Auditores da Bonassa Nuker definiram ações da diretoria santista, comandada por Luis Álvaro Ribeiro e Odílio Rodrigues, como “contratos danosos” ao clube.

O escritório Bonassa Buker, de São Paulo, contratado pelo presidente Modesto Roma para fazer uma auditoria no clube, chegou à esperada conclusão de que alguns negócios assinados pela gestão anterior foram extremamente danosos ao clube. São eles:

– Compra de 100% do passe de Leandro Damião, usando para isso um empréstimo de 13 milhões de euros (cerca de 44 milhões de reais. O valor deve ser pago em cinco anos, com juros de 10% ao ano. Com os acréscimos, o total da dívida já se aproxima dos R$ 50 milhões.

– Venda de todos direitos sobre o passe de Alison. O Santos negociou os 70% que lhe pertenciam com o banco BMG e o restante está com o próprio Alison (10%) e o seu seu agente, Giuliano Bertolucci (20%).

– A Doyen reclama não ter recebido a sua parte na venda do passe Felipe Anderson ao Lazio, em 2013. Diz também que repassou ao Santos o valor da primeira parcela a ser paga ao Internacional pelo passe de Leandro Damião, mas o dinheiro não foi entregue ao Inter.

– A Doyen, por sua vez, recebeu partes dos direitos econômicos de três jogadores promissores da base do Santos. São eles Gabriel, Daniel Guedes e Geuvânio. As porcentagens exatas estão sendo investigadas.

– Outro contrato definido como “danoso’ pela auditoria é o que o clube fez com a CSU, empresa que administra o programa de sócios do Santos. A direção santista tem protestado contra a alta inadimplência no seu quadro associativo, que já chegou a cerca de 60 mil sócios, mas hoje tem apenas 20 mil adimplentes.

Ao saber dos resultados da auditoria, o presidente Modesto Roma evitou usar palavras que acusassem seus antecessores de desonestidade – o avalista imobiliário Luis Álvaro Ribeiro, que se licenciou por problemas de saúde, e o médico Odílio Rodrigues, que o sucedeu -, mas destacou a evidente má gestão da qual o Santos foi vítima:

“Acho que foram feitos (os contratos) por falta de conhecimento administrativo. São contratos de má gestão. Em princípio, não há indicações de má-fé, mas má gestão é tão grave quanto. Isso agora é um problema para ser resolvido pelo Conselho Deliberativo e pela Comissão de Inquérito e Sindicância. A gente está abrindo os armários. Agora é a hora de começar a dar respostas”.

Santos não tem porcentagem alguma no passe de Alison

Auditoria revelou que os 70% que o clube tinha sobre o passe de Alison foram negociados com a Doyen para cobrir os empréstimos. 10% é do próprio jogar e 20% do seu empresário.

Enquanto o Campeonato Brasileiro não começa, vamos dar uma pausa e apreciar a festa dos campeões paulistas Ricardo Oliveira, Robinho, Lucas Lima, David Braz, Marcelo Fernandes, Modesto Roma & Cia:

E pra você, o Santos deve renovar com Elano?

Elano
E agora, Elano? Para onde? (Ricardo Saibun/ Santos FC)

Leio matéria do jovem e confiável jornalista Klaus Richmond, no portal Terra, dizendo que Santos e Elano estão apalavrados e o jogador deve renovar contrato com o clube até o final de 2016. Outras fontes garantem que Elano renovará até o final deste ano e, dependendo de suas atuações, aí sim o contrato será prorrogado até 2016. De qualquer forma, o assunto é relevante e merece ser discutido com mais cuidado. A dúvida é: o Santos deve manter o ídolo Elano, em fim de carreira, ou o ideal seria usar esse dinheiro para conservar jogadores jovens de bom potencial?

Sabe-se que Elano recebe 50 mil reais por mês e terá um reajuste com o aumento. Calcula-se que chegará a 70 ou 80 mil mensais, valor suficiente para manter dois ou três jogadores mais jovens, como Diego Cardoso, Paulo Ricardo e Caju, por exemplo.

Por outro lado, a importância da história de Elano no Santos, onde marcou gols nas finais dos títulos brasileiros de 2002 e 2004, e voltou em 2011 para ser artilheiro do Campeonato Paulista e campeão da Libertadores, é inegável. Seu currículo no futebol também é dos melhores.

No auge, titular na Copa de 2010

Pode-se dizer que a carreira de Elano ascendeu até a copa de 2010, na África do Sul, quando não só era titular do meio-campo, como um dos jogadores mais importantes do time, provavelmente abaixo apenas de Kaká. Marcou dois gols naquele Mundial e vinha jogando bem, mas se machucou e ficou fora do jogo contra a Holanda, que eliminou o Brasil.

Com seis anos de experiência na Europa, Elano era um jogador respeitado e valorizado no mercado internacional. A alta soma de suas transferências dá uma boa idéia do seu prestígio. Vejamos:

Em dezembro de 2004 foi vendido pelo Santos ao Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, por 7,6 milhões de euros (cerca de 20 milhões de reais). Lá foi bicampeão nacional e ganhou a Supercopa da Ucrânia.

Despertou o interesse do técnico Sven-Göran Eriksson, do Manchester City, e em 2 de agosto de 2007 foi contratado pelo clube inglês por 8 milhões de libras (cerca de 35 milhões de reais).

Perdeu a titularidade com a chegada do técnico Mark Hughes e em 2009 foi contratado pelo Galatasaray, da Turquia, por 7 milhões de euros (cerca de 20 milhões de reais). Na sua chegada à Istambul foi recebido por cerca de 1.300 torcedores.

Em meados de 2010, no auge de sua carreira, Elano foi titular do Brasil da Copa de 2014, na África do Sul, e era também um dos jogadores mais importantes no esquema do técnico Dunga. Marcou dois gols naquela Copa (ao todo fez 14 pela Seleção) e saiu com uma imagem bastante positiva daquele Mundial, apesar de ter se machucado.

Em novembro de 2010 o Santos o contratou por cerca de 2,9 milhões de euros (6,5 milhões de reais). No primeiro semestre de 2011 foi artilheiro do Campeonato Paulista (ao lado de Liédson, do Corinthians), com 11 gols. Também foi campeão da Copa Libertadores. No segundo semestre teve um relacionamento polêmico com a atriz Nívea Stelmann e a partir daí seu rendimento como atleta, que já vinha caindo, foi ainda mais prejudicado.

Em 7 de julho de 2012, depois de se tornar um peso-morto no Santos, foi trocado pelo atacante Ezequiel Miralles, que também não vinha sendo aproveitado pelo Grêmio. Elano começou bem no Grêmio no time do Sul, mas aos poucos perdeu o lugar.

Em 7 de janeiro de 2014, convidado pelo técnico Vanderlei Luxemburgo, que também o tinha levado para o Grêmio, transferiu-se para o Flamengo. O Grêmio prosseguiu pagando metade de seu salário.

Nove meses depois, em 19 de setembro de 2014, assinou contrato de três meses com o Chennaiyin FC, da Índia.

Voltou ao Santos, a pedido do amigo Robinho, para jogar o primeiro semestre de 2015, com contrato até 30 deste mês.

As qualidades e os defeitos do jogador Elano

Nenhum jogador teria conseguido tudo o que Elano conseguiu no futebol caso não tivesse muitas qualidades. Poucos batem na bola como ele, um especialista em chutes a gol e passes longos. O ideal para as chamadas “bolas paradas”. Também tem uma técnica perfeita para a cabeçada. Com ótimo domínio da bola, também sabe protegê-la como poucos.

Seu maior problema tem sido o condicionamento físico. Mesmo aparentemente mantendo o corpo de 1,75m e 75 quilos que sempre teve, Elano tem se cansado rapidamente. E quando se cansa, não consegue acompanhar as jogadas de ataque e também chega atrasado na marcação.

A falta de pernas também o impede de jogar bem em várias áreas do campo, como fazia quando começou no Santos, a ponto de ser comparado com Lima, o eterno curinga da Vila.

Na sua passagem anterior pelo Santos, teve de ser trocado porque ganhava muito e pouco fazia. Estava mais preocupado em viver a vida fora do campo do que se dedicar ao trabalho. Não raras vezes foi visto divertindo-se em casas noturnas.

Agora, ao menos nos treinos e nas cenas de vestiário, percebe-se que está mais focado, esforçando-se mais. Porém, se está na reserva de um time que tem Valencia como titular, e se está atrás de Lucas Otávio e Leandrinho como opções para o meio de campo, é sinal de que não está passando confiança ao técnico Marcelo Fernandes.

Próximo dos 34 anos, que completará dia 14 de junho, Elano admite que está no fim de carreira. Quer jogar até o final de 2016 no Santos e depois trabalhar no clube, mas não descarta a possibilidade de parar no ano que vem. Disse que já conversou com o superintendente Dagoberto dos Santos sobre isso.

Em Maringá ele fez sua melhor partida nesta terceira passagem pelo Santos, tanto que sua substituição, por Serginho, desmantelou o meio-campo do time. Saiu muito aplaudido. Ainda é um ídolo. Sua presença também é motivadora para o elenco.

Porém, e já deixo essa questão para os leitores analisarem, se Elano não consegue ser ao menos o primeiro reserva do meio-campo do Santos, valerá a pena mantê-lo por mais um ano e meio no elenco, tirando a possibilidade de se dar espaço a jogadores jovens? E mantê-lo por um salário suficiente para segurar dois ou três destes jovens?

Ouça Elano falando sobre sua provável renovação:

Considerações finais

Há outras considerações a se fazer no caso de Elano, entre elas sua longa amizade com Robinho. Sabe-se que o apoio de Robinho, após cumprir uma ótima primeira temporada no Manchester City, foi fundamental para que o clube inglês contratasse Elano. Agora, Robinho novamente influenciou decisivamente para que Modesto Roma trouxesse o amigo para o Santos.

Será que mantendo Elano, fica mais viável manter Robinho? Essa é uma pergunta que só as pessoas responsáveis pelo futebol do Santos poderiam responder. Enfim, o assunto não é tão simples e permite múltiplas interpretações.

Como digo sempre, sou apenas o dono do blog, mas estou muiiito longe de ser o dono da verdade. Aqui, essa “verdade”, mesmo que momentânea, acaba surgindo da visão da maioria. Por isso, deixo a bomba n sua mão. Analise e diga se prefere que o Santos renove com Elano ou não.

Para você, vale a pena renovar o contrato de Elano? Por quê?