Para manter as esperanças de se safar da queda para a Série B, o Joinville terá de vencer o Santos, hoje, às 18 horas, em sua arena. Por isso, jogadores locais falam em se doar 110% na batalha de logo mais. O campo está pesado, devido às chuvas constantes na região. Diante dessas circunstâncias, é óbvio que o Santos não conseguirá os três pontos se jogar da forma sonolenta e pouco aplicada com tem se apresentado nos jogos fora de casa neste Campeonato Brasileiro.

E a vitória também é vital para o Alvinegro Praiano se manter no G4, o que lhe garantirá uma vaga na Copa Libertadores de 2016, mesmo que o título da Copa do Brasil não venha. Com tempo para descansar durante a semana, o cansaço não poderá ser uma desculpa para outro resultado negativo longe da Vila Belmiro.

Os dois times terão desfalques, mas os do Joinville serão maiores. Enquanto Dorival Junior não poderá contar com o zagueiro Gustavo Henrique e o lateral Zeca, suspensos, o técnico PC Gusmão não terá o lateral Edson Ratinho, os volantes Naldo e Kadu e o meia Lucas Crispim, também suspensos. O veterano meia Marcelinho Paraíba deve ir a campo, mas não está em plenas condições físicas.

Do meio-campo para a frente, o Santos será o mesmo time que vem fazendo grandes jogos neste Brasileiro, com Thiago Maia, Renato, Lucas Lima e Marquinhos Gabriel; Gabriel e Ricardo Oliveira. Sua defesa deverá ser formada por Vanderlei, Daniel Guedes, David Braz, Werley (Paulo Ricardo) e Chiquinho.

O time do Joinville que treinou sexta-feira e sábado para o jogo foi escalado com Agenor, Arnaldo, Rafael Donato, Guti e Diego; Anselmo e Yuri; Silvinho, Marcelinho Paraíba e Edigar Júnio; Kempes. Seus jogadores mais perigosos são os atacantes Kempes e Marcelinho Paraíba.

A disposição do time local de se dedicar de corpo e alma à vitória ficou evidente na entrevista do volante Yuri antes do treino de ontem:

– Nós precisamos mais do que eles da vitória. O momento deles é muito bom, estão na Copa do Brasil, no G4. E nós estamos lutando para sair da zona de rebaixamento. Temos que correr mais do que eles, estar mais entregues ao jogo. Nesse jogo, 100% vai ser pouco – destacou.

Espero que os santistas entrem com o mesmo espírito, ou teremos mais uma decepção. Mesmo jogado para o horário morno das 18 horas de domingo, mesmo escondido da tevê aberta e disponível apenas no canal Premiere, o jogo de hoje deve ser encarado pelos santistas como uma decisão, tão importante como os duelos contra os grandes clubes brasileiros. Não importa que muita gente não assista ao jogo. Nós assistiremos e estaremos atentos ao desempenho do time.

Acredito no poder de auto-motivação dos jogadores. Sei que Dorival tentará animar a equipe, mas confio mesmo na influência positiva que Ricardo Oliveira tem sobre os companheiros. Ele é o melhor tipo de líder, pois comanda pelo exemplo.

Minha opinião é de que será um jogo duríssimo, talvez feio, instável, mas disputado do começo ao fim. Mesmo que saia na frente, o Santos não deverá se acomodar com a vantagem, ou sucumbirá. Para o time local, como já disse, é uma partida de vida ou morte.

Outro detalhe é que o Joinville, mesmo tendo o pior retrospecto como visitante, pior mesmo que o do Santos, é um leão quando joga em casa. Ainda não perdeu sob o comando de PC Gusmão. Vem de uma dezena de jogos em casa sem saber o que é uma derrota. O time marca forte no meio e se atira com volúpia co ataque quando tem a bola.

Como gramado estará pesado, até com alguns pontos de barro puro, os jogadores do Santos terão de entrar com o pé firme nas divididas e preparados para ganhar as bolas pelo alto, já que haverá muito chutão para lá e para cá. Em muitos trechos do campo será impossível carregar a bola, o que tornará essencial a utilização de passes rápidos e mesmo de chutes a gol de longa distância (Atenção: Marcelinho Paraíba estará em campo justamente para isso).

Enfim, é mais um daqueles jogos em que, pelo nome e tradição das equipes, pelos seus retrospectos neste ano e por suas escalações, temos a falsa impressão de que o encontro de logo mais já tem o nosso Santos como vencedor. Porém, as circunstâncias da partida e as experiências anteriores do Santos como visitante neste Brasileiro nos dizem que sem coragem e inteligência, o Alvinegro Praiano não sairá vencedor e poderá perder, hoje, sua privilegiada condição de membro do G4.

E você, o que espera do Santos em Joinville?