Geuvânio e Rafael Longuine
Geuvânio e Rafael Longuine, dois atacantes prováveis para esta noite (Ricardo Saibun/ Santos FC)

Hoje o Santos, sem Robinho, enfrenta o São Paulo, que estréia o novo técnico, Osório, no Morumbi, em um clássico que está mais para o tricolor paulista. De qualquer forma, como diz Ricardo Oliveira, clássico é o tipo de jogo que todo mundo quer jogar, e nestas horas o Santos poderá até surpreender. Mas o assunto recorrente entre os torcedores é a possibilidade de o clube contratar Marcelo Oliveira, técnico bicampeão brasileiro, recentemente despedido do Cruzeiro, para o lugar do ainda pouco experiente Marcelo Fernandes.

Este blog leva a sério a democracia e respeita a opinião de todos. O blogueiro significa apenas uma opinião e um voto, e este é favorável à manutenção de Marcelo Fernandes até o final do Campeonato Brasileiro. Por três motivos principais: não vejo diferenças essenciais entre os técnicos brasileiros, a diferença de salários é muito grande e o Santos terá de encaixar várias temporadas seguidas com saldo positivo para se livrar da péssima situação financeira na qual se encontra.

Faça as contas: com uma dívida total de 400 milhões de reais, sem contar os 50 milhões, por enquanto, a serem pagos pelo passe de Leandro Damião, o Santos teria de obter um saldo positivo de 50 milhões por ano durante 10 anos seguidos para zerar os seus passivos. É quase impossível. Mais difícil ainda se não aumentar substancialmente suas receitas e ainda cortar despesas. Trazer Marcelo Oliveira iria na contramão dessas prioridades.

O ex-técnico do Cruzeiro subiu de patamar com o bicampeonato nacional e não quererá, tão já, voltar ao anterior. Hoje ele pode pedir 400, 500, 600 mil reais por mês e haverá clubes dispostos a pagar. Por outro lado, o técnico do Santos recebe 80 mil mensais. Essa diferença já pode garantir o salário de dois ótimos jogadores, o que é mais importante para o Santos, no momento, do que trocar de treinador.

O Marcelo do Santos vem do título paulista e de apenas quatro jogos no Campeonato Brasileiro, em que as falhas individuais foram mais importantes do que os defeitos táticos. Então, não vejo porque, tão prematuramente, demitir Marcelo Fernandes.

E como toda crise também trás oportunidades, estou ansioso para ver Rafael Longuine jogar o tempo todo ao lado do Ricardo Oliveira, com o apoio de Lucas Lima e Geuvânio. Quem sabe dá samba. Apesar de, repito, o favoritismo desta noite estar do lado do tricolor do Morumbi.

Veja o que Ricardo Oliveira falou do jogo e da ausência de Robinho:

E o Neto Berola, será que é bom de bola?

Reveja como foi o Sansão, no Morumbi, pelo Brasileiro de 2005:

E você, o que acha do Sansão e de uma suposta troca de técnico?