Sem Lucas Lima, que deve ir para o Porto, e talvez sem Robinho, que tem ofertas mais tentadoras do que a do Santos, a volta de Paulo Henrique Ganso pode ser a grande atração para o segundo semestre do Alvinegro Praiano. Essa possibilidade tem dividido os santistas.

O Menino da Vila que foi embora dizendo que ia para um clube mais profissional, organizado, maior, pode voltar ao Santos com o rabinho entre as pernas. Paulo Henrique Ganso fracassou no São Paulo e agora pode tentar salvar sua carreira no Santos, a exemplo de tantos outros. O assunto é polêmico. Há quem acredite que na Vila ele reencontrará o seu “belo futebol”, outras acham que só virá engrossar seu pé-de-meia antes de encerrar sua precoce carreira em um time de um país distante e endinheirado. Acho que tudo é uma questão de custo-benefício.

Que o Ganso, com um pé só, ainda é um dos melhores meias do Brasil, não há dúvida. Mas que ele não vinha jogando nada no São Paulo, sem vontade alguma de entrar em campo, também era evidente. Que o Santos tem pecado por ter dirigentes incompetentes e amadores, é incontestável, mas que o ambiente dos treinos e do vestiário é um dos mais leves e divertidos, não resta dúvida. E hoje há um detalhe que pode seduzir Ganso: não há mais Neymar para chamar toda a atenção da mídia e da direção do clube.

O presidente Luis Álvaro Ribeiro só faltou babar em cima de Neymar, a quem definiu como “um filho”. Enquanto isso, Ganso era esquecido, sem um tratamento digno de sua qualidade como jogador. Hoje as coisas seriam diferentes e talvez ele ganhasse o respeito e a visibilidade que ainda não teve, o que poderia fazer dele o líder que pode ser.

Mas tudo pode esbarrar no dinheiro. Se Ganso, a exemplo de Ricardo Oliveira, admitir que precisa fazer um sacrifício e baixar sua bola para voltar a ter oportunidades e reconquistar seu espaço, acho que o negócio seria viável e bom para as duas partes. Porém, se insistir em ganhar um salário ao qual já não faz mais jus, creio que o negócio empacará, ou se revelará mais uma temeridade da direção santista.

A realidade é que o Santos deveria estar promovendo jovens e garimpando jogadores perdidos nos buracos negros do mercado, jogadores bons mas, por motivos diversos, esquecidos dos clubes e da mídia. Mas alguém pode responder: “Ué, mas o Ganso não é um deles?”. Não, verdadeiramente. No São Paulo teve mais nome e salário do que futebol. Para retomar sua carreira também terá de dar sua cota de sacrifício. Ou então ir para a Índia, China ou Estados Unidos, mercados que pagam bem para quem ainda joga apenas com o nome.

E você, como receberia Paulo Henrique Ganso de volta ao Santos?