Clique aqui para assistir, a partir das 15 horas desta quinta-feira, direto da CBF, ao sorteio dos mandos de campo da final da Copa do Brasil, entre Santos e Palmeiras. Os jogos serão realizados em duas quartas-feiras à noite, dias 25 de novembro e 2 de dezembro.


Ricardo Oliveira marcando mais um na cadern… no gol de Ceni (Ricardo Saibun/ Santos FC)

Eu quase fiz o título “Santos teve pena”, mas respeitei a dor alheia. A verdade, porém, é que o Alvinegro Praiano fez três gols em 25 minutos e terminaria o primeiro tempo com cinco ou seis gols se quisesse. O professor Doriva começou a partida com três atacantes e serviu o tricolor de bandeja para os contra-ataques de Lucas Lima, Gabriel, Marquinhos Gabriel e Ricardo Oliveira. O resultado disso foi “25 minutos de sonho” para os santistas – aliás, outro título que pensei fazer.

O artilheiro Ricardo Oliveira marcou o primeiro e o terceiro, com oportunismo espantoso, e Marquinhos Gabriel fez o segundo, em um chute de fora da área no ângulo. Vendo jogadas tão eficientes terminarem em gols assim, não dá para deixar de associar o Santos ao futebol artístico e ofensivo. Muita coisa pode ir mal na Vila Belmiro, o clube tem problemas financeiros, administrativos, de marketing, mas quando a bola rola, toda a grandeza do Glorioso Alvinegro Praiano refulge maravilhosamente.

Como Dorival Junior disse ao final do primeiro tempo, o time se acomodou a partir dos 30 minutos de jogo, e deu mais espaço ao São Paulo. Na segunda etapa, como podia sofrer quatro gols e ainda se classificaria, o Santos só tocou a bola e deixou o tempo passar. Dorival aproveitou para poupar Lucas Lima, Gabriel e Daniel Guedes, fazendo entrar Geuvânio, Alison e Chiquinho.

Com o jogo arrastado, o São Paulo fez o seu golzinho, em um chute de longe de Michel Bastos. Em nenhum momento, porém, a classificação do Santos foi ameaçada. Agora, é esperar o sorteio, hoje, na CBF, para saber onde o Santos fará o primeiro jogo da decisão, contra o Palmeiras – que ontem venceu o Fluminense por 2 a 1 e se classificou na disputa de pênaltis.

Perdi a conta de quantas semifinais consecutivas o Santos acumulou contra o São Paulo somando esta de ontem. De qualquer forma, para evitar brigas, sugiro aos santistas que não entrem na provocação dos são-paulinos nesses próximos dias. Concordem com tudo o que eles disserem. Afinal, como diz o português da padaria, o freguês tem sempre razão.

O público de 13.932 pessoas, que proporcionou renda de 840 mil reais, foi bom para a Vila Belmiro, mas menos da metade do que seria no Pacaembu. Se o presidente Modesto Roma disse que a situação financeira do Santos é “péssima”, então era um jogo para faturar. Ou alguém imagina que o Santos não venceria a partida de ontem em qualquer estádio do mundo?

Eu tinha esquecido, desculpem. Então, lá vai. Ah, uma dica para o goleiro são-paulino: dizem que três xícaras de chocolate por dia são um santo remédio contra entorses:

E você, o que achou de mais este chocolate sobre o tricolor?