Não haverá post de Coritiba e Santos. Seria um texto repetitivo, que envolveria Lucas Lima, Dorival Junior, o sistema defensivo e Léo Cittadini. Se quiser saber como foi o jogo, vá aos comentários. Adianto, porém, que o Santos jogou como costuma jogar fora de casa, e mesmo ganhando um gol de presente, conseguiu perder, de virada, para o poderoso Coritiba. Quer uma frase minha? Lá vai: É mais fácil o sertão virar mar do que o Cittadini aprender a marcar (note a participação, ou melhor, a não participação do preferido do Dorival Junior nos dois gols do Coritiba). Fui…

MENINOS DE OURO

meninos de ouro
Felipe Anderson, Gabriel, Thiago Maia, Neymar e Zeca mostraram na Olimpíada o que aprenderam na Vila Belmiro.

Meninos da Vila fazem história. De novo

meninos marcados
A primeira medalha de ouro do futebol brasileiro em uma Olimpíada teve participação determinante dos Meninos da Vila. Além dos santistas Zeca, Gabriel e Thiago Maia, o astro Neymar e Felipe Anderson aprenderam os segredos do esporte mais popular do mundo no Alvinegro Praiano. Todos participaram diretamente dessa conquista. Neymar foi o artilheiro do time, com quatro gols, Gabriel marcou mais dois. O Santos foi o time com mais jogadores na Seleção Olímpica, repetindo o que já havia ocorrido na Seleção principal que disputa as Eliminatórias.

É curioso como a história parece insistir em ligar os grandes momentos do futebol brasileiro a jogadores do Santos. No longínquo 1919, na conquista do Sul-americano, primeiro título importante do futebol nacional, o Santos também foi o time com mais jogadores convocados: o ponta-direita Millon, o ponta-esquerda Arnaldo e o meia Haroldo. Os dois primeiros foram titulares, Arnaldo foi o capitão do time (como agora ocorreu com Neymar) e Haroldo também participou de uma partida, chegando a marcar um gol.

Creio que nem é preciso lembrar as contribuições decisivas de Pelé e Zito na conquista da primeira Copa do Mundo, em 1958, na Suécia; assim como nas Copas do Chile, com sete santistas convocados, quatro deles titulares, e no México, com mais cinco jogadores e três titulares. Enfim, quando o Santos revela bons jogadores, o futebol brasileiro cresce.

Bem, mas agora espero que a CBF deixe o Santos em paz e o permita competir em igualdade de condições com os outros clubes neste Campeonato Brasileiro, que, por justiça, ele deve vencer. Afinal, o time que cede mais jogadores para a Seleção é o melhor do País e merece ser campeão.

Aqui no Blog do Odir você sempre terá condições especiais para ler os livros escritor por mim. Decidi que até o dia 31 de agosto quem adquirir o livro Time dos Sonhos receberá um exemplar de Sonhos mais que possíveis e as versões eletrônicas (PDFs) de Donos da Terra, Ser Santista e Pedrinho escolheu um time. É só comprar o Time dos Sonhos que eu envio os outros, sem despesa de correio. Tudo isso por apenas 68 reais. Palavra de santista.

novo time dos sonhosSonhosMaisQuePossiveisDonosdaTerraA sensação de ser especialPedrinhoEscolheuUmTime
Entre aqui e compre apenas um exemplar de Time dos Sonhos, que eu mando os outros livros de presente para você.

MIREM-SE NESSAS MULHERES


Torcida contra? Essas garotas não dão a mínima.

Há quem diga que homens são mais corajosos do que mulheres, mas essa Olimpíada está desmentindo isso e mostrando fatos particularmente significativos para nós, santistas, que estamos acostumados a ver os jogadores do nosso time se apequenarem no campo do adversário.

Na noite de quarta-feira, diante da plateia mais enlouquecidamente fanática desses Jogos, duas norte-americanas ganharam a medalha de bronze de duas brasileiras e, mais tarde, duas competentes, determinadas e valentes alemãs, indiferentes à gritaria ensandecida, tiraram o ouro de Ágatha e Bárbara como quem tira o doce da boca de uma criança.

Na terça-feira vimos a nossa decantada e invicta seleção feminina de vôlei ser eliminada da Olimpíada por um time de jovens chinesas que enfrentaram um Maracanãzinho lotado como se estivessem em um piquenique em Pequim. Em vez de tremer, elas sorriam.

Na mesma terça-feira, com uma disciplina tática jamais vista, uma equipe de garotas suecas, que na fase inicial tinham sido goleadas pelas brasileiras por 5 a 1, seguraram o jogo e a prorrogação sem sofrer gols e, como queriam, buscaram a vitória na disputa por chutes da marca do pênalti. Não se desconcentraram e nem se intimidaram com os gritos de dezenas de milhares de torcedores contrários. Foram a campo para vencer e, mesmo diante de um adversário reconhecidamente melhor, venceram.

Domingo, como sabemos, o Santos enfrentará o Coritiba, às 18 horas, no estádio Couto Pereira. O Santos luta pelo título, o Coritiba luta para não ser rebaixado; o Santos está em segundo lugar, com 11 vitórias, 35 gols a favor, 17 contra e saldo de 18 gols; o Coritiba está em 16º, com cinco vitórias, 23 gols marcados, 28 sofridos e saldo negativo de cinco gols. Apesar dessa grande diferença de campanhas, o santista teme.

O santista teme que, apesar de ser um time tecnicamente superior, o Santos não consiga se impor no campo do adversário. No ano passado, perdeu para esse Coritiba, que estava em péssima fase, mesmo sem torcida. Quando há torcida, então, parece que ela entra em campo e joga ao lado dos oponentes, pois os jogadores do Santos, ao contrário das atletas norte-americanas, alemãs, chinesas e suecas, parecem sentir demais o ambiente adverso.

Quando queremos que uma equipe masculina, de qualquer esporte, demonstre espírito de luta, determinação e personalidade, costumamos pedir aos atletas que “joguem como homens”. Pois eu vou pedir que joguem como mulheres. Mas mulheres olímpicas!

E você, o que acha disso?