Como se previa, esse jogo contra o Figueirense, pela Copa do Brasil, representou uma vitória santista no campo, nas arquibancadas e na tesouraria. Mesmo desfalcado de Lucas Lima e Victor Ferraz, e apesar de sofrer dois gols por falhas de sua defesa, o Santos venceu por 3 a 2, atraiu um público superior a 30 mil pessoas ao Pacaembu – o maior em 2015 – e conseguiu uma arrecadação superior a um milhão e duzentos mil reais.

A vitória poderia ser ainda mais tranquila, pois na metade do primeiro tempo o Alvinegro Praiano já vencia por 2 a 0, gols de Gabriel, sem ângulo, e de Marquinhos Gabriel, de cabeça. Antes do final do primeiro tempo, porém, o time sofreu um gol de escanteio, em falha na marcação e também do goleiro Vanderlei. Logo no início da segunda etapa, Neto Berola ampliou para 3 a 1, de cabeça, mas em outro erro, dessa vez na saída de bola, Carlos Alberto penetrou, deu um drible previsível em David Braz e diminuiu.

De qualquer forma, com vitórias de 1 a 0 em Florianópolis, e 3 a 2 em São Paulo, o Santos despachou o Figueirense e agora, na semifinal, enfrentará o São Paulo, em um confronto que exigirá maior atenção de seu sistema defensivo.

Contra o Figueirense, Gabriel e Marquinhos Gabriel voltaram a ser os melhores do Santos. Zeca, Gustavo Henrique, Renato e Thiago Maia também jogaram vem. Daniel Guedes foi mal e os demais tiveram atuação discreta. O artilheiro Ricardo Oliveira produziu pouco.

A partida comprovou o que a maioria dos santistas está careca de saber, ou seja: o Santos não pode ficar tanto tempo sem jogar no Pacaembu. O grande e histórico estádio paulistano dá visibilidade e coloca dinheiro no caixa do clube, além de tornar viável uma campanha de associados voltada para o torcedor da Grande São Paulo e do Interior Paulista.

Para se ter ideia da importância desse público que foi incentivar o Santos, basta dizer que na partida em que venceu o Grêmio por 2 a 1 e entrou no G4, há duas semanas, o Palmeiras teve um público de 21.257 pagantes no mesmo Pacaembu, ou mais de cinco mil pagantes a menos do que o Santos contra o Figueirense. Isso significa que se a diretoria santista colocar mais jogos em São Paulo e tratar cada um com a atenção que merece, o Santos terá, na capital, públicos similares aos dos grandes paulistanos.

Santos 3 x 2 Figueirense
Pacaembu, 01\10\2015, 21 horas
Quartas-de-final da Copa do Brasil
Renda: R$ 1.281.485,00. Público pagante: 25.930. Público total: 30.700.
Santos: Vanderlei, Daniel Guedes, David Braz, Gustavo Henrique e Zeca; Thiago Maia, Renato e Rafael Longuine (Neto Berola – intervalo); Marquinhos Gabriel (Marquinhos – 32’/2ºT), Gabigol (Serginho – 26’/2ºT) e Ricardo Oliveira. Técnico: Dorival Júnior.
Figueirense: Felipe, Leandro Silva, Saimon, Bruno Alves e Juninho; Fabinho, Ricardinho (Dudu – intervalo), Bruno Dybal (Carlos Alberto – 11’/2ºT) e Jefferson; Thiago Santana e Elias (Clayton – 23’/2ºT). Técnico: Hudson Coutinho.
Gols: Gabriel, 20’/1ºT (1-0); Marquinhos Gabriel, 28’/1ºT (2-0); Bruno Alves, 36’/1ºT (2-1); Neto Berola, 2’/2ºT (3-1); Carlos Alberto, 41’/2ºT (3-2)
Arbitragem: André Luiz de Freitas Castro, auxiliado por Jesmar Benedito Miranda de Paula e Evandro Gomes Ferreira, todos de Goiás.
Cartões amarelos: Leandro Silva, Saimon, Carlos Alberto e Jefferson.

E você, o que achou da festa santista no Pacaembu?