No meio do trabalho, toca o telefone. É um amigo conselheiro do Santos. Está indignado com o presidente Modesto Roma, que aceitou passivamente a pesquisa depreciativa do Datafolha e disse não sei aonde que o Santos só tem cinco por cento de torcedores na capital. Mais uma vez Roma estava aceitando o primeiro argumento à mão para evitar jogar em São Paulo e assinar um acordo com o prefeito João Dória para fazer do Pacaembu a casa do Santos na metrópole.

– Imagine, Odir – esbravejava meu amigo –, se um grande investidor internacional está chegando ao Brasil para investir no Santos e ouve o próprio presidente do clube falando, com desdém, que São Paulo só tem cinco por cento de santistas. Justo o mercado que mais interessa aos investidores estrangeiros. Será que a Caixa, que está anunciando de graça na sagrada camisa do Santos, vai querer patrocinar um time que tem tão pouca representação no mercado paulistano? Será que esse presidente não conhece nem a quantidade de torcedores do seu time? Será que ele acha que os santistas são só aqueles nove mil, no máximo?

– Acho que é muito mais de cinco por cento – respondi – e o Datafolha está errado. Ouvir mil pessoas e achar que já mapeou as torcidas de uma cidade com 12 milhões e 40 mil habitantes é brincadeira. Mas quanto você acha que o Santos tem de torcedores na capital?

– Pô, Odir, vai dizer que você não sabe? Em 30 de março do ano passado a Pluri Stochos divulgou uma pesquisa depois de ouvir 21.049 pessoas… Eu disse vinte e uma mil e não mil, copiou? Pois é. E nessa pesquisa o Santos tinha 5,3% em toda a Região Sudeste. De lá para cá ganhou mais um Paulista, foi vice Brasileiro, semi da Copa do Brasil, teve vários jogadores na Seleção e agora tem só cinco por cento em São Paulo, a cidade com mais santistas no mundo? Ah….. Olha, em outubro de 2007, antes de ganhar a Libertadores e mais sete títulos, e antes da geração Neymar e Ganso, uma pesquisa da Placar/TNS Sports deu que o Santos tinha 14,5% da torcida de São Paulo. Reduziu quase dois terços de lá para cá? Com todo o respeito, só um animal pode acreditar nisso, seo Odir.

– Mas e se for mesmo cinco por cento? – perguntei só para provocar, pois sei que não é.

– Ah, seo Odir, tá me gozando, né? Pois eu vou lhe dizer. Sabe fazer continha de porcentagem?

– Sei, claro…

– Pois então segura aí e vai copiando, senhor Odir. Se for só cinco por cento, de um total de 12 milhões e 40 mil pessoas, já são 602 mil pessoas. E 602 mil pessoas da maior e mais rica cidade da América Latina… Sabe o que é chamado de “templo do consumo”?

– Shopping?

– Isso aí. Em São Paulo tem 52 shopping centers, senhor Odir. Aqui está a grana. Nosso Santos tem de jogar aqui, senhor Odir…

– Mas a cidade de Santos está colada a São Vicente e há ainda Praia Grande a cerca de 25 quilômetros. Só aí dá uma população de um milhão e 80 mil pessoas, das quais quase 40 por cento são santistas.

– Mas aí o senhor está recorrendo às cidades próximas, senhor Odir…

– Pode parar de me chamar de senhor.

– Quando eu fico nervoso eu chamo de senhor. Segura essa… Se é para contar as cidades próximas, então eu lhe digo que… Nem vou dizer.
Vou ler o que está aqui na Wikipédia: “Região Metropolitana de São Paulo, também conhecida como Grande São Paulo, é a maior metrópole do Brasil, com cerca de 21,2 milhões de habitantes e uma das dez regiões metropolitanas mais populosas do mundo… A Região Metropolitana de São Paulo é o maior polo de riqueza nacional. A renda per capita em 2011 atingiu cerca de 38 mil e 348 reais. A metrópole detém a centralização do comando do grande capital privado, concentrando a maioria das sedes brasileiras dos mais importantes complexos industriais, comerciais e principalmente financeiros que controlam as atividades econômicas no país”. Que tal, senhor Odir?

– E quantos santistas devem ter na Grande São Paulo?

– Voltamos à continha de porcentagem. Dez por cento de 21,2 milhões dá 2,1 milhões. E se for essa miséria de cinco por cento, que não é nem matando, dá um milhão e 50 mil pessoas.

– Mas e se um estádio novo em Santos atrair o torcedor do planalto para lá?

– Odir, acorda. Se nem os maloqueiros conseguem uma média de 20 mil pessoas por jogo, com o preço médio do ingresso inferior a 40 reais, e não tem pedágio para ir para lá, como o Santos vai conseguir média de 18 mil pessoas com ticket de 85 reais?…
– 82…

– Que seja. É uma loucura. Se começar a jogar só em Santos o nosso time vai perder a torcida que tem em São Paulo e depois vai começar a perder também na Baixada. Pode escrever. É isso que muita gente quer. Que o Santos volte para a sua toca e não encha mais o saco com essa mania de ser grande. Querem que volte a jogar o campeonato santista. E esses mentecaptos que dirigem o clube fazem o jogo dos inimigos do Santos…

– Calma, calma… Onde tem de jogar, então?

– No Pacaembu, seo Odir, claro. O Athié levou décadas para tornar o Santos universal e agora vem esse filho do Roma e seus asseclas para querer que ele seja regional de novo. A cidade de Santos não tem para onde crescer, seo Odir. Bem que eu queria, pois você sabe que tenho imóveis lá. Mas a realidade é que não tem para onde crescer. Veja que na Grande São Paulo já tem seis cidades com mais habitantes que Santos. A população da cidade não vai sair disso… Não foi você quem escreveu aquele livro, “Donos da Terra”, falando da final de 1962 com o Benfica?

– Foi.

– E quantos habitantes Santos tinha em 1962?

– Quatrocentos e trinta mil.

– E quantos tem agora?

– Quatrocentos e trinta e quatro mil.

– Viu? Já se passaram 54 anos e só aumentou quatro mil habitantes. Olha, seo Odir, gosto muito de Santos, o pessoal de lá é dez, acho que é uma ótima cidade para muitas coisas, mas não para ter um grande estádio de futebol. Grandes estádios têm de ficar nas metrópoles, nos grandes centros, ou é prejuízo na certa, seo Odir.

– Mas o Santos é de Santos.

– Sei que você está falando isso para me provocar, seo Odir. Pois é uma pena que haja santistas que pensem assim. Se, no futuro, o clube erguer um estádio moderno na Zona Sul de São Paulo, vai dar a mesma média de público que os outros grandes da cidade, pois já deu muito mais e, apesar de tudo, nosso time tem mais história e apelo popular do que os outros. Não podemos deixar que apequenem o Santos, senhor Odir.

– Jamais será pequeno… Alô? Alô?

É sempre assim. Ele liga, desabafa tudo o que quer falar e desliga o telefone. E eu fico pensando no que ele falou…

E você, o que me diria em um telefonema?

Pelé dormindo com os livros Time dos Sonhos

Liquidação Total dos livros em 60 dias de aniversário!

Como prometi, este blog comemorará o aniversário de 105 anos do nosso amado Santos Futebol Clube nos meses de março e abril. E nessa comemoração, para tornar a rica história santista mais acessível a todos, reduzi ainda mais os preços dos livros oferecidos na livraria do blog e ainda mantive o frete grátis e a dedicatória, claro.

Confira os novos preços e entre na livraria para comprar para você ou para os amigos santistas, ou quase. Divulgar a história é uma forma de manter o carisma, a cultura e a visibilidade do Santos.

Veja só como os livros ficaram baratos (e todos com frete grátis)

Dossiê Unificação dos títulos brasileiros
Por 39 reais um exemplar, ou 69 reais dois exemplares

Time dos Sonhos
Por 39 reais um exemplar, ou 69 reais dois exemplares

Sonhos mais que possíveis
Por 14 reais o exemplar

Dinheiro, é possível ser feliz sem ele
Por 23 reais um exemplar, ou 35 reais dois exemplares

OS PREÇOS FINAIS SÃO ESSES AÍ, NENHUM CENTAVO A MAIS. O FRETE É POR CONTA DO BLOG. APROVEITA QUE NUNCA ESTEVE TÃO BARATO.

A PROMOÇÃO VAI ATÉ 30 DE ABRIL OU ATÉ ACABAR O ESTOQUE

—— Para entrar na livraria, tecle aqui ——
ou entre na sala Comprar Livros, anunciada no alto desta página.

E você, agora vai comprar um livro meu?