O jogo que vale mesmo é o de logo mais, na Vila Belmiro, mas é impossível não comentar as bobagens do técnico Mano Menezes, que também pode ser chamado de A Quarta Opção.

Este senhor cometeu o sacrilégio de escalar um tal de Fernandinho no lugar de Ganso e armar o Brasil na retranca para enfrentar a Alemanha. Como resultado, os alemães chegaram a ter mais de 80% de posse de bola, dominaram amplamente o jogo e só venceram por apenas 3 a 2 porque no finalzinho Neymar diminuiu em jogada pessoal.

Aliás, Neymar jogou apesar de estar com a garganta inflamada, o que, todos, sabem, diminui a resistência do jogador. O correto seria poupa-lo. Com relação a Ganso, entrou no time ao final do segundo tempo, quando a viola já estava em cacos.

O intocável André Santos, que tem o mesmo agente de Mano Menezes, novamente errou passes, marcou mal e prendeu demais a bola. Desta vez, uma falha sua deu o terceiro gol aos alemães, e só depois dela é que o técnico resolveu substitui-lo.

Como se esperava, o estreante Ralf jogou como no alvinegro da capital, ou seja, muito pouco. Daniel Alves me faz ter mais paciência com Pará. Ramires corre pra lá e pra cá, mas quando puxa o contra-ataque, nunca consegue acertar o último passe (Ganso, mesmo fora de forma, tem um passe preciso, como mostrou no segundo gol brasileiro). Pato inventa quando tem de fazer o simples, faz o simples quando precisa ser criativo.

Se é para renovar, tem de mudar muita coisa

Em primeiro lugar, se a idéia é renovar a Seleção, o técnico não pode ser o medroso Mano Menezes. Tem de ser alguém que conhece e confia nos mais jovens. A Alemanha está dando uma lição de como renovar a equipe sem perder a competitividade.

É evidente que o time só flui melhor quando estão em campo Ganso, Robinho e Neymar – que se entendem porque jogaram juntos no Santos. É só acrescentar o Elano, o Arouca e o Borges e ao menos haverá maior entrosamento do meio-campo para a frente.

A estratégia nem é nova. João Saldanha fez do Santos a base de suas “Feras” e com seis titulares santistas o Brasil venceu todos os seus seis jogos das Eliminatórias. O ideal, nessa fase de transição, é usar um bom time como base, e depois ir mudando aos poucos.

Bem, o consolo é que a partir das 21h50m, na Vila Belmiro, um meio-campo melhor do que este de hoje da Seleção estará em campo. Acha que estou exagerando? Assista ao jogo e depois me conte.

E você, o que achou do chocolate alemão que o time do Mano engoliu hoje?