FALTAM SÓ 18 DIAS!
Pague 1, leve 2 Time dos Sonhos, com dedicatória exclusiva, e ainda ganhe o e-book do livro Donos da Terra. Receba em casa sem custo de correio. Tudo por apenas 68 reais. Mas só até 31 de julho. Aproveite antes que acabe!
Pelé dormindo com os livros Time dos Sonhos
A promoção continua até 31 de julho. Clique aqui para comprar o livro Time dos Sonhos, a Bíblia do Santista, e ganhar mais um exemplar de graça, além da versão eletrônica do livro Donos da Terra, frete pago e dedicatória exclusiva. Tudo isso só por R$ 68,00 e ainda dá pra parcelar. Clique já!

Santos está na briga pelo título brasileiro

Pensei em fazer outro título para este post. Seria: “Santos não soube ganhar”. Não fiz para não parecer cornetagem. Acho que empatar com o líder do campeonato, que ganhava todas dentro de casa, no primeiro jogo em que o Allianz Parque recebeu mais de 40 mil pessoas (exatos 40.035), não é ruim, mas que nessa partida o Santos foi bem superior ao Palmeiras, não resta a menor dúvida.

No começo, parecia que a história se repetiria. Em um escanteio, aos seis minutos de jogo, a zaga do Santos dormiu e o estreante Mina saltou sozinho para fazer, de cabeça. Esses gols só acontecem contra o Santos, principalmente quando o time joga fora de casa. Depois, foi aquela ensebação, com o Santos tocando melhor a bola, mas muito lento, arrastado pelo veterano Renato.

Dorival Junior mantinha Copete e Yuri no banco – talvez para equilibrar os desfalques, já que o adversário não tinha Gabriel Jesus e Roger Guedes. Como é teimoso o Dorival, benza Deus.

Na segunda etapa, Gabriel empatou, em um chute de fora da área que bateu em um adversário e enganou Fernando Prass. O Palmeiras sentiu o gol e passou a ter mais medo de perder do que vontade de ganhar, até porque já tinha perdido também Mina e Moisés, machucados, substituídos pelos ex-santistas Edu Dracena e Arouca. O Santos, porém, não demonstrou a atitude e a confiança necessárias para vencer.

De qualquer forma, o Alvinegro Praiano continuou com mais posse de bola, criou algumas oportunidades e manteve a iniciativa, principalmente depois que Dorival obedeceu ao bom senso e substituiu Vitor Bueno por Copete. Depois, o professor colocou Yuri no lugar de Gabriel e Joel no de Rodrigão.

Apesar de tudo, a vitória ainda ficou nos pés de Thiago Maia, que teve uma bola à sua mercê na marca do pênalti, com tempo para matar e bater a gol, mas quis pegar de primeira e jogou por cima do travessão. Thiago tem garra, mas precisa aprimorar a técnica, ou não irá longe na carreira.

O pontinho do empate fez o Santos voltar ao G4, na quarta posição, com 23 pontos. O Palmeiras se isolou na ponta, seis pontos à frente. Dá pra tirar, até porque no segundo turno o mando de jogo será do Santos, mas é preciso ter mais vontade e menos medo.

No próximo jogo, também decisivo, contra a Ponte Preta, que também tem 23 pontos, os santistas poderiam lotar o Pacaembu, pois será no sábado, dia em que não haverá concorrência de outra partida na Capital. Mas a gestão de Modesto Roma já marcou o evento para a Vila Belmiro, na qual um público de 10 mil pessoas já estará de bom tamanho.

Palmeiras 1 x 1 Santos
Allianz Parque, 20h30.
Palmeiras: Fernando Prass; Jean, Mina (Edu Dracena), Vitor Hugo e Zé Roberto; Matheus Sales, Tchê Tchê e Moisés (Arouca); Erik, Dudu e Lucas Barrios (Leandro Pereira). Técnico: Cuca.
Santos: Vanderlei, Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Zeca; Thiago Maia, Renato, Vitor Bueno (Copete) e Lucas Lima; Gabriel (Yuri) e Rodrigão (Joel). Técnico: Dorival Júnior.
Gols: Mina, aos 6 minutos do primeiro tempo, e Gabriel aos 10 do segundo.
Arbitragem: Wilton Pereira Sampaio (Fifa-GO), auxiliado por Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa, ambos de São Paulo.
Cartões amarelos: Moisés e Erik do Palmeiras, e Gabriel e Lucas Lima do Santos.


E você, o que acha disso?