Blog do Odir Cunha

O ombudsman do Santos FC

film izle

Month: dezembro 2017 (page 1 of 3)

Os valores do Santos

Neste último dia de 2017, decidi oferecer para a análise de vocês um estudo inicial sobre os Valores do Santos. Baseado na rica e apaixonante história do Glorioso Alvinegro Praiano, com a ajuda de alguns profissionais da área e inspirado também no trabalho similar feito pela Federação Argentina de Tênis, cheguei à conclusão de quais seriam os valores intrínsecos do Santos.

Esses valores exprimem a cultura do nosso clube e sua maneira particular de agir para, ao longo do tempo, alcançar seus objetivos. São baseados nos seus 106 anos de história a serem completados em abril de 2018.

São valores de todos nós, santistas, e pretendemos que sejam respeitados e seguidos por todos que trabalhem e sirvam ao Santos Futebol Clube, independentemente de quaisquer preferências ideológicas. Atletas, funcionários, dirigentes, todos deveremos conhecer e respeitar esses quatro valores fundamentais, que são:

Técnica – Disciplina – Garra – Ousadia

Técnica: para nós, santistas, ela significa aprender a executar nossa atividade com perfeição e desempenhá-la com competência e esmero. Ao mesmo tempo em que um jogador desenvolve seu drible, seu passe e seu chute, lapidando seus fundamentos a cada dia, cada funcionário do Santos fará o melhor que puder e terá a humildade e a vontade de aprender e se aperfeiçoar naquilo que não estiver fazendo com correção. A busca da perfeição no que faz deve ser a meta de cada funcionário santista.

Disciplina: esse valor implica seguir as regras, cumprir as metas, obedecer aos horários, respeitar a hierarquia e os valores do clube. Mas não é só isso. Assim como um jogador prejudica a equipe quando é punido por mau comportamento, um funcionário indisciplinado também afeta a instituição. E essa responsabilidade é ainda maior quando se está representando o Santos. Por isso, em qualquer situação, um santista deve ser educado, ético, disciplinado.

Garra: ao contrário do que se pensa, o Santos só conseguiu e consegue tantas conquistas porque tradicionalmente é um time de guerreiros, de jogadores de muita garra, que não desistem. Atletas como Pelé, Zito, Lima e Mauro são exemplos da perseverança, vontade, destemor e resiliência em busca do sucesso. Enfrentemos as dificuldades com a mesma garra que nossos campeões demonstram em campo, qualidade que deve ser praticada por todos os funcionários do Santos.

Ousadia: time de uma cidade que nem é a capital de seu Estado, o Santos conquistou o mundo. Isso porque não respeitou limites e nem deixou de perseguir seus sonhos e seu destino. Sempre foi atrevido, ousado, impulsionado pela criatividade de seus craques, que sempre encontraram uma saída para as situações mais difíceis. O componente da criatividade deve ser cultivado e incorporado a todas as áreas do clube. Um santista não tem limites para seus sonhos e realizações.

O que você pensa sobre isso?

HOMENAGEM AO GOLEIRO LEONÍDIO FRANÇA

Faleceu, aos 93 anos, o goleiro Leonídio França, que defendeu com ardor a meta do nosso Santos de 1946 a 1952, período em que jogou 64 vezes com a camisa mais apaixonante do futebol. O enterro se dará às 18 horas no Memorial Necrópole Ecumênica, na avenida Nilo Peçanha, 50, bairro do Marapé, Santos. Que Deus guarde o nosso grande arqueiro. Nossos sentimentos aos familiares.


Entrando nos trilhos

Sabe por que toda nova gestão de um clube de futebol diz, ao assumir, que encontrou “terra arrasada”? Porque é isso mesmo que acontece. O caráter dos dirigentes e a falta de fiscalização nos clubes faz com que os últimos meses de uma administração sejam catastróficos.

No Santos, como se previa, ao invés de um superávit milionário, encontrou-se a necessidade de se conseguir R$ 30 milhões da noite para o dia para pagar salários e o décimo terceiro de jogadores e funcionários. Mas, repito, isso já era esperado. Há muito as despesas superam as receitas no nosso clube.

Conselheiros que fomos, jamais encontramos nos balanços sinais de um crescimento das receitas, muito ao contrário. Assim, temos de ir atrás delas. Não apenas nesse começo de gestão, mas durante os três anos de mandato de José Carlos Peres e Orlando Rollo. Isso implica atuar em estádios maiores e iniciar, logo que possível, a campanha para chegarmos a 100 mil sócios em três anos, iniciativas que trarão muitas outras a reboque.

Se você era sócio do Santos e desistiu por mau atendimento ou por não acreditar nas intenções da gestão anterior, peço que fique agora. Seu voto de confiança será vital para reerguermos o clube. Com mais sócios, atuando mais em estádios maiores, atrairemos também maiores verbas de patrocínio e levaremos menos tempo para colocar o nosso Santos novamente nos trilhos da sustentabilidade financeira.

Sei, também, e como!, que a opção da enquete mais votada (16%) e a que mais preocupa o santista é a montagem de um time forte. De nada adianta fazer tudo certo se no campo o time não corresponder. O torcedor quer saber de nomes e se angustia com a falta de notícias sobre contratações espetaculares. Hoje percebo claramente como a ansiedade do torcedor, legítima por um lado, por outro pode levar um clube à bancarrota.

O santista, nesse ponto igual a todo torcedor, quer o anúncio bombástico: “Fulano foi contratado”, “Sicrano já é do Santos”, “Agora é oficial: Beltrano é santista”. Sabemos que um negócio desses aumenta exponencialmente a popularidade de um dirigente e de uma gestão. Mas, convenhamos, é uma saída fácil e, em boa parte das vezes, irresponsável.

Quantos dirigentes demagogos não gastaram o que o clube tinha e, principalmente, o que não tinha, para encher seus times de jogadores famosos que, mais dia, menos dia, acabaram saindo pela porta dos fundos, com salários e direitos atrasados, agravando ainda mais a situação financeira da instituição?

Uma boa negociação não se faz na primeira sentada à mesa. É preciso analisar todas as circunstâncias. Não é só o Santos que precisa de jogadores. Eles também precisam jogar em um time da história, do peso, da marca e da popularidade do Santos, um time já garantido para a Copa Libertadores de 2018. Uma equipe, enfim, que é uma das mais importantes vitrines do futebol mundial.

Essa gestão só tomará posse dia 2 de janeiro, mas se resolvesse cruzar os braços e não assumir as responsabilidade pelo futuro do clube, provavelmente teríamos um quadro bem parecido com o do final da gestão de Odílio Rodrigues, em que muitos jogadores entraram na justiça trabalhista e conseguiram passe livre. Sabemos que a responsabilidade pelo futuro do Santos, até o final de 2020, será nossa e não fugiremos dela.

E você, o que acha disso?


Feliz Natal e Novos Tempos

Peres eu e Rolloo a caminho da Vila


Agruras da transição

O torcedor tem o sagrado direito de criticar. Sempre fui crítico e não posso querer agora, que me tornei vidraça, ser poupado delas. Porém, creio que seja oportuno lembrar que a nova gestão, da qual faço parte, só assumirá oficialmente o comando do clube em 2 de janeiro. Estamos trabalhando, mas há muitas ações que só podem ser realizadas após a posse oficial.

Sabemos que o tempo urge para a montagem do time e do elenco para 2018, mas sem se saber exatamente qual é a situação financeira do clube, qualquer negócio mais vultoso seria temerário – justamente o qeu se quer evitar.

Posso dizer que o Santos será mais eficiente e profissional em todas as áreas. É preciso ter um pouco de paciência até que tudo comece a funcionar. É evidente, também, que boa parte das precipitadas críticas vêm do grupo que perdeu as eleições e agora tenta criar um clima desfavorável nesse início de trabalho. Essa maledicência será em vão, porém, pois tudo será feito como o planejado e as metas serão cumpridas. Quem viver, verá.

Este canal permanecerá aberto para conhecer os comentários, sugestões e críticas dos seus ilutres frequentadores. Logo mais terei boas novidades. Abraços!


Eleição sob suspeita

eleicao cd santos
Contagem de votos na eleição do Conselho Deliberativo do Santos

Funcionários, ou pessoas com vínculo profissional com o Santos, não poderiam ter votado na eleição para a mesa do Conselho Deliberativo, ontem, mas tudo indica que foram elas que decidiram a eleição a favor de Marcelo Teixeira.

Apenas dois votos deram a Teixeira a presidência do Conselho Deliberativo do Santos. Ele teve 137 votos no total, contra 135 de Otávio Adegas, mas há suspeitas de que votos irregulares, como o do ex-jogador Léo, é que deram a vitória ao dirigente que apoiou Modesto Roma na eleição presidencial.

Após a contagem das quatro urnas, Teixeira foi anunciado como o novo presidente do Conselho Deliberativo, mas imediatamente alguns conselheiros tentaram tomar a palavra para denunciar o que, para eles, era uma irregularidade. Além dos funcionários Léo e Marcus Vinicius, suspeitava-se que o ex-jogador Clodoaldo também tivesse votado a favor de Teixeira. Houve tumulto e a conselheira Luciana Martins, advogada, foi ofendida e impedida de falar.

“Fui xingada, ofendida e empurrada por duas senhoras que ali estavam e nem conselheiras eram”, disse Luciana.

Se for comprovado que ao menos dois votos para Teixeira partiram de funcionários do clube, o vencedor será Otávio Adegas, pois, em caso de empate, o estatuto diz que o candidato mais velho deve ser favorecido.

O Conselho recebeu um número inédito de conselheiros para o pleito de ontem. A maior parte dos conselheiros efetivos, ou vitalícios, mesmo aqueles que dificilmente comparecem às sessões do órgão, foram instados a prestigiar o ex-presidente Marcelo Teixeira. O equilíbrio da contagem foi visto como um fator positivo pelas lideranças das chapas de oposição à oligarquia Teixeira/Roma:

“A maioria desses conselheiros vitalícios não voltarão para as assembleias comuns, o que nos dará a maioria nas votações do dia a dia”, disse um dos eleitos pela chapa de Andrés Rueda, ontem unida aos votos dos eleitos pela chapa Somos todos Santos.

Novidades deverão ser anunciadas nesta terça-feira. Não se pode dizer, ainda, que a eleição de Marcelo Teixeira é definitiva, pois a possibilidade de anulação existe. Para Luciana Martins, “juridicamente temos condições de impugnar essa votação”.

Composto, agora, por muitos conselheiros jovens e determinados, o Conselho Deliberativo do Santos não deverá aceitar passivamente todas as ações do órgão, principalmente as consideradas suspeitas. Se na última gestão o Conselho já foi um pouco mais combativo do que antes, na atual deverá ser muito mais. Isso será importante para promover a transparência prometida na campanha eleitoral.

E você, o que acha disso?


Older posts

© 2018 Blog do Odir Cunha

Theme by Anders NorenUp ↑