Curiosidade do Campeonato Brasileiro
Quantos pontos os times ganharam em seus últimos 5 jogos

1 – Vitória: 12 pontos (4 vitórias)
2 – Grêmio e Atlético/PR: 10 pontos (3 vitórias)
4 – Corinthians: 9 pontos (3 vitórias)
5 – Cruzeiro, Fluminense e Avaí: 8 pontos (2 vitórias)
8 – Palmeiras, Botafogo, Bahia e Coritiba: 7 pontos (2 vitórias)
12 – Santos: 7 pontos (1 vitória)
13 – Flamengo, Atlético/MG e Atlético/GO: 6 pontos (2 vitórias)
16 – Ponte Preta: 6 pontos (1 vitória)
17 – Vasco: 5 pontos (1 vitória)
18 – Chapecoense e São Paulo: 4 pontos (1 vitória)
20 – Sport: 2 pontos


Essa música resume a carta de intenções da Rede Globo de Televisão

Ibopismo x Meritocracia

O que é mais importante para o futebol brasileiro e o que desperta mais curiosidade no telespectador? As oitavas de final da esvaziada e secundaríssima Copa Sul-americana, ou as quartas de final da Copa Libertadores da América, a versão sul-americana da Champions League? Bem, qualquer um que acompanhe o futebol, mesmo superficialmente, saberá responder a essa questão, mas os experts em programação da Rede Globo não sabem.

Assim, na noite do dia 13 de setembro, em que o único time invicto da Libertadores, e também o único paulista, enfrentará o Barcelona em Guayaquil, a Globo transmitirá para São Paulo um jogo da Copa Sul-americana do alvinegro de Itaquera, um de seus dois times preferidos. Para o santista essa insólita decisão não foi surpresa, mas o fato pede uma análise.

Os pragmáticos alegarão que o motivo é o malfadado ibope. Em qualquer circunstância, o alvinegro de Itaquera daria mais audiência do que o Santos. Mais ibope quer dizer mais dinheiro, e esse é um argumento que, desde programadores de tevê a políticos brasileiros, ninguém discute. É por aí mesmo? Positivamente, não.

Após analisar a audiência de centenas de jogos televisionados, fiz um texto que publiquei no Metro Jornal com o título “O be-a-bá da audiência do futebol”, no qual abordo as circunstâncias que fazem uma partida atrair mais telespectadores. Sugiro que leiam antes de continuarmos a conversa:
Clique aqui para ler o artigo

Pois bem. O confronto do Santos se enquadra no item 3, “Jogo Importante”. É evidente que um título da Libertadores é milhões de vezes mais significativo para o futebol brasileiro do que um da Sul-americana. Há ainda a circunstância de a Libertadores já estar nas quartas de final, um estágio à frente da outra. Some aí o fato de o Santos ser, ao lado do São Paulo, o clube brasileiro que mais vezes ganhou a competição (três) e, como eu disse, mantem-se como o único paulista e único invicto nessa edição de 2017.

Para complementar o interesse, há o detalhe de o Barcelona de Guayaquil ter eliminado o Palmeiras. Ou seja, além de santistas, que torcerão a favor, palmeirenses e outros torcedores provavelmente assistiriam à partida para “secar” o Santos, aumentando a audiência.

Revanchismo da Globo?

Muitos santistas afirmam que a Rede Globo age assim porque o Santos assinou um contrato de canal por assinatura com o Esporte Interativo. Lembram que ex-funcionários da emissora carioca costumam reclamar dos tempos em que ficam na “geladeira”, impedidos de trabalhar. Ou seja, a Globo seria vingativa e usa o seu poder para enaltecer amigos e destruir o que ela considera inimigos. Tudo pelo ibope, ou pelo dinheiro, este último um argumento irrefutável no nosso Brasil.

É difícil acreditar que uma emissora que opera sob uma concessão do governo agiria de maneira tão sórdida. Porém, sem provas da tamanha injustiça, apenas percebo as evidências e, como todos, fico com a pulga atrás da orelha. Não foi essa mesma empresa a parceira do governo na investigada Copa do Mundo de 2014?

E por falarmos daquela Copa de tão más recordações, não seriam aqueles 7 a 1 impiedosamente assinalados pelos alemães um claro sinal de que, além da nossa badalada e frágil Seleção, havia muito mais coisas erradas no futebol brasileiro?

Bem, se aquele vexame profundo e inesquecível queria dizer que o Brasil teria de voltar a valorizar seus melhores times e jogadores, esquecer o sensacionalismo e dar valor ao que realmente é mais importante, então nada foi aprendido. Querer empurrar goela abaixo da população de São Paulo um jogo sem nenhuma significância, em vez de mostrar um duelo importante pela Copa Libertadores é o fim da picada.

Depois que o Brasil tomar outra traulitada na Copa da Rússia, que os solertes jornalistas ou quetais da emissora não venham criar teorias esotéricas para explicar um desastre que começa nos corredores da própria empresa em que trabalham.

Quer escrever (e falar) melhor sobre esporte? Faça o meu curso!

Curso - alunos alegres
Essa foi a turma de julho. Inscreva-se para o curso de setembro. Últimas vagas.

A cada dia cresce o número de pessoas que escrevem (e falam) sobre esporte. Com a não obrigatoriedade do diploma de jornalista, a atividade está aberta a todos.

Entretanto, essa profissão tão fascinante exige conhecimento técnico e ético para ser bem desempenhada.

Por isso criei o Curso de Especialização Técnica e Ética no Jornalismo Esportivo, que ministrarei nesse mês de setembro na sede da Associação dos Cronistas Esportivos do Estado de São Paulo, na avenida Paulista.

Não perca essa oportunidade de conhecer segredos da profissão que só um atento jornalista com 40 anos de experiência pode lhe dar. As inscrições ainda estão abertas, mas as vagas são limitadas.

Inscrições abertas para o II Curso de Especialização Técnica e Ética do Novo Jornalismo Esportivo

Ministrado por Odir Cunha, jornalista profissional há 40 anos – Jornal da Tarde, O Globo, rádios Globo, Excelsior e Record, TV Record, editor de nove revistas esportivas, diretor de comunicação da Secretaria Municipal de Esportes de São Paulo, diretor da Ampla Comunicação, editor das editoras de livros Novo Conceito e Magma Cultural, dono do Blog do Odir, autor de 27 livros, biógrafo de Oscar Schmidt, Pelé e Gustavo Kuerten, ganhador de dois prêmios Esso e três prêmios da Associação Paulista dos Críticos de Arte.

Temas do Curso

Pirâmide Invertida X Novo Jornalismo
As maneiras tradicional e criativa de se escrever uma reportagem

As regras para uma boa entrevista
Da preparação à técnica de colher informações e escrever

As dez qualidades do bom jornalista
Extraídas do livro “Lições de Jornalismo”.

Como escrever para
Jornal – Revista – Rádio – TV – Blog

Mídia Social e Assessoria de Imprensa
Como planejar e divulgar cada cliente

Escrever um livro
Como pesquisar, escrever e publicar

Os limites da polêmica
Como evitar os crimes de opinião:
Difamação, Injúria e Calúnia

Princípios do bom texto
Clareza
Objetividade e ordem direta
Escolha das palavras simples e concretas
Uma ideia por parágrafo
Precisão. Sem ela não há credibilidade.
Isenção. A necessidade de ser neutro.
Empatia. O melhor repórter se apaixona pela matéria.
A importância de reler o texto
Criatividade e os caminhos que levam a ela

Comportamento do repórter
Humildade e Respeito. Qualidades essenciais.
Ousadia e Iniciativa. Quando elas são obrigatórias.

Descrição das funções Jornalísticas
Repórter – Copidesque – Chefe de Reportagem
Revisor – Editor – Editor-chefe

Como fazer
Títulos – Subtítulos – Olhos – Intertítulos – Legendas

– Tarefas na classe e em casa
– Matérias sobre eventos escolhidos
– Trabalho Final
– Entrega de Certificado de Conclusão com o número de horas/aula

Curso de Especialização Técnica e Ética do Novo Jornalismo Esportivo

Carga horária: 16 horas

Datas e horários: dias 5, 6, 12, 14, 19, 21, 26 e 28 de setembro, das 19h30 às 21h30.

Local: Associação dos Cronistas Esportivos do Estado de São Paulo (ACEESP).

Endereço: Av. Paulista, 807, 9º andar, conjunto 904, São Paulo. Fones: (11) 3251-2420 e 3289-8409.

Investimento: R$ 300,00 (trezentos reais – 50% na matricula, 50% até o dia 15 de setembro.)

Sócios da ACEESP em dia com a anuidade não pagam.

Informações e inscrição até 4 de setembro pelo e-mail blogdoodir@blogdoodir.com.br