Robinho
Jogadores treinaram chutes a gol (Ivan Storti/ Santos FC)

Meus amigos, quando o Santos está ganhando por 1 a 0, empatando por 0 a 0, 1 a 1, ou seja, vivendo de placares magros, é porque a coisa não vai bem. Como o time que mais marcou gols neste planeta, o Glorioso Alvinegro Praiano só está realmente bem quando seu ataque põe a bola pra dentro várias vezes em uma partida. E o jogo de hoje, às 19h30, diante do Maringá, na Vila Belmiro, pela segunda rodada da Copa do Brasil, tem cheiro de gol no ar.

O Santos vem de três jogos em que perdeu muitos gols e se complicou no segundo tempo: na final do Campeonato Paulista, contra o Palmeiras, fez 2 a 0, poderia até ter ampliado, mas acabou pressionado no segundo tempo, sofreu um gol e só foi buscar o título na agonia dos pênaltis. Depois, vencia o Maringá por 2 a 0 e sofreu o empate nos últimos minutos, e, por último, domingo passado, contra o Avaí, deu um show na primeira etapa, mas só marcou um gol. Na segunda, cedeu o empate e por pouco não perdeu o jogo.

A partida de logo mais será um bom teste para todos os compartimentos do time – defesa, meio de campo, ataque – e também para o técnico Marcelo Fernandes, que não tem sabido mexer na equipe para manter o bom futebol na etapa final. Desta vez, ele não terá todos os titulares à sua disposição, pois Renato, com dores na coxa, e Chiquinho, com dores nas costas, não entrarão em campo.

Leandrinho entrará no lugar de Renato, e aí acho que o time não perderá muito. Talvez até ganhe em fôlego e vitalidade, pois o substituto é bem mais jovem do que o titular. A outra substituição, porém, é que é mais problemática, pois Marcelo Fernandes colocará Cicinho na lateral-direita e deslocará Victor Ferraz para a esquerda, o que não tem dado certo nas últimas vezes em que foi tentado. Ferraz é bem melhor pelo lado direito e Cicinho a gente nunca sabe como se comportará. A única certeza é a de que, no mínimo, levará um cartão amarelo.

Mas o quarteto mágico – Lucas Lima, Geuvânio, Ricardo Oliveira e Robinho – estará em campo, o que sugere, ao menos, muitas oportunidades de gol. Isso posto, a escalação do Santos será: Vladimir, Cicinho, David Braz, Werley e Victor Ferraz; Valencia, Leandrinho e Lucas Lima; Geuvânio, Ricardo Oliveira e Robinho.

A Zebra quer passear na Vila

O Maringá, que tem como animal-símbolo a zebra, quer fazer jus a ela e conseguir a classificação na Vila Belmiro. Uma das coisas boas do futebol é que ele permite esses sonhos, e a Copa do Brasil está repleta de exemplos assim. Em pensar que um humilde e na época totalmente desconhecido Asa de Arapiraca eliminou o então poderoso Palmeiras de Vanderlei Luxemburgo em pleno Parque Antártica…

O técnico Claudemir Sturion e seus jogadores ficaram mais animados depois do primeiro jogo, na semana passada, em Maringá, quando foram para cima do Santos e conseguiram marcar dois gols nos minutos finais, mostrando a deficiência da defesa do Alvinegro Praiano nas bolas altas. Pode estar certo que hoje o Maringá vai apelar para um chuveirinho forte para buscar o gol. Bastará a vitória por um gol, ou um empate por três gols ou mais para o time do Norte do Paraná eliminar o Santos. Um novo empate em dois gols levará a decisão para as cobranças de tiro livre da marca do pênalti.

Pelo jeito, o atacante Edmar, um dos melhores jogadores do Maringá, ficará novamente de fora do jogo, pois continua sentindo dores no tornozelo. O time será escalado com Ednaldo, Ruan, Fabiano, Marcelo Xavier, Edinho; Ítalo, Serginho Paulista, Eurico, Max; Gabriel Barcos (Edmar) e Rodrigo Dantas.

Minha previsão

Hoje sinto no ar aquele cheiro de gols na Vila Belmiro. Caso jogue concentrado, não faça firulas e não perca a tranqüilidade, o Santos deve marcar, no mínimo, três gols contra o brioso time do Paraná. Creio que depois das lições recebidas principalmente contra o próprio Maringá e o Avaí, o Santos não deve dar bobeira. Arrisco um 4 a 1.

Novos valores

Assisti ontem ao bom jogo entre Palmeiras e Sampaio Correia e fiquei bem impressionado com o tal de Pimentinha, que sozinho criou várias situações de perigo contra a meta de Fernando Prass. No domingo, Renato Cajá, da Ponte Preta, foi um dos destaques da rodada. Como bate na bola esse rapaz! Lembra Dicá, Ailton Lira, os grandes meias passadores e finalizadores do futebol brasileiro. Digo isso só para alertar aos responsáveis pelo futebol do Santos de que, diante da situação crítica dos sofres alvinegros, serão esses jogadores, de equipes intermediárias e mesmo pequenas, que deverão ser garimpados para manter o Santos competitivo nos próximos anos.

E você, o que espera de Santos e Maringá, hoje, na Vila?