Agora pela manhã veio a informação de que o Santos, na verdade, não quis chegar à proposta de 10 milhões de euros (cerca de R$ 30 milhões) pretendida por Adriano Galliani, vice-presidente do Milan, que se reuniu ontem à noite com Odílio Rodrigues no Brasil, e não em Milão, como meu post anterior informou. Quer decepção! Mas o jeito é desmentir a notícia o mais rápido possível, o que estou fazendo.

Gagliani está voltando a Milão com as mãos abanando. Só uma reviravolta pode mudar o caso, talvez com os passes de Felipe Anderson e o goleiro Rafael engrossando a oferta santista.

O jornal La Gazzetta dello Sport, que ontem à noite dava como certa a contratação de Robinho, hoje cedo voltou atrás. Confesso que minha fonte é ligada a este jornal.

Fico muito triste de ter de negar uma informação que tinha como certa. Ainda tenho esperanças, mas acho que a melhor possibilidade, agora, é mesmo Nenê, bem menos caro do que Robinho.

Não sei se vocês se lembram, mas no caso de Elano também noticiei de madrugada que ele viria, aproveitando o fuso horário, e ele realmente veio. Os contatos com o diretor Pedro Nunes da Conceição e amigos da comunidade turca de São Paulo me ajudaram a desvendar aquele mistério. Desta vez, confesso, me dei mal. Tinha pouco mais do que algumas dicas e a matéria do Gazzetta dello Sport, o que foi pouco.

É frustrante dar uma notícia e ter de desmenti-la, mas a verdade é que Gaglianni dava como certa a ida de Robinho para o Santos e manifestou seu otimismo em uma entrevista ao jornalista do Gazzetta dello Sport, passando até detalhes de valores de passe e salários.

Peço desculpas à imensa comunidade de santistas que acompanha este blog por esta barriga, que começou em um grande jornal italiano e veio explodir nesse humilde blog, que nem liga tanto para furos, mas ficou empolgado, confesso, por dar em primeira mão essa grande notícia aos santistas.

Mesmo que a situação se inverta e Robinho ainda venha, a falha do blog é indesculpável. Eu mesmo já tinha escrito que enquanto o contrato não é assinado, não se pode anunciar negócio algum.

E você, pode me xingar à vontade. Eu mereço! Quem mandou acreditar na imprensa italiana…