Um time que, completo, empata com o Novo Horizontino, mesmo fora de casa, é medíocre. Mas pode ser campeão paulista? Pode, porque o Campeonato Paulista, este ano, só está reunindo times medíocres. Mas a verdade é que o Santos é medíocre. Ou como definir uma defesa que toma três gols do Novo Horizontino?

O Santos medíocre jogou com Vanderlei, Victor Ferraz, Gustavo Henrique, Lucas Veríssimo e Zeca; Renato, Thiago Maia (Serginho) e Lucas Lima; Patito (Vitor Bueno), Gabriel (Neto Berola) e Ricardo Oliveira.Técnico: Dorival Júnior. Todos medíocres.

Uma análise de cabeça fria, 13 horas depois

O comentário acima continua, mas deve ser encarado como uma reação imediata à frustração provocada pelo resultado da partida em Novo Horizonte. Porém, com a cabeça quente dificilmente somos justos. O Santos é medíocre, no sentido de mediano? Sim, claro, mas esse é o melhor nível que um time brasileiro pode atingir, já que a supremacia do futebol mundial passou para a Europa. Agora, o resultado não foi uma aberração.

Um pesquisador do futebol, como eu, deveria saber que mesmo o grande Santos tinha os seus tropeços. O Jabaquara já goleou o time de Pelé por 6 a 3, a Ferroviária também ganhava a maioria dos confrontos contra o Santos lá em Araraquara. Então, o empate por três gols não foi um absurdo. Ainda mais levando-se em conta que a partida foi realizada longe da mamãe Vila Belmiro.

Então, sobra a análise da atuação dos jogadores, e aí realmente é possível detectar muitos problemas no sistema defensivo do Santos. Talvez o problema comece lá na frente, onde os atacantes e o meia Lucas Lima não estão dando combate à saída de bola do adversário. Talvez o defeito maior venha da atuação dos volantes. Talvez o calor esteja diminuindo ainda mais as energias do veterano Renato…

Uma coisa é certa: a entrada de Lucas Veríssimo no lugar de David Braz piorou a defesa, que nunca foi uma maravilha. Gustavo Henrique não está se entendendo bem com seu novo parceiro e volta e meia os atacantes adversários aparecem na cara do gol. É claro que aí entra também a deficiência de marcação de Victor Ferraz e Zeca, mais interessados em atacar do que defender, ainda mais quando o time enfrenta equipes menores.

Então, para resumir: o Santos é um time mediano, que pode jogar muito bem quando está bem montado e motivado, o que não tem ocorrido nesse início de Campeonato Paulista.

E os outros?
Como eu critiquei, com dor no coração, o nosso Santos, é justo que me perguntem: e os outros grandes de São Paulo, Odir, como é que são? E eu respondo, depois de vê-los em ação neste fim de semana (pelo Youtube, nos melhores momentos): são piores do que medíocres. O São Paulo e o Palmeiras são muitíssimo limitados, sabem que estão na Libertadores usurpando um lugar que deveria ser do Santos. São times sem personalidade de campeão. Vão fazer figuração na Libertas. E o alvinegro de Itaquera é um time sem nenhum jogador de encher os olhos, apenas, como se diz, “disciplinado taticamente”, que jogo sim, jogo não, recebe uma mão da arbitragem, e tem costas quentes. Como time, porém, é uma grande porcaria. Achou dois gols contra o tricolor. Então, acho que o Santos está muito longe do que queremos, mas ainda é o melhor de São Paulo, disparado. Abraços!

E você, o que achou do medíocre Santos em Novo Horizonte?