Antes do jogo, Renato pediu: “Todo mundo ligado, todo mundo se ajudando”. Adiantou?

Imagine tudo o que pode dar errado em um jogo do Santos fora de casa. Pois é. Ocorreu de novo. Um time que parecia brincar no rachão do CT, com jogadores que estão atuando abaixo da crítica há vários jogos, caiu mansamente diante de um Sport desorganizado, que tem Oswaldo de Oliveira como técnico, mas teve o mérito de correr mais e querer mais a vitória. Assim, melancolicamente, o Santos parece deixar escapar a chance de lutar pelo título brasileiro e põe em risco até a vaga no G4.

Para sintetizar a partida, faço a seguinte comparação: se o Santos enfrentasse o Barcelona de igual para igual, jogando aberto e deixando o adversário jogar, qual seria o resultado? Uma goleada estrepitosa do time espanhol, não? Pois o Sport jogou aberto até os 20 minutos do segundo tempo. Atacou e deixou o Santos atacar. E se o time pernambucano ganhou o jogo é porque foi melhor mesmo, não tem desculpa. Um time com três atacantes não marcar um golzinho no Sport é dose pra leão.

Como se previa, o árbitro errou em lances importantes contra o Santos. Não deu um pênalti de mão na bola que interceptou um chute em direção ao gol e expulsou Elano por reclamação. Parece que a paciência com os santistas será menor de agora em diante. Mas, mesmo com os erros da arbitragem, seria possível vencer, caso houvesse mais vontade.

Há jogadores que merecem um banco há alguns jogos, pois podem até ter uma boa técnica, mas não suam a camisa, não estão nem aí para o resultado da partida. Se tivesse mais personalidade, Dorival Junior colocaria na reserva Victor Ferraz, Lucas Lima e, talvez, Renato. Até mesmo Thiago Maia, antes um guerreiro, agora também deu de rebolar.

Para complicar, as contusões de Gustavo Henrique e Vitor Bueno atrapalharam a equipe. David Braz entrou no lugar do zagueiro e falhou constrangedoramente no gol de Rogério, aos 11 minutos de jogo. O atacante teve tempo de matar a bola, virar para o gol e bater, rasteirinho, no canto, diante de um Braz mais perdido do que cego em tiroteio.

Dorival preferiu colocar Elano no lugar de Vitor Bueno, creio que para tentar imprimir um pouco de garra ao time. Elano não estava mal. Percebi que até Lucas Lima começou a trotar um pouco mais rápido depois que o veterano entrou em campo. Porém, Elano foi reclamar e o que para qualquer jogador daria apenas um cartão amarelo, para o santista valeu dois amarelos e a expulsão.

Para o status quo do futebol não é bom mesmo o Santos tomar o lugar do queridinho da Globo no G4, mas o santista tem de estar preparado para lutar contra tudo e contra todos, e apesar de tudo a vitória era bem possível. Contra um time que jogue sério, esse Sport dificilmente venceria com um esquema tão suicida. Ocorre que o Santos perdeu a velocidade de contra-ataque sem Gabriel, e Lucas Lima tem segurado demais a bola.

Assim como os jogadores pedem prêmios por vitórias, assim como, recentemente, o técnico Dorival Junior pediu aumento, acho que seria justo aplicar uma multa aos jogadores e à comissão técnica por mais esse desempenho vergonhoso. Com um pouco mais de aplicação o Santos poderia ter vencido, como Coritiba, Corinthians e Palmeiras fizeram no campo do Sport. Ou ao menos empatado, como Internacional e o lanterninha América Mineiro. Perder foi lamentável e desanimador.

Os próximos jogos do time serão na Vila Belmiro. Espero que a torcida cobre esse time do começo ao fim dos jogos. Se bem que em casa esses jogadores, que não são bobos, costumam correr mais e mostrar uma vontade que some quando estão no campo do adversário. Enfim, este Santos, infelizmente, é muito frouxo para lutar pelo título. Que, então, ao menos se esforce pela vaga no G4. Deixar escapar, como no ano passado, outra chance de jogar a Copa Libertadores seria um desastre histórico.

Por fim, outro dia li uma crônica de Luis Fernando Veríssimo intitulada “Um dia de merda”. Ele ia viajar e sentiu uma baita dor de barriga. É fácil imaginar o que ocorreu no caminho para o aeroporto. Pois eu poderia chamar esse jogo do Santos de “um jogo de merda”. Tudo foi uma merda, até a narração e os comentários do Sportv. Uma merda geral que deve ser esquecida.

Sport 1 x 0 Santos
Ilha do Retiro, 24/09/2016, 18h30
Público: 7.934. Renda: R$ 129.495,00.
Sport: Magrão, Samuel Xavier, Matheus Ferraz, Ronaldo Alves e Rodnei Wallace; Rithely, Neto Moura (Paulo Roberto, 12’/2ºT), Diego Souza, Gabriel Xavier (Vinicius Araujo, 24º/2T) e Everton Felippe; Rogério. Técnico: Oswaldo de Oliveira.
Santos: Vanderlei, Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique (David Braz, 4’/1ºT) e Zeca; Thiago Maia, Renato e Lucas Lima; Vitor Bueno (Elano, 10’/2ºT) Copete e Rodrigão (Jean Mota, intervalo). Técnico: Dorival Júnior.
Gol: Rogério, aos 11 minutos do primeiro tempo.
Arbitragem: Elmo Alves Resende Cunha (GO), auxiliado por Fabricio Vilarinho da Silva – GO (FIFA) e Leone Carvalho Rocha – GO (CBF-1).
Cartões amarelos: Matheus Ferraz e Vinicius Araujo (Sport); Copete (Santos).
Cartão vermelho: Elano.

E você, o que achou do Santos em Recife?

A promoção está chegando ao fim.
Preste atenção: Com apenas 68 reais você recebe dois exemplares do livro Time dos Sonhos e as versões eletrônicas dos livros Donos da Terra, Ser Santista e Pedrinho escolheu um time.


Pelé dormindo com os livros Time dos SonhosDonosdaTerraA sensação de ser especialPedrinhoEscolheuUmTimedossie - livro
Clique aqui, compre apenas um exemplar de Time dos Sonhos, e eu mando mais quatro livros de presente para você.

E tem mais: se quiser, pode trocar um exemplar de Time dos Sonhos por um do Dossiê da Unificação dos Títulos Brasileiros. É só pedir pelo e-mail blogdoodir@blogdoodir.com.br