Valdívia cruza, erra o chute, pega Vladimir adiantado e faz, aos 32 minutos do segundo tempo, o gol solitário da vitória do Inter. Para completar, David Braz, que não tem jogado bem, reclama do árbitro Dewson Freitas Silva – um tipo que só tem coragem para expulsar jogador do time visitante – e leva o segundo amarelo e o vermelho. Assim, em alguns segundos, o Santos, que fazia um jogo equilibrado, perdeu mais uma partida neste Brasileiro.

Digo que foi uma falha porque sair do gol é a grande dificuldade do goleiro santista. No primeiro tempo ele já tinha ficado no meio do caminho em um cruzamento cabeceado no travessão. No lance de Valdívia adiantou-se para cortar o cruzamento e foi encoberto.

Arrisco-me a dizer que se este jogo fosse na Vila Belmiro, no Pacaembu, ou em qualquer lugar com mando de campo e torcida do Santos, o Alvinegro Praiano poderia vencer até com facilidade, pois o time gaúcho, recheado de jogadores de sua base, não chegou a dominar a partida e apresentou muitas falhas, mesmo atuando no Beira-Rio.

O Santos não jogou mal, mas faltou algo intangível, que é a vontade, a determinação de sair de campo com a vitória, algo que ele só demonstra quando joga em casa. O time foi melhor e teve mais oportunidades no primeiro tempo. Caiu um pouco, mas ainda equilibrava a partida no segundo quando sofreu o gol espírita de Valdívia, a 15 minutos para o final.

De qualquer forma, deu para constatar, mais uma vez, que mesmo sem Robinho o Santos pode jogar bem e aspirar vitórias, até em partidas fora de casa. É mais uma questão psicológica do que técnica ou tática. Mas quem sabe se Rafael Longuine pudesse jogar, a sorte da equipe seria diferente.

O certo é que será preciso ter tranqüilidade para buscar os pontos necessários para fugir do rebaixamento, o que parece ser o único objetivo da equipe neste campeonato. Com 10 pontos em nove jogos, o Santos ocupa a 14ª posição e está três pontos acima da zona de rebaixamento. Na próxima quinta-feira jogará contra o Fluminense no Rio de Janeiro, em outro jogo no qual o adversário será o favorito.

Mesmo fazendo campanha ruim no Brasileiro, o Inter atraiu um público de 22.495 pagantes (26.143 no total, com renda de R$ 618.895.

Atuações dos santistas

Vladimir – Teve altos e baixos, mas sai mal do gol, solta muitas bolas e não inspira confiança. Muitos santistas ainda o veem como o reserva de Vanderlei que entrou nas finais do Campeonato Paulista e foi ficando. Mas acho que está na hora de o titular voltar. 4.
Daniel Guedes – Está tendo oportunidades para mostrar que merece ser titular. E não está aproveitando. 4.
Werley – Regular, mas não pode sair jogando. 5.
David Braz – Tem jogado mal partidas seguidas. Expulsão boba tirou a chance de reação do time. 3.
Victor Ferraz – Melhorou quando passou para a lateral-direita. Regular. 5.
Lucas Otávio – Perde todos pelo alto e no jogo de corpo, mas mesmo assim rouba muitas bolas e erra poucos passes. 5,5.
Thiago Maia – Para um rapaz tão jovem, mostra personalidade. Agradável surpresa. 5,5.
Lucas Lima – Comandou o meio-campo, mas desta vez não encaixou nenhuma grande assistência. Pena não ter um chute potente. 7.
Geuvânio – Tentou, correu, batalhou. Caiu muito no segundo tempo. 5,5.
Ricardo Oliveira – Isolado, pegou pouco na bola e fez o que pode. 5,5.
Gabriel – Continua com os problemas crônicos de só jogar com a esquerda e errar a última bola, mas se esforçou mais e ajudou a defesa. 5,5.
Marcelo Fernandes/Serginho – Não tiveram culpa no resultado. Armaram o time para jogar de igual para igual e isso foi feito. As chances surgiram, mas não foram aproveitadas. O gol da derrota veio em um lance fortuito. 6.
Dos jogadores que entraram, Caju, mesmo um tanto estabanado, mostrou que deve voltar a ser titular da lateral-esquerda, com Victor Ferraz passando para a direita. 5. Neto Berola produziu menos do que Gabriel. 4,5. Marquinhos Gabriel também fez menos do que Geuvânio. 4.

E você, o que achou de Internacional 1 x 0 Santos?