Paulo Cesar Verardi, que já passou por Umbro e Grêmio, é o novo gerente de marketing do Santos. Ele foi anunciado para o lugar de Alex Fernandes nesta segunda-feira. Com um perfil mais agressivo, Verardi vem para conseguir patrocínios e turbinar a campanha de sócios do clube. Que os céus o iluminem.

Lucas Lima
Adversário no chão, Lucas Lima segue com a bola. Diante das dificuldades financeiras provocadas pela última gestão, não era para o Santos estar jogando tão bem dentro do campo. O problema continua sendo fora dele (Ivan Storti/ Santos FC).

Mesmo com dispensas de tantos jogadores e contratações de outros a toque de caixa, o Santos tem feito um bom Campeonato Paulista e poderá brigar pelo título. Não digo que é o favorito, mas poderá lutar com boas chances. Agora, o que pega é o jogo fora de campo. Neste, o clube ainda tem muito a evoluir. E o problema é que se não agir rápido, não terá como segurar o elenco e seguirá depauperado para o Campeonato Brasileiro, com riscos até de rebaixamento.

Analisemos, com calma, a maneira como o Santos tem lidado com suas fontes de recursos e o que pode ser melhorado:

Sócios – O presidente Modesto Roma finalmente percebeu que esse contrato com a CSU é péssimo para o Santos. A terceirizada não é nada ágil para conseguir mais sócios e se mostra inepta para manter os que o clube já conquistou. O resultado é uma inadimplência enorme. De 60 mil, o clube só recebe mensalidades de 20 mil sócios. Como já escrevi aqui e já alertei no Conselho, o Santos só pode contar com seu torcedor, ele é o consumidor de sua marca. É preciso perdoar os inadimplentes, acelerar a captação de novos sócios e criar benefícios para eles. É possível, sim, chegar a 100 mil sócios, ou mais, mas para isso é indispensável criatividade, iniciativa e trabalho.

Rendas nos jogos – Dá para conseguir boas arrecadações jogando só na Vila Belmiro? Não! A não ser que todo jogo alcance a lotação máxima do estádio (pouco mais de 12 mil pessoas), sem muito ingresso de cortesia e com preços mais altos. Isso é plausível? Não! Então, o jeito é jogar em um estádio maior, certo? Óbvio! O Santos pode jogar no Pacaembu, sua casa em São Paulo, com capacidade para 39 mil pessoas. Trata-se de um estádio central, com muitas vias de acesso. Mas a diretoria não sabe se decide usar mais o Pacaembu, ou entra na onda dos que fazem campanha contra. Ou seja, a política rasteira e citadina está atrapalhando um plano evidente de marketing, que deveria incluir o agendamento de vários jogos no Pacaembu, com trabalho de hospitalidade e atrações para cativar o torcedor, principalmente as crianças. Por que não adotar a promoção do “Sócio mais Um”, dando ao associado a possibilidade de adquirir uma entrada para um amigo ou parente que não é sócio? Por que não resolver de vez o imbróglio que é comprar ingressos pela Internet?

Patrocínio – Não sabemos o que ocorre nesse departamento do clube, mas passar tanto tempo sem um patrocinador máster é de amargar. Creio que os quesitos anteriores – mais sócios e mais público nos jogos – seriam argumentos essenciais para convencer grandes empresas a usarem o Santos como divulgador de suas marcas. Por isso é que o aumento do quadro de sócios e mais jogos no Pacaembu são providências obrigatórias para dar ao Santos maiores possibilidades de conseguir um bom patrocinador. Quanto mais tempo o clube demorar para reconhecer isso, mais tempo sofrerá agruras financeiras e verá seus rivais dispararem na frente.

Cota de tevê – Como a audiência da tevê depende muito da qualidade do time, este é um item no qual o Santos vai bem no momento. Como o previsto, o seu jogo com o Palmeiras bateu o recorde de audiência no Campeonato Paulista, e o confronto com o Corinthians, que provavelmente decidirá o líder desta fase do Campeonato, dará um ibope ainda maior. Por mais que as equipes de jornalismo esportivo bajulem outros times, não se pode negar que o Santos é uma atração no futebol da tevê brasileira. Isso precisa ser capitalizado pela diretoria do clube. Mas enquanto, sem outras receitas significativas, o Santos seguir pedindo adiantamentos para a Globo, seu poder de negociação será nulo e continuará recebendo cotas menores do que clubes que têm tido piores resultados em campo e piores audiências nos últimos anos.

Clique no link abaixo para saber que o Santos teve R$ 122.388,00 de “Despesas Diversas” e R$ 269.943,00 de Despesas Totais no jogo contra o Audax, no sábado, o que gerou um prejuízo de R$ 5.878,65:
http://www.fpf.org.br/sumulas_2015/a1/3973-109f.pdf

Uma boa notícia: Leandro Damião está fazendo gols
Destaque do Cruzeiro na Copa Libertadores da América e no Campeonato Mineiro, Leandro Damião tem feito gols nas duas competições. Isso é ótimo, pois aumenta a chance de algum clube se interessar pela compra de seu passe. Acho muito difícil que o Santos recupere a fortuna paga pela administração de Odílio Rodrigues ao atacante (R$ 42 milhões, com aumento da dívida de 10% ao ano, em euros!!!). Mas ao menos poderá amenizar o prejuízo. Veja que golaço do LD:

E pra você, como o Santos esta jogando fora do campo?