Será que, assim como Felipe Anderson teve um dia de Pelé contra o Avaí, hoje será o dia de Geuvânio? (Ivan Storti/ Santos FC).

Há quem analise as possibilidades de dois times apenas pelo nível técnico, o salário dos jogadores, o currículo das equipes, e por isso deve achar que o Santos, completo, só vai surfar contra o Avaí. Negativo. Jogadores profissionais podem compensar inferioridades técnicas com muita disposição, e isso costuma tornar os jogos equilibrados, principalmente quando a equipe teoricamente menos forte joga em casa, estimulada por seus torcedores a correr o tempo todo, diminuir os espaços, se atirar com vontade nas divididas, lutar até o final. Por isso, santista, esteja preparado para sofrer neste domingo, a partir das 18h30, quando Avaí e Santos, com transmissão do Sportv, jogam pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

Mas alguém pode lembrar que enquanto o Santos foi campeão do difícil Campeonato Paulista, o Avaí só se salvou do rebaixamento na última rodada do Catarinense. É verdade. Mas na última partida, pela Copa do Brasil, venceu um clássico local ao bater o Figueirense por 1 a 0. E hoje será um dia especial, com a Ressacada cheia para ver o Avaí contra o Santos de Robinho, Ricardo Oliveira, Renato, Geuvânio e outros ídolos.

Isso posto, digo que acredito na vitória do Santos porque acredito que o técnico Marcelo Fernandes e seu assessor Serginho Chulapa não deixarão o time esmorecer. Não acho que, a exemplo de outros técnicos famosos que passaram pelo clube, um empate será considerado um bom resultado pelo fato de o jogo ser fora de casa.

Com todo o respeito ao Avaí, se o Santos quer se colocar entre os primeiros neste Brasileiro, terá de vencer alguns jogos fora de casa, e este é um que está na lista. Mas para vencê-lo será preciso disposição e atenção. Não só técnica, mas, principalmente, tática.

O técnico Gilson Kleina armará o seu time no sistema 4-4-2, fechando bem o meio de campo e tentando dominar este setor que é fundamental para se manter a iniciativa do jogo. Renan, Eduardo neto, Renan Oliveira e o veterano Marquinhos, aquele mesmo que jogou no Santos em 2010, estão escalados para a meiúca.

O Santos terá Valencia, Renato e Lucas Lima no meio, mas, quando perder a bola, será preciso contar com o recuos de Robinho e Geuvânio para manter o equilíbrio por ali. Ao recuperá-la, aí sim o Alvinegro Praiano deverá ser mais ofensivo e criar mais oportunidades. Mas antes de atacar, como bem costuma lembrar o técnico Marcelo Fernandes, é essencial recuperar a posse da bola.

Completo, o campeão paulista entrará em campo com Vladimir; Victor Ferraz, Werley, David Braz e Chiquinho; Valencia, Renato e Lucas Lima; Robinho, Ricardo Oliveira e Geuvânio.
O Avaí jogará com Vagner; Pablo, Antonio Carlos, Jéci e Eltinho; Renan, Eduardo Neto, Renan Oliveira e Marquinhos; Anderson Lopes e André Lima.

A arbitragem será de Dewson Freitas da Silva, auxiliado por Márcio Correia Dias e Lúcio Ribeiro de Mattos, todos do Pará. Nada sei sobre eles. Apenas espero que sejam bons e não caseiros.

Sem se classificar no grupo da Copa Libertadores desde 2007, quando foi vice-campeão brasileiro, o Santos tenta mudar esse retrospecto em 2015. Para isso, sabe que não bastará ter bons resultados em casa. Uma vitória hoje, obviamente, motivará bastante o grupo.Torçamos.

Dois jogos, duas histórias diferentes

Um dos últimos jogos que deu mais alegria aos torcedores do Avaí ocorreu em 28 de novembro de 2010, quando o time se salvou da zona de rebaixamento ao conseguir uma vitória de 3 a 2 sobre o Santos de Neymar, depois de estar perdendo por 2 a 0.

A partida começou com um desempenho espetacular de Neymar, que fez jogada sensacional no primeiro gol, de Keirrison, e depois marcou o segundo. Porém, Caio, do Avaí, estava em dia ainda mais inspirado, e marcou três belos gols, salvando o time catarinense do descenso.

A Ressacada atraiu 17.136 pessoas naquela tarde de domingo histórica para o Avaí. O jogador Marquinhos, então no Santos, chorou de alegria pela vitória do Avaí, seu time do coração, e essa foi a gota d’água para ser demitido do Alvinegro Praiano. Veja os gols:

Um ano depois, porém, em 7 de setembro de 2011, a história foi diferente. Sobre um gramado encharcado, quem saiu na frente foi o Avaí, com um gol de pênalti inexistente, pois
Edu Dracena não tocou no atacante adversário.

Na segunda etapa, mesmo com Neymar em campo, quem brilhou foi o menino Felipe Anderson, que deu o passe para o gol de empate, de Borges, e depois fez grande jogada para marcar o gol da vitória, driblando com o pé direito e enfiando uma bomba, no ângulo, com a esquerda.

Esta atuação já deixava claro que Felipe Anderson, bem trabalhado, se consolidaria como um grande meia. Porém, o técnico Muricy Ramalho, no alto de seus 700 mil reais por mês, dizia que Anderson tinha “defeito de fábrica” e não o prestigiava. Hoje Felipe Anderson, destaque da Lázio, foi escolhido como o melhor jogador sub-23 da Europa, superando até mesmo Neymar. Veja os gols:

Longuine chega e já tem de entrar na brincadeira

Veja imagens do último rachão da temporada do Campeonato Paulista, com vitória do time de colete e a gozação pra cima de Rafael Longuine, que preferiu jogar no time de Robinho e se deu mal. Veja:

E pra você, como o Santos deve jogar para vencer o Avaí?