Lucas Lima
Lucas Lima e a bola, por Ivan Storti (Santos FC)

O funk do Robinho foi uma brincadeira bem-humorada que era para ser ouvida apenas pelos amigos, vazou e já foi explorada por pessoas mal intencionadas que querem jogar gasolina na fogueira, em um momento de tanta violência e insegurança envolvendo as torcidas do futebol. Mas os jogadores do Palmeiras são inteligentes e sabem que não houve nenhum menosprezo. Sabem também que o título se decidirá no campo, jogando futebol. Mas já que falamos de música, quero comentar algo sobre a letra do hino oficial do Santos.

Como se sabe, o Santos tem dois hinos: um, consagrado pelos torcedores, é a marchinha “Leão do Mar”, composta pelos irmãos Mangeri Sobrinho e Mangeri Neto para comemorar o título paulista de 1955, gravada no mesmo ano. O outro, “Alvinegro da Vila Belmiro”, considerado o hino oficial do clube, foi gravado dois anos depois, em 1957, e é uma composição de Carlos Henrique Roma, filho do ex-presidente Modesto Roma e irmão do atual presidente santista.

O hino oficial tem uma frase, no seu refrão, que merece uma análise mais aprofundada. Ela diz: “Nascer, viver e no Santos morrer é um orgulho que nem todos podem ter”. Alguns santistas interpretam essa frase ao pé da letra, o que dá ensejo a alguma confusão.

Para estes, ela quer dizer que o santista de verdade tem de ter nascido de um parto ocorrido no interior do Urbano Caldeira, ou, de preferência, dentro do campo; precisa viver o tempo todo no próprio estádio e em seus arredores, e morrer por ali também, provavelmente de um ataque cardíaco, durante um jogo difícil. Não é bem assim…

A frase do hino significa que aquele que é santista desde pequeno, segue sendo santista mesmo nas fases mais frustrantes do time e caminha para a velhice e a morte sempre fiel ao amor ao Alvinegro Praiano, este sim tem motivo de orgulho. Pode ser um santista de Diadema, Fortaleza, Joinville, Boa Vista, Osasco, Campinas, Luxemburgo, Munique, Macau…

O orgulho não está em viver o tempo todo próximo ao Santos apenas fisicamente, mas em conhecer e viver sua história, sentir as emoções que ele proporciona e contribuir para que cresça e estenda novamente seu fascínio e seu poder sobre a Terra.

Na verdade, um verso do hino popular “Leão do Mar” exprime claramente o Santos universal que o santista quer, o time que mantém as suas origens impregnadas em sua alma, mas não teme jogar em lugar algum: “Santos, Santos sempre Santos, dentro ou fora do alçapão. Jogue o que jogar, és o Leão do Mar, salve o novo campeão!”

Hino Oficial do Santos FC
Compositor: Carlos Henrique Roma Em Julho De 1957

Sou alvinegro da Vila Belmiro
O Santos vive no meu coração
É o motivo de todo o meu riso
De minhas lagrimas, e emoção
Sua bandeira no mastro é a história
De um passado e um presente só de glórias
Nascer, viver, e no santos morrer é um
Orgulho que nem todos podem ter
[2x]
No Santos pratica-se o esporte
Com dignidade e com fervor
Seja qual for a sua sorte
De vencido ou vencedor!!
Com técnica e disciplina
Dando o sangue com amor
Pela bandeira que ensina
Lutar com fé e com ardor

Hino do Santos (Leão do Mar)
Maugeri Neto e Maugeri sobrinho
Interpretação da banda Cajamanga

Santos!!Santos!!Gol!!
Agora quem dá bola é o Santos.
O Santos é o novo campeão.
Glorioso alvinegro praiano,
Campeão absoluto desse ano!
(2X)
Santos!!!
Santos sempre Santos,
Dentro ou fora do alçapão.
Jogue o que jogar,
És o leão do mar.
Salve o nosso campeão!!!
Agora quem dá bola é o Santos.
O Santos é o novo campeão.
Glorioso alvinegro praiano,
Campeão absoluto desse ano!
Santos!!!
Santos sempre Santos,
Dentro ou fora do alçapão.
Jogue o que jogar,
És o leão do mar.
Salve o nosso campeão!!!

E você, é um santista de que parte da Terra?