Sabe por que toda nova gestão de um clube de futebol diz, ao assumir, que encontrou “terra arrasada”? Porque é isso mesmo que acontece. O caráter dos dirigentes e a falta de fiscalização nos clubes faz com que os últimos meses de uma administração sejam catastróficos.

No Santos, como se previa, ao invés de um superávit milionário, encontrou-se a necessidade de se conseguir R$ 30 milhões da noite para o dia para pagar salários e o décimo terceiro de jogadores e funcionários. Mas, repito, isso já era esperado. Há muito as despesas superam as receitas no nosso clube.

Conselheiros que fomos, jamais encontramos nos balanços sinais de um crescimento das receitas, muito ao contrário. Assim, temos de ir atrás delas. Não apenas nesse começo de gestão, mas durante os três anos de mandato de José Carlos Peres e Orlando Rollo. Isso implica atuar em estádios maiores e iniciar, logo que possível, a campanha para chegarmos a 100 mil sócios em três anos, iniciativas que trarão muitas outras a reboque.

Se você era sócio do Santos e desistiu por mau atendimento ou por não acreditar nas intenções da gestão anterior, peço que fique agora. Seu voto de confiança será vital para reerguermos o clube. Com mais sócios, atuando mais em estádios maiores, atrairemos também maiores verbas de patrocínio e levaremos menos tempo para colocar o nosso Santos novamente nos trilhos da sustentabilidade financeira.

Sei, também, e como!, que a opção da enquete mais votada (16%) e a que mais preocupa o santista é a montagem de um time forte. De nada adianta fazer tudo certo se no campo o time não corresponder. O torcedor quer saber de nomes e se angustia com a falta de notícias sobre contratações espetaculares. Hoje percebo claramente como a ansiedade do torcedor, legítima por um lado, por outro pode levar um clube à bancarrota.

O santista, nesse ponto igual a todo torcedor, quer o anúncio bombástico: “Fulano foi contratado”, “Sicrano já é do Santos”, “Agora é oficial: Beltrano é santista”. Sabemos que um negócio desses aumenta exponencialmente a popularidade de um dirigente e de uma gestão. Mas, convenhamos, é uma saída fácil e, em boa parte das vezes, irresponsável.

Quantos dirigentes demagogos não gastaram o que o clube tinha e, principalmente, o que não tinha, para encher seus times de jogadores famosos que, mais dia, menos dia, acabaram saindo pela porta dos fundos, com salários e direitos atrasados, agravando ainda mais a situação financeira da instituição?

Uma boa negociação não se faz na primeira sentada à mesa. É preciso analisar todas as circunstâncias. Não é só o Santos que precisa de jogadores. Eles também precisam jogar em um time da história, do peso, da marca e da popularidade do Santos, um time já garantido para a Copa Libertadores de 2018. Uma equipe, enfim, que é uma das mais importantes vitrines do futebol mundial.

Essa gestão só tomará posse dia 2 de janeiro, mas se resolvesse cruzar os braços e não assumir as responsabilidade pelo futuro do clube, provavelmente teríamos um quadro bem parecido com o do final da gestão de Odílio Rodrigues, em que muitos jogadores entraram na justiça trabalhista e conseguiram passe livre. Sabemos que a responsabilidade pelo futuro do Santos, até o final de 2020, será nossa e não fugiremos dela.

E você, o que acha disso?