, tenta manter uma imagem saudável na mídia, enquanto a nova diretoria do Santos fez questão de revelar que estava assumindo um clube falido. Uma empresa próspera não quer associar sua marca a um clube falido.

3 – O Santos tem atributos que poderiam fazer a negociação pender para o seu lado, como sua brilhante história internacional e a ligação com Pelé, mas o São Paulo se empenhou bem mais na negociação. Seu presidente, Carlos Miguel Aidar, foi pessoalmente a Baltimore, em Maryland, Estados Unidos, sede da Under Armour, para tratar do negócio diretamente com a direção da empresa.

Agora veja os bastidores do Santos antes, durante e depois o jogo contra o Londrina. Robinho assumiu a liderança do elenco? Assista a este vídeo da SantosTV e tire suas conclusões:

E pra você, por que a Under Armour patrocinou o São Paulo e não o Santos?