Após 10 meses o Santos voltou a vencer fora do Estado de São Paulo. Se o Santa Cruz estava desfalcado, o Santos estava muito mais, e a vitória de 2 a 0 – em um chutaço de Zeca, de sem pulo, aos 44 minutos do primeiro tempo; e de Joel, após bela arrancada de Vitor Bueno, aos 19 do segundo – foram justíssimos. Agora o Glorioso Alvinegro Praiano está em quinto lugar, com 10 pontos ganhos em sete jogos, três a menos do que o quarto colocado.

Dorival Junior preferiu não lançar nenhum novo contratado, mas parece que a sombra dos recém-chegados fez os jogadores correrem mais. O Santos criou mais oportunidades e dessa vez a defesa esteve naus atenta. Zeca, em grande fase, e Vitor Bueno, com muita personalidade e iniciativa, foram os destaques da partida.

Santa Cruz 0 x 2 Santos
Estádio do Arruda, Recife, 19 horas
Público: 16.464 pessoas. Renda: R$ 182.805,00.
Santa Cruz: Tiago Cardoso, Léo Moura, Neris, Danny Morais e Tiago Costa; Alex Bolãno (Leandrinho no intervalo), João Paulo, Lelê, Fernando Gabriel (Daniel Costa aos 25′ 2º tempo) e Arthur; Bruno Moraes (Wallyson no intervalo). Técnico: Milton Mendes.
Santos: Vanderlei, Victor Ferraz, Gustavo Henrique, Luiz Felipe e Zeca; Thiago Maia, Renato, Vitor Bueno e Léo Cittadini (Serginho aos 37′ 2º tempo); Paulinho (Ronaldo Mendes 28′ 2º tempo) e Joel (Elano 46′ 2º tempo). Técnico: Dorival Júnior.
Gols: Zeca, aos 44 minutos do primeiro tempo, e Joel, aos 19 do segundo.
Arbitragem: Elmo Alves Resende Cunha, auxiliado por Bruno Raphael Pires e Leone Carvalho Rocha, todos de Goiás.
Cartões amarelos: Wallyson, Paulinho e Zeca.

Meu tio Verinho
Quem já leu o livro “Time dos Sonhos” sabe que o primeiro capítulo eu dedico ao meu tio Everaldo Duarte de Souza, o Verinho, que me convenceu a ser santista antes de um clássico alvinegro que, imagino, tenha sido realizado em 1958. Pois meu querido tio Verinho faleceu na noite de sábado para domingo, dormindo, em casa, aos 71 anos. Uma morte justa para um homem de bom coração e ótimo gosto. Sempre fui, sou e serei eternamente grato a ele por me fazer santista e iniciar um processo que se estendeu a muitos de nossa família. Deixou uma filha, Shirley, e dois netos.

E você, o que acha disso?