Ano Novo, livros mais baratos. Aproveite!
img_20151219_180703510_hdr
Na foto acima estou com o amigo Ademir durante o lançamento da nova edição de Time dos Sonhos, no Museu Pelé. Ah, esqueça esse banner aí em cima do blog. No Brasil de hoje todos os preços aumentam, mas aqui no Blog do Odir os preços diminuem. E ainda tem um super brinde: a compra dos livro Time dos Sonhos ou Segundo Tempo, de Ídolo a Mito, dá direito às versões eletrônicas de três obras esgotadas em papel: Donos da Terra, Ser Santista e Pedrinho escolheu um time, enviadas para o seu e-mail.

Confira:
Time dos Sonhos – A história completa do Santos até o título brasileiro de 2002.
Livro de 528 páginas por apenas 44 reais, mais o frete que a PagSeguro calcula para você. Livro segue com a dedicatória exclusiva do autor e, de brinde, três livros eletrônicos serão enviados para o seu e-mail: Donos da Terra, Ser Santista e Pedrinho escolheu um time.
Dossiê – Unificação dos títulos brasileiros a partir de 1959.
Obra de 325 páginas, em papel couchê, que resgatou os primeiros campeões brasileiros, documento produzido por José Carlos Peres e Odir Cunha. Apenas 38 reais, mais o frete. Segue com a dedicatória de Odir Cunha.
Pelé – Segundo Tempo, de Ídolo a Mito
Livro de arte magnífico, de capa dura e 320 páginas, do editor Marco Piovan, do diretor de arte Clero Junior e do escritor Odir Cunha. Por apenas 65 reais mais o frete. Segue com dedicatória do autor e, de brinde, três livros eletrônicos serão enviados para seu e-mail: Donos da Terra, Ser Santista e Pedrinho escolheu um time. Obra mostra as dificuldades que Pelé superou para se tornar o Rei do Futebol.
Dinheiro, é possível ser feliz sem ele
Livro de auto-ajuda de 184 páginas em que Odir Cunha fala de como superou graves dificuldades financeiras e descobriu a alegria de viver mesmo sem dinheiro. Apenas 19 reais mais o frete. Segue com a dedicatória do autor.
Sonhos mais que possíveis
Livro de bolso de 165 páginas com 60 histórias de superação de atletas olímpicos. Apenas seis reais mais o frete. Segue com dedicatória do autor.
Clique aqui para entrar na Livraria do Blog do Odir e escolher sua leitura das férias.

Em 2017 o santista quer…

A Libertadores, o Mundial, o Brasileiro, o Paulista, a Copa do Brasil… Mas não falo só de conquistas dentro do campo. Olho a enquete aí do lado direito do blog e vejo que meu nome chegou à preferência de 1000 votos (bem, na verdade já superou essa marca). É um fato marcante e relevante, que me emociona e envaidece. Sei que nem todos os que votaram são sócios ou terão condições para votar nas eleições presidenciais deste ano, muitos me escolheram porque têm simpatia por mim, pelos meus livros, talvez pelo Dossiê e pelo ambiente harmonioso criado neste blog, mas mesmo assim é evidente que esse é um número expressivo.

Na última eleição para presidente do clube, no final de 2014, Nabil Khaznadar (735) e Orlando Rollo (855) não chegaram a 1000 votos. Fernando Silva alcançou 1077; José Carlos Peres, 1139 e Modesto Roma, o eleito, apenas 1321 votos.

Como estamos bem no início do processo eleitoral, e ainda virá a fase de expor os programas de cada candidato, acredito que o movimento Por um Santos Melhor, que eu represento e que já conta com o engajamento de muitos santistas e seres humanos exemplares, terá grande possibilidade de concorrer no pleito com boas chances, apesar de não contar com a ajuda de nenhum mecenas, de nenhum empresário de jogadores, de nenhum grupo econômico. Somos apenas o movimento de santistas que acreditam em um Santos melhor, maior, sem discriminações e sem fronteiras; um Santos, enfim, que busque utilizar todo o seu potencial.

Queremos o Santos fincando sua bandeira e ocupando definitivamente os espaços importantes que já conquistou no mercado brasileiro e internacional.

Nesse reveillon fiquei sabendo de algo que me preocupou: o Flamengo criará divisões para disputar os campeonatos paulistas amadores, com vistas a ter um time jogando em São Paulo. Encantado com a recepção que teve no Pacaembu, o rubro-negro carioca visa, no futuro, ter um time também no rico mercado paulistano. Ou seja, se não fizer valer seu direito histórico, o Santos, gradativamente, perderá seu quinhão e sua valiosíssima massa de torcedores na Grande São Paulo.

Isso me preocupa porque entre as muitas propostas recebidas que estão sendo analisadas para a elaboração do Programa Administrativo de nosso movimento, está a elaboração de um estudo aprofundado das dimensões e importâncias das massas torcedoras do Brasil, estudo esse que visará colocar o Santos em outro patamar na divisão de cotas da televisão.

Só para se ter uma ideia dos fatos e argumentos que nortearão esse trabalho, basta lembrar que um ponto do Ibope na Grande São Paulo significa 69.417 casas com tevês ligadas, ou 197.814 espectadores. O mesmo ponto no Ibope equivale, na Grande Rio de Janeiro, a 43.346 tevês ligadas, ou 116.038 espectadores.

Ou seja, além do Ibope da Grande Rio de Janeiro representar apenas 62% dos lares e dos telespectadores da Grande São Paulo, o maior poder aquisitivo dos paulistas é outro fator importante para uma análise mercadológica mais justa da importância de cada time para a televisão. Os experts do Flamengo descobriram isso e querem, por que não, ocupar na capital paulista um lugar que hoje é do Santos.

Bem, esse é apenas um dos muitíssimos detalhes ignorados por essa gestão, que ainda esnoba o Pacaembu e continua com o sonho louco de construir uma arena caríssima em Santos que só dará 12,5% da renda líquida para o nosso clube, mergulhando-o em uma dívida que durará décadas a ser paga. Não sei quem, em sã consciência, poderá entrar em uma aventura dessas, pois o Santos é que não ganhará nada com ela.

Mas voltemos à enquete deste blog. Para mim, consciente de minha insignificância, ela não quer dizer que sou um grande líder, ou um ser iluminado pelos deuses, como têm acreditado os últimos presidentes santistas. Essa preferência demonstra, apenas, que o santista quer mudança nos rumos do clube e vê em mim o instrumento que pode iniciar essas mudanças.

Não sou milionário, não posso sair distribuindo empregos ou benesses (com o dinheiro do clube) a quem me apoiar, nem tenho empresários de estimação. Apenas posso oferecer trabalho, competência, transparência, meritocracia e tolerância zero para sacanagens e falcatruas. Enfim, um Santos de todos, democrático, com um Conselho Deliberativo forte e atuante, e não um time de meia dúzia que vive acima da lei.

Digo que posso ser o instrumento que precisa iniciar essas mudanças porque não basta uma gestão de três anos para colocar o Santos nos eixos. Outros presidentes que me sucederem deverão vir com os mesmos propósitos de trabalho, competência e transparência para alçar nosso querido Alvinegro Praiano ao lugar que ele merece, livre de quaisquer tipos de amarras. Grato aos que confiam em mim e no movimento Por um Santos melhor. Acreditemos mesmo! Nenhum poder financeiro pode ser maior do que a justiça, a verdade e o caráter.

O que você acha disso?

Livro sobre o Centenário da Vila Belmiro
Dia 7, próximo sábado, às 17h30, na Realejo Livros (avenida Marechal Deodoro, 2, Gonzaga), haverá o esperado lançamento do livro Histórias da Vila Belmiro – 100 anos de magia do estádio santista, de Almir Rizzatto e Ted Sartori, que estarão autografando. O livro é licenciado pelo Santos Futebol Clube e será vendido por 52 reais. Já encomendei o meu.

capa-do-livro-vila