Raça é isso!

Ralar a cara no chão para marcar um gol de cabeça, correndo o risco de levar uma pancada do goleirão no meio das fuças! Sim, este é o gol da vitória que Almir Albuquerque, o Almir Pernambuquinho, fez pelo Flamengo contra o Bangu, que tinha um bom time naquele ano de 1966 e um goleiro imenso chamado Ubirajara. Esse Almir é o mesmo que substituiu Pelé e se tornou herói da decisão do Mundial Interclubes de 1963, contra o Milan. Um pouco dessa garra é o que a gente gostaria de ver hoje, no Pacaembu, contra o Santa Fé.

Uma grandeza puxa outra

Tenho respondido a alguns santistas sobre qual seria a melhor forma de administrar o Santos para que ele utilize todo o seu potencial mercadológico. Bem, admitindo que hoje o Santos usa apenas uma pequena parte desse potencial não é preciso ser nenhum gênio para encontrar essa resposta, pois todas as iniciativas e fases que levam ao objetivo final estão ligadas ao mesmo princípio.

Basta determinar uma primeira meta e todas as outras se seguirão a esta, naturalmente. Sabendo-se que, com exceção da visibilidade na tevê, as duas condições que expressam a dimensão de um clube são a média de público de seus jogos e sua quantidade de sócios, podemos começar por qualquer um desses dois requisitos e chegaremos às mesmas conclusões quanto à forma correta de se gerir o Santos.

Creio que falo por todos nós quando digo que queremos e podemos aspirar a um quadro de 100 mil associados. Se clubes como o Porto, de Portugal, com 1,5 milhão de torcedores, têm mais de 100 mil sócios, nosso Santos, caso organize um bom programa de recompensas e trabalhe duro e ininterruptamente atrás dessa meta, não chegará a 100, mas a 200 mil sócios. Porém, pensemos em “apenas” 100 mil como uma boa meta para uma gestão de três anos.

O dinheiro que vem do quadro associativo não depende de negociações com a tevê ou com patrocinadores, é uma manifestação direta do amor e da confiança do torcedor no seu time e na direção do clube. Creio que o santista apoiará em peso o clube desde que confie em seus dirigentes, desde que os julgue competentes, trabalhadores, ousados e honestos. Portanto, não tenho dúvida alguma de que esse objetivo de 100 mil sócios em três anos é plenamente viável.

Se um clube tem muitos sócios, chegamos ao segundo passo, que é definir onde mandar seus jogos. Com 100 mil associados o Santos terá de jogar em um estádio que comporte ao menos um terço deles, ou seja, 30 mil torcedores. Esse tem sito o segredo dos bons públicos do alviverde e do alvinegro da capital. É uma receita que pode e deve ser copiada pelo Santos.

Qualquer criança de dez anos sabe que um clube com 100 mil sócios e média de público superior a 20 mil pessoas conseguirá melhores negociações com o patrocinador máster, o patrocinador de material e as empresas interessadas em merchandising, sem contar, obviamente, os acordos com a televisão.

Tudo isso melhorará o faturamento do clube, reduzindo suas dívidas e aumentando a verba destinada a contratações e à preparação de jogadores jovens, ou seja, esse rendimento financeiro se reverterá em um time mais forte e competitivo, fechando um círculo virtuoso que, desde que as premissas da administração não sejam mudadas, manterá o clube em um estágio invejável.

Isso não pode ser olhado como um conto de fadas. Tudo o que citei é plenamente realizável e tenho certeza que o será, por mim, ou por outro presidente com visão, capacidade de trabalho e compromisso de honra com a seriedade e a honestidade. Não faço questão de ser o líder que levará o Santos ao seu melhor caminho, mas faço questão que o nosso querido clube, nosso amado time alvinegro praiano encontre esse caminho.

Como última consequência natural de tudo o escrevi, é óbvio que o Santos deve permitir o voto à distância, deve permitir e saudar a participação de seus santistas de todos os cantos, pois há muito tempo nosso clube não é mais um time de vila, mas um time do mundo. Essa é a realidade do Santos incomensurável que queremos. Espero que essa visão regionalista, que poucos tentam impor a muitos, seja sepultada definitivamente na próxima eleição e que o Santos siga, livre, forte, atrevido, em busca de seu futuro universal.

E você, o que acha disso?

Os livros ainda estão baratos! Não perca!

Costumo dizer que o livro é o melhor presente, pois ninguém joga um livro fora e duvido que um santista jogaria um Time dos Sonhos ou um Dossiê fora. Uma camisa do time, que é bem mais cara, fica velha, esgarça, fura, e é abandonada. Um livro, jamais. Fica na prateleira, sobrevive a gerações, conta histórias que se imortalizam.

Se você somar o custo do correio, o preço da embalagem, verá que os livros vendidos neste blog têm um valor abaixo do preço de custo. Minha vaidade é difundir a história do Santos, a história verdadeira do futebol. A história do Santos é sagrada e precisa ser divulgada Hoje, é só isso o que posso fazer para ajudar o clube. Um dia espero poder fazer mais.

Confira os novos preços e entre na livraria para comprar para você e para os amigos. Conhecer e divulgar a história é uma forma de manter o carisma, a cultura e a visibilidade do Santos.

Veja só como os livros ficaram baratos (e todos com frete grátis e minha dedicatória personalizada)

Dossiê Unificação dos títulos brasileiros
1 exemplar: 59 reais.
2 exemplares: 79 reais.

Time dos Sonhos
1 exemplar: 59 reais.
2 exemplares: 79 reais.
— A compra de um exemplar de Time dos Sonhos dá direitos aos PDFs dos livros Donos da Terra, Ser Santista e Pedrinho Escolheu um time.

Sonhos mais que possíveis
1 exemplar: 14 reais.

Dinheiro, é possível ser feliz sem ele
1 exemplar: 23 reais.
2 exemplares: 35 reais.

—— Para entrar na livraria e garantir os seus exemplares, tecle aqui ——

ou entre na sala Comprar Livros, anunciada no alto desta página.

A história do Santos em PDFs a preços simbólicos

DonosdaTerraNa Raça!Ser SantistaPedrinho escolheu um time

Diante de constantes pedidos de livros já esgotados em papel, como Donos da Terra, Na Raça, Ser Santista e Pedrinho escolheu um time, o blog está oferecendo cópias em PDF dessas obras por apenas R$ 6,50 (quatro reais e cinquenta centavos) e apenas R$ 4,50 para o livro Pedrinho escolheu um time. O PDF é enviado pelo e-mail que o comprador designar no endereço para a entrega.

Clique aqui para maiores informações e para adquirir bem baratinho PDFs de livros históricos do Santos já esgotados em papel. Os preços vão de R$ 4,50 a R$ 6,50.