Chegamos a Londres pela TAP. A tevê do avião mostra um bom noticiário exclusivo, e nele, além de apreciar uma bela matéria sobre a festa do centenário da Vila Belmiro, com destaque para o homenageado Léo, assisti a uma reportagem completa sobre os preparativos da Seleção Portuguesa para enfrentar as Ilhas Faroe no campo do adversário. Creio que a postura sincera e corajosa do técnico Fernando Santos, de Portugal, é um exemplo que poderia ser seguido por Dorival Júnior, sobretudo quando antecede jogos como o de logo mais, diante do São Paulo.

É evidente que Potugal tem mais currículo e melhores jogadores do que as Ilhas Faroe, mas as circunstâncias que antecediam a partida seriam um prato cheio para um treinador afeito a cultivar desculpas. Para começar, as Ilhas Faroe estavam mais bem classificadas no grupo do que o campeão da Eurocopa, pois sua equipe vinha jogando bem; em segundo lugar, Portugal jogaria fora de casa, e em terceiro, o jogo seria realizado em gramado sintético. Fiquei curioso para saber o que Fernando Santos Faria com esse arsenal de subterfúgios.

Pois o gajo me surpreendeu. Reconheceu os méritos do adversário, as prováveis dificuldades de adaptação de seus jogadores ao gramado, mas afirmou que nada disso, muito menos a torcida contrária, impediria que Portugal fizesse o jogo que tinha de fazer e obtivesse o resultado que precisava obter. Em outras palavras, era como se Fernando Santos dissesse: somos mais time, viemos para ganhar e é isso que vamos fazer.

Há apenas alguns minutos pesquisei e descobri que os portugueses venceram por 6 a 0, impondo-se desde o início, com categoria, personalidade e consciência de que seu lugar é na próxima Copa do Mundo. Perder para as Ilhas Faroe poderia tirar Portugal da próxima Copa, assim como as derrotas para América Mineiro, Figueirense, Internacional e Coritiba podem ter roubado dos santistas o sonho de mais um título brasileiro.

O São Paulo é um time que tem potencialidades, estará motivado por sua torcida, mas o Santos tem um objetivo maior nesse Campeonato Brasileiro e precisa se impor esta noite. É evidente que, assim como ocorreria com os portugueses, desculpas não faltarão para um resultado negativo do Santos hoje. Porém, líderes que honram a confiança depositada neles, evitam fugir de suas responsabilidades e assumem suas falhas, assim como nós estaremos prontos para alardear seus méritos por uma vibrante vitória, se ela ocorrer.

Queremos nos alegrar com o nosso Santos, sempre, mas temos consciência para entender as vicissitudes do esporte. Só não suportamos a preguiça, o medo e a negligência de quem recebe todo o apoio do clube para representar com dignidade a camisa do Santos. Entrem em campo e se divirtam, rapazes. Mas saiam dele com a vitória!

E para você, que Santos teremos no Pacaembu?