Uma tarde de domingo só da Praia do Gonzaga, uma das sete praias de Santos. Apenas uma parte desta multidão manteria a Vila Belmiro sempre lotada.

Confesso que não ouvi, mas fiquei sabendo que o diretor de marketing do Santos, Paulo César Verardi, fez um apelo para que os santistas da capital compareçam mais aos jogos da Vila Belmiro. Acho que um especialista em marketing não pede ajuda ao consumidor, mas cria condições para que este consumidor tenha interesse de consumir o produto.

Assim, se forem criadas condições para que este torcedor freqüente mais a Vila, obviamente isso ocorrerá. Quem sabe se linhas diretas de ônibus das estações Jabaquara e/ou Imigrantes do Metrô; um pacote especial para torcedores de fora da cidade; brindes, sei lá, alguma coisa que torne mais atraente descer a serra para sofrer as agruras de se assistir a um jogo no Urbano Caldeira…

Porém, antes de apelar para os santistas da capital, o mais plausível para o marketing do santos seria preencher os cerca de 12 mil lugares disponíveis na Vila Belmiro com torcedores da própria Baixada Santista, principalmente das contíguas Santos e São Vicente, que, juntas, congregam, aproximadamente, 300 mil adeptos do Alvinegro Praiano.

Bastaria, então, convencer 4% (quatro por cento) dos santistas dessas duas cidades, das quais se chega à Vila Belmiro à pé, para se ter 12 mil torcedores a cada jogo do Santos, que, somados aos proprietários das cativas, a torcida adversária e a alguns donos de camarotes, certamente lotariam o estádio, sem que fosse preciso distribuir ingressos gratuitamente.

O jovem presidente do Bahia, o jornalista Marcelo Sant’Ana, demonstra uma visão muito clara sobre o assunto ao afirmar que o maior rival de seu time não é o Vitória, mas sim as praias de Salvador. Não será este também o caso do Santos? Em uma tarde de domingo, quantos milhares de santistas que poderiam estar na Vila Belmiro, não preferem a praia?

E se a praia é o principal ponto de concentração de torcedores do Santos, por que não se promover os jogos e se vender os ingressos lá? Não é mais natural do que fazer apelos para que torcedores de outras cidades freqüentem a Vila Belmiro?

Sem se esquecer de que já existe, a alternativa já pronta, de se marcar jogos para o Pacaembu – um estádio otimamente localizado, que em partidas como a última, contra o Cruzeiro, atrairia no mínimo o dobro de santistas que foram ao Urbano Caldeira.

Presidente do Bahia dá uma aula de marketing futebolístico:

Veja agora os bastidores de Santos X Cruzeiro:

Você não acha que a praia é o maior rival do Santos?