(Fundo musical para ler este post)

Os gols e os goleadores, pela SantosTV:

Confesso que não esperava tanta facilidade na vitória do Santos sobre o São Paulo, no Morumbi. A eficácia santista espantou. Poucos ataques, três gols, uma bola na trave e um pênalti em Lucas Lima não marcado. O quarteto Lucas Lima, Gabriel, Ricardo Oliveira e Marquinhos Gabriel deitou e rolou. Enquanto isso, o São Paulo de Doriva cruzou oitocentas bolas e só marcou uma vez. A diferença entre os dois times foi enorme.

O Santos soube esperar a oportunidade de atacar e, quando o fez, foi cirúrgico. Gabriel, calmo como um veterano, marcou o primeiro aos 14 minutos, em ótimo passe de Daniel Guedes; Ricardo Oliveira recebeu rebote de Renato e teve tempo de dominar e girar, a um minuto do segundo tempo, e Marquinhos Gabriel, de cabeça, aproveitou cruzamento de Lucas Lima para fazer o terceiro. Aos quatro minutos do segundo tempo a partida já estava definida. O único gol tricolor foi de Pato, empatando o jogo aos 15 minutos do primeiro tempo, após um salto em falso de Daniel Guedes.

O São Paulo tem jogadores afamados, caros e menos eficientes, como Rogério Ceni, Ganso, Michel Bastos, Pato e Luis Fabiano. Alan Kardec entrou no segundo tempo e preocupou nas bolas altas. Mas um time não é um bando de jogadores. O Santos tem harmonia, fluidez e jogadores mais comprometidos com a vitória. O técnico Dorival Junior está em grande fase. Agora, só uma tragédia tira a classificação do Glorioso Alvinegro Praiano para a final da Copa do Brasil.

Para garantir a vaga, o Santos só não poderá sofrer três gols na Vila Belmiro, pois mesmo que perca por improváveis 2 a 0 ainda estará classificado. Pois eu já acho que se o time jogar com vontade, com fome de bola, ganha de novo, e bem, porque o São Paulo, como time, é inferior ao Santos, bem menos eficaz, mais lento e depende de alguns jogadores escalados apenas pelo nome. Desta vez, nem o Doriva vai dar jeito.

Quanto às atuações individuais dos santistas, o time todo foi de regular para bom, mas os destaques ficaram mesmo para os quatro já citados, além de Renato, Thiago Maia e os laterais. David Braz e Werley não comprometeram. Daniel Guedes falhou no gol do adversário, mas já tinha dado excelente passe para Gabriel marcar o primeiro. O Santos está sabendo ganhar na hora e do jeito que quer, e essa é uma característica das equipes campeãs.

Outra característica é a tranqüilidade diante de qualquer situação. O jogo teve tempestade e apagão, demorou para começar e era no campo do adversário. Nada disso atrapalhou o Santos, em mais uma prova de que o time pode jogar bem mesmo fora da Vila Belmiro. Quando a diretoria se convencer disso, esse mesmo sucesso que está tendo nos campos o Santos também terá no marketing e na tesouraria.

São Paulo 1 x 3 Santos
Morumbi, 22 horas, 21/10/2015
Semifinal da Copa do Brasil – jogo de ida
Renda: R$1.500.367,00. Público total: 26.434 pessoas.
São Paulo: Rogério Ceni; Bruno, Lucão, Luiz Eduardo (Centurión, 22’/2ºT) e Matheus Reis; Thiago Mendes, Rodrigo Caio e Paulo Henrique Ganso; Michel Bastos (Alan Kardec, 8’/2ºT), Alexandre Pato e Luis Fabiano. Técnico: Doriva.
Santos: Vanderlei; Daniel Guedes, Werley, David Braz e Zeca; Thiago Maia, Renato, Marquinhos Gabriel (Neto Berola, 39’/2ºT) e Lucas Lima; Gabriel (Paulo Ricardo, 28’/2ºT) e Ricardo Oliveira (Gustavo Henrique, 43’/2ºT). Técnico: Dorival Júnior.
Gols: Gabriel, 14’/1ºT (0-1); Alexandre Pato, 25’/1ºT (1-1); Ricardo Oliveira, 1’/2ºT (1-2); Marquinhos Gabriel, 4’/2ºT (1-3).
Arbitragem: Raphael Claus, auxiliado por Rogerio Pablos Zanardo e Carlos Augusto Nogueira Junior, todos de São Paulo.
Cartões Amarelos: Luis Fabiano, Lucão, Centurión e Thiago Mendes (São Paulo), Marquinhos Gabriel (Santos).

E você, acha que a vaga na final já está garantida?