O que restou do Comitê Gestor

Hoje é dia de jogo importante contra o Vasco, às 21 horas, na Vila Belmiro, por isso não me estenderei muito para falar da assembléia extraordinária de ontem, no Conselho Deliberativo. O assunto era as mudanças no Comitê Gestor. Para resumir, dois integrantes foram destituídos pelo presidente Modesto Roma, dois pediram afastamento, em solidariedade aos companheiros demitidos, e outros quatro foram guindados aos postos.

Foram demitidos Lourenço Lopes e José Renato Quaresma, pediram demissão Rodrigo Marino e José Correia da Costa, e foram convidados, para preencher as quatro vagas, Antonio Carlos Cintra, que no início do seu discurso admitiu que nem sabia qual seria sua função no CG; Andres Enrique Rueda Garcia, o empresário que emprestou o dinheiro para o clube pagar os 10% de Lucas Lima; Luiz Antonio Ruas Capella, ex-diretor de futebol na administração Marcelo Teixeira, e o empresário Carlos Manuel da Silva.

O que ocorre é que Roma é contra o Comitê Gestor e quer governar sozinho, sem a intervenção de ninguém. Porém, há um estatuto a ser cumprido. Se for para extinguir o CG, tem de ser por vias legais e não apenas pela vontade do presidente.

Eu tinha algo para falar em defesa do sócio do Santos, principalmente do sócio que não mora em Santos, mas como a assembléia estava focada no caso do CG, tive de me abster. De qualquer forma, causou-me espécie o discurso do empresário Lourenço Lopes, um dos dois demitidos por Roma. Lourenço disse que a dívida do clube é de 400 milhões de reais e será de 600 milhões ao fim desta gestão, portanto daqui a dois anos e meio. “Não será com ingressos a 60 reais que essa dívida será paga”, afirmou o empresário.

Bem, os ingressos nesses últimos jogos na Vila Belmiro estão sendo vendidos a um preço médio que não chega a 25 reais. Analisei o que foi dito por Lourenço, fiz as contas, consultei o amigo conselheiro e advogado Marcelo Pagliuso, e cheguei a algumas conclusões que pretendo compartilhar com você, companheiro e companheira deste blog, nos próximos posts.

Hoje vamos nos concentrar nesse jogo importante – e de tanta tradição – contra o Vasco da Gama. Sim, o time do Rio passa por fase muito difícil, mas merece respeito. Que o Santos jogue com toda a garra e determinação que demonstra em seus compromissos mais importantes. Depois falaremos sobre o futuro do clube.


Reveja este Santos e Vasco, na Vila, em 2010.

O encontro de Santos e Vasco tem muita história. Para começar, foi o jogo que inaugurou o Estádio de São Januário, então o maior do País, em 1927. Como se sabe, o Santos venceu aquele duelo por 5 a 3. Foi também o jogo final de dois Campeonatos Brasileiros e dois Torneios Rio-São Paulo, com vitórias do Santos nos Brasileiros de 1965 e 1968 e também no Rio-São Paulo de 1959. Os vascaínos venceram no Rio-São Paulo de 1999. Houve, ainda, aquele jogo na rodada final do Brasileiro de 2004, que o Santos venceu por 2 a 1 e comemorou seu oitavo título nacional em São José do Rio Preto.

Sem contar, é claro, que foi contra o Vasco que Pelé marcou o milésimo gol de sua carreira, na noite de 19 de novembro de 1969, no Maracanã, em que o Santos venceu o Vasco por 2 a 1, de virada, pelo Campeonato Brasileiro, e os próprios vascaínos pediram que Pelé cobrasse o pênalti. Um detalhe é que o milésimo do Rei teve mais espectadores no mundo do que a segunda alunissagem do homem, ocorrida naquela mesma noite, pela Apollo 12.

Portanto, trata-se de um confronto de muita história, muita rivalidade e muito respeito mútuo. Por isso, em que pese a fase dificílima pela qual passa o Gigante da Colina, o Santos deve jogar com determinação, confiança, mas também uma certa cautela. Assim como os santistas, os vascaínos também precisam muito da vitória na partida desta quarta-feira, às 21 horas, na histórica Vila Belmiro.

A meta óbvia para o Santos se distanciar ao menos por uma rodada da zona de rebaixamento só será alcançada se o time vencer o Vasco. Por isso, o líder espiritual Ricardo Oliveira mantém o discurso da humildade e da dedicação, enquanto a diretoria continua com as promoções para lotar a Vila Belmiro.

É ótimo que o Santos, finalmente, esteja conseguindo atrair mais do que 10 mil pessoas para os seus jogos em casa. O que se pode discutir é a forma como isso tem sido feito, dando as mesmas vantagens do associado, que paga em dia suas obrigações com o clube, a um torcedor que simplesmente vesta uma camisa do time ao comprar seu ingresso na bilheteria.

O sócio, além de comprar o ingresso com 50% de desconto, agora tem o direito de comprar entrada para um acompanhante com o mesmo desconto. Ótimo. Só que o torcedor que nem é sócio terá os mesmos 50% de desconto pelo simples fato de usar uma camisa do Santos. Será que ao menos há a exigência de que a camisa seja oficial? E será que fiscalizam para impedir que um torcedor que já entrou jogue a camisa para quem está do lado de fora?

Enfim, essa promoção das camisas pode funcionar em um jogo estratégico, mas a partir do momento em que vai se tornando rotina, desvaloriza o título de sócio. Aliás, ser associado do Santos nunca valeu tão pouco. A única vantagem, que era pagar meia, agora pode ser obtida com uma camisa do clube, mesmo pirata, surrada e emprestada. Ou seja: 50% de desconto no ingresso sem investimento nenhum. Maravilha!

Santistas têm lembrado que se houvesse o mesmo empenho do clube com relação aos jogos no Pacaembu, o Santos teria uma média de público superior a 20 mil pessoas por partida. Concordo. É evidente que essa diretoria olha a possibilidade de jogar na Capital com má vontade. De qualquer forma, porém, se conseguir criar no santista de Santos o hábito de ir aos jogos, já terá feito alguma coisa de útil.

Pra cima do Vasco, mas com cuidado!

O Vasco do técnico Celso Roth e do presidente Eurico Miranda vive um inferno astral. Isso sabemos. De time protegido pelas arbitragens e pelo poder do futebol, acabou escanteado depois que Eurico Miranda resolver peitar a Globo. Isso torna menos problemático enfrentar o Gigante da Colina, mas, ainda assim, todo cuidado é pouco.

Não que o Santos deva cozinhar o galo. Não! Precisa ir pra cima, usar o que tem de melhor, que é seu poder ofensivo, e matar o jogo. Mas, ao mesmo tempo, tem de ficar esperto, pois estará jogando com um time que tem muita camisa e orgulho.

Um time que tem Dagoberto, Herrera, Martín Silva, Guiñazu, Nenê, Jorge Henrique e o lateral-esquerdo Christianno, e é dirigido por Celso Roth, merece cautela. Não temor, pois o Santos já venceu times melhores neste Brasileiro, mas sim o respeito natural que uma equipe de tradição inspira.

Quem vai, quem fica

O técnico Dorival Junior está preocupado com a possibilidade de o Santos perder jogadores para o exterior. A janela de transferências vai até o dia 31 deste mês. Lucas Lima só vai para o Porto ser o clube português aumentar bem a proposta. Fala-se também de uma proposta de um clube russo por Gabriel, no valor de 15 milhões de euros. Pois esta, dependendo de quanto ficar com o Santos, é de se pensar.

Eis o Leandro, que veio do Palmeiras:

E você, o que espera de Santos e Vasco?

time dos sonhos - Meninos da Vila de 1978 recebem o livro Claudinho, Gilberto Sorriso, Joãozinho, Neto, Pita e Toninho Vieira, na homenagem que eu e o livro Time dos Sonhos fizemos aos Meninos da Vila campeões paulistas de 1978.

Mais um mês de Campanha para a reedição de Time dos Sonhos!

Recebi agora a notícia da Kickante nos autorizando a manter a campanha de reedição do livro Time dos Sonhos, “!A Bíblia do Santista”, por mais 30 dias! Ótimo, pois assim poderemos chegar ao menos a uma edição de mil exemplares e dar a mais santistas a oportunidade de conhecer a melhor parte da rica história do Santos.

Aproveito para deixar algumas coisas bem claras sobre essa reimpressão do livro Time dos Sonhos, “A Bíblia do Santista”:

– O texto será praticamente o mesmo da terceira edição do livro, porém, como tive de redigir novamente muitos capítulos, aproveitei para passar um pente fino em todas as informações e incluir outras que não estavam no livro. Por isso, a obra será um pouco mais extensa do que a original.

– Este livro pagará royalties ao Santos Futebol Clube. Portanto, além de divulgar a história incomparável do Santos, ele representará alguma ajuda aos cofres do clube.

– O valor de R$ 40,00 não dá direito a um exemplar do livro, é apenas uma contribuição sem recompensa. Se você quer um exemplar, opte pela contribuição mínima de 70 reais. Com ela, além do livro, você também terá o direito de ter seu nome completo impresso no último capítulo do livro.

– Não pretendo relançar mais Time dos Sonhos. Portanto, se ainda não tem o livro, aproveite agora e o adquira pelo preço de pré-lançamento. Gostaria de fazer a continuação do livro, do início de 2003 até os dias atuais, mas isso ainda não está definido.

– O livro terá alguns eventos de lançamento, em São Paulo, Santos e outras cidades a serem definidas. Se preferir, espere para adquiri-lo nesses eventos. Entretanto, o valor do exemplar não será o mesmo que estamos oferecendo nesse pré-lançamento. Haverá um aumento de no mínimo 50%.

Se ainda não entrou, clique aqui e entre na campanha para a reedição do livro Time dos Sonhos, “A Bíblia do Santista”.

E então, podemos contar com o seu apoio?