Blog do Odir Cunha

O ombudsman do Santos FC

film izle

Tag: Amarildo

O futebol que temos é este…

185,5
Esta é a média de comentários dos últimos 20 posts deste blog (sem contar o que está no ar).

Perdeu, como podia empatar ou até ganhar. Bola pra frente…

O jogo foi equilibrado, a torcida compareceu desta vez e o Santos não jogou mal. A derrota por 2 a 1 para o Botafogo foi decidida em algumas jogadas. Quando o Santos era melhor, Thiago Ribeiro perdeu um gol feito e chegou atrasado em um cruzamento de Cicinho que seria outro gol. O time carioca, por sua vez, aproveitou a chance que teve para abrir o marcador, aproveitando uma jogada nas costas de Cicinho e um passe na área que caiu entre Durval e Mena.

No segundo tempo, em outra jogada pelos flancos, desta vez pela esquerda, outro cruzamento que passou entre Durval e Dracena e outro gol. Cícero diminuiu, em um belo chute de fora da área. Foi 2 a 1 para o Botafogo, uma equipe um pouco mais experiente e ajustada, mas poderia ser diferente. Faltam alguns ajustes no Santos. Torçamos para que Claudinei tenha visão e iniciativa de fazê-los.

Confira os melhores momentos de Santos 1 x Botafogo 2:
http://youtu.be/DfEe4zW2Pho

Hoje é dia do maior jogo que o futebol brasileiro já produziu

De um lado Pelé; do outro Garrincha; de um lado Zito, Pepe, Coutinho; do outro Didi, Zagalo, Amarildo; de um lado Gylmar, Mauro Ramos de Oliveira, Mengálvio e Lima; do outro Manga, Quarentinha, Rildo, Joel… Eu ia escrever que Santos e Botafogo, os melhores times do mundo em 1962 e 63, estrelavam um confronto do mesmo nível de um Barcelona e Real Madrid hoje, mas, pensando bem, eram mais do que isso. Havia mais magia em campo…

O centro do futebol era aqui e os dois alvinegros representavam o melhor futebol que o mundo tinha visto até aquele momento. Mas o Santos era ainda mais poderoso do que o rival. Nos três confrontos mais importantes que fizeram, o Santos fez 13 gols e sofreu apenas um: 4 a 1 na final do Tereza Herrera, na Espanha, em 1959, quando o mundo estava de olho no duelo dos times que tinham os astros da Copa da Suécia; 5 a 0 na final da Taça Brasil de 1962 (jogado em abril de 1963) e 4 a 0 na semifinal da Libertadores de 1963. Por isso, para a história, o Santos ficou como o grande vencedor desse desafio.

Hoje, às 18h30, na Vila Belmiro, voltam a se enfrentar em um jogo importante, no qual a vitória interessa a ambos. O carioca quer continuar perseguindo o líder Cruzeiro, o Santos anseia chegar mais perto do G4 – o que três pontos hoje e três pontos sobre o Náutico, em jogo atrasado, tornarão plenamente possível. O ingresso está barato e o santista precisa comparecer para empurrar o time.

Arouca e Montillo voltam

Arouca e Montillo, recuperados de lesões musculares, devem voltar ao time, dando ao técnico Claudinei Oliveira o privilégio de escalar o melhor que este Santos pode oferecer. O Botafogo vem com seus destaques, o veterano Seedorf e o garoto Hyuri. O ex-santista Renato também está escalado e acho que seria muito legal a torcida bater palmas para ele quando adentrar a Vila Belmiro onde jogou tantas vezes e tanto ajudou o Santos, principalmente na conquista do Brasileiro de 2002.

O Santos deve jogar com Aranha, Cicinho, Edu Dracena, Durval e Mena; Alison, Arouca, Cícero e Montillo; Everton Costa (Gabriel) e Thiago Ribeiro. O Botafogo, do técnico Osvaldo de Oliveira, provavelmente entrará em campo com Jefferson, Edilson, Bolívar, Dória e Julio Cesar; Marcelo Mattos e Renato; Hyuri, Seedorf Rafael Marques; Elias.

A arbitragem será de Andre Luiz de Freitas Castro (GO), auxiliado por
Cristhian Passos Sorence (GO) e Nadine Schramm Camara Bastos (SC).

Todas as circunstâncias indicam um bom jogo, disputado e com boa técnica. Os times se equivalem e o resultado natural seria o empate. Mas o fato de jogar em casa e vir de uma derrota obriga os santistas a buscarem mais a vitória. O adversário é forte e matreiro, mas o Santos tem de se impor.

Reveja o maior jogo do mundo, no maior estádio do mundo, na era do ouro do futebol, neste belo trabalho de Wesley Miranda:

E você, o que acha de Santos x Botafogo?

O futebol que temos é este…

neymar-ganso-e-robinho-1
Meninos da Vila talentosos jogando pra frente: este é o sonho eterno dos santistas.

O futebol brasileiro está em crise e parece que as pessoas que vivem em torno dele também. Entre o que ele poderia ser e o que realmente é, há um abismo. Vivemos essa crise em todos os sentidos: técnico, tático, ético, de popularidade e, conseqüentemente, financeiro.

Falta fundamento aos jogadores, coragem e estratégia aos técnicos, moralidade aos organizadores e público nos estádios. Não é à toa que – sinal dos tempos – o outrora orgulhoso São Paulo está vendendo ingressos a dois reais. Daqui a pouco os clubes jogarão com portões abertos e mesmo assim os estádios não se encherão.

Uma seqüência de fatores, entre eles o espírito colonizado de nossa imprensa esportiva, tirou a credibilidade do futebol brasileiro e deixou claro para todos uma situação antes não declarada, ou seja, a subserviência do nosso jeito de jogar e fazer futebol ao decantado modelo europeu. Já fomos o centro, mas hoje somos o subúrbio, o arrabalde, a periferia do futebol.

Diante dessa dura realidade, os torcedores precisam criar fatos para alimentar sua paixão, ou ela também morrerá. Não importa que o Santos, sem dinheiro, esteja sobrevivendo graças a uma mescla de veteranos e garotos dirigidos por um técnico sem experiência. O torcedor quer esse time voando, como se uma equipe de Gylmar a Pepe estivesse em campo.

Não importa que o Corinthians venha de três jogos sem marcar um único gol e nem esteja no G4, apesar de ainda ostentar o título de campeão do mundo; não importa que o Palmeiras, por mais vitórias que consiga, dispute apenas a Série B; não importa que o São Paulo, na zona de rebaixamento, tenha de se humilhar para atrair os torcedores para o seu Morumbi. O torcedor precisa acreditar que é só uma fase passageira e que ainda há motivos para vangloriar-se de que o seu time é o maior.

Porém, nas crises surgem as teorias oportunistas que buscam jogar por terra os valores amealhados ao longo da história e, no lugar deles, inserir outros que alimentem o caos e a descrença. Até mesmo o estilo vistoso e ofensivo que caracterizou nosso futebol tem sido contestado por alguns – e como muitos leitores não têm conhecimento suficiente para raciocinar em cima do que lhe é imposto, a tese ganha adeptos.

Juro que li em algum lugar que esse negócio de DNA ofensivo é bobagem minha. Que o Santos tem de jogar feio e retrancado mesmo, pois o importante é vencer. Ora, é claro que vencer é importante, mas quem disse que jogando feio e retrancado o time terá mais chance de vencer do que se jogar bonito e com uma mentalidade ofensiva?

Perceba que escrevi “mentalidade ofensiva”, pois ela é essencial para um time marcar gols. Isso não quer dizer que tenha de jogar com cinco atacantes, como nos anos 60. Mas tem de entrar em campo com planos definidos e bem treinados de se chegar ao gol adversário, pois isso ainda é a alma do futebol.

O grande Santos dos anos 60, o melhor time que já existiu, sabia da importância da defesa e provou isso ao não tomar gols e ao mesmo tempo golear o Botafogo duas vezes, nos jogos mais importantes que fizeram. Com um ataque que começava em Garrincha e terminava em Zagalo, o alvinegro carioca também era uma máquina de fazer gols. Mas perdeu para o Santos a final da Taça Brasil por 5 a 0 e a semifinal da Copa Libertadores de 1963 por 4 a 0, ambas no Maracanã, porque o Alvinegro Praiano era mais completo: além de um ataque incomparável, tinha uma excelente defesa e, mais do que isso, uma mentalidade ofensiva que prevalecia mesmo quando se defendia.

É pra se defender? Vamos defender com tudo. Mas quando temos a bola, precisamos de estratégias concretas para atacar e marcar gols. O que não pode é um time grande treinar 40 maneiras de destruir os ataques adversários, mas não saber o que fazer com a bola quando a tem. O ataque sempre foi o forte do Santos e sem ele o time se torna um qualquer. Se utilizar um monte de volantes e se defender loucamente fosse a solução dos problemas, os times pequenos seriam grandes e vice-versa.

Quando dominou o mundo o Santos tinha sempre o ataque mais positivo e nem sempre a defesa menos vazada. Em 1964 ele foi campeão paulista com 95 gols marcados e 47 sofridos. O segundo time com mais gols feitos, o Palmeiras, marcou 70. Porém, veja só quantas equipes sofreram menos gols do que o Santos: Portuguesa e Corinthians (34), América de São José do Rio Preto (35), Palmeiras (36), São Bento (38), São Paulo (40), Ferroviária (41), Guarani (44) e Comercial (45). Notou que o América sofreu 12 gols a menos do que o Santos no campeonato inteiro? Eu lhe pergunto: e daí?

O que nos resta

Sem craques notáveis; sem ídolos; sem técnicos mirabolantes capazes de formar times fantásticos, como foram Lula, Bella Guttmann e Telê Santana; o que resta ao torcedor brasileiro é transformar o pouco em muito. Ele sabe que, mesmo no campeonato de pior nível técnico, ainda assim haverá um campeão, haverá classificados para a Libertadores e equipes rebaixadas, e se apega a essas funcionalidades para viver o futebol do que jeito que dá.

Cada time tem sua cultura, seu DNA, que resiste, sobrevive e se sobrepõe ao longo do tempo. Descobri o do Santos estudando a história do clube desde o princípio, e usei esse termo – DNA – no livro Time dos Sonhos, lido e repercutido por outros santistas. Há expressões que são marqueteiras, forjadas, oportunistas, mas esta é o resultado de um longo estudo.

A reverência aos Meninos da Vila também não é uma invenção gratuita. Eles escreveram os capítulos mais brilhantes da história santista, pois estiveram majoritariamente presentes nos times formados em 1912, 1927, 1955, 1964, 1978, 1995, 2002 e 2010. Extirpe essas etapas da vida do Santos e pouco sobrará.

Portanto, se apesar do precário panorama geral do futebol brasileiro, o santista ainda tem no que acreditar, por que não fazê-lo? Se ainda temos uma história baseada no jogo ofensivo e na revelação de grandes jogadores – quase todos atacantes –, por que trocar essa vocação por desempenhos feios e medrosos?

Se o clube não tem dinheiro para grandes contratações, por que não preparar esses Meninos com carinho e dar-lhes reais oportunidades de se tornarem ótimos profissionais? O que não se pode é deixá-los ao Deus-dará. Nessa fase da carreira o que mais precisam é de um acompanhamento pessoal, de alguém que os dirija ao caminho do sucesso. O trabalho com as divisões de base é a melhor opção e a grande esperança para esse futebol brasileiro obrigado a se reinventar.

E pra você, o que deve ser feito para o futebol brasileiro voltar a ser grande?


Santos contribuiu mais para a conquista da Jules Rimet

Os 5 a 0 de ontem pela melhor TV do mundo: a SantosTV:

Bastidores do “Nós contra Rapa”:


O santista Carlos Alberto Torres ergue a Jules Rimet

Participei ontem, domingo à noite, do programa Esporte Visão, da TV Brasil, e em determinado momento afirmei que o Santos foi o time que mais contribuiu para a conquista da Taça Jules Rimet. Ao que fui agressivamente contestado pelo companheiro Márcio Guedes, que participava do programa do estúdio no Rio de Janeiro.

Acho que expliquei que, somados titulares e reservas, o Santos teve mais jogadores nas três Copas que deram ao País a posse definitiva da Taça. Foram três jogadores em 1958 (Pelé, Zito e Pepe), sete em 1962 (Pelé, Zito, Pepe, Gylmar, Mauro, Mengálvio e Coutinho) e cinco em 1970 (Pelé, Clodoaldo, Carlos Alberto, Joel e Edu), completando 15. Nenhum outro time cedeu tantos jogadores. O segundo é o Botafogo, com nove, ou seis a menos.

Ouvia os convidados do Rio pelo “ponto”, aquele aparelhinho que a gente põe no ouvido. Se mais de uma pessoa fala ao mesmo tempo, você não consegue distinguir bem. Só sei que ouvi o Márcio dizer que reservas não valem, que os titulares é que jogam. Claro que concordo com essa afirmação. Percebi que ele deve ter entendido que eu disse que o Santos teve mais reservas. Se eu disse isso, me embananei, pois queria dizer que o Santos teve mais jogadores somando-se titulares e reservas.

Como o Márcio Guedes deve ter uns 413 anos de crônica esportiva e como reagiu de maneira tão confiante e até um tanto brusca, preferi não estender a discussão, até porque não há como comparar os resultados do Santos de Pelé e do Botafogo de Garrincha, por mais boa vontade que se tenha. Um foi seis vezes campeão brasileiro, duas vezes da Libertadores e duas Mundial; o outro só ganhou um brasileiro, o da Taça Brasil de 1968, direito que defendi galhardamente no Dossiê da Unificação.

Santos também teve mais titulares na Jules Rimet

A vida é um constante aprendizado e não tenho nenhum problema de aprender uma nova lição a cada dia. Assim, humildemente, ao chegar em casa, fui consultar meus livros para checar a informação que Márcio Guedes anunciou com tanta certeza. Confira junto comigo, caro leitor e cara leitora:

Copa de 1958 – O Santos colaborou com os titulares Pelé e Zito; enquanto o Botafogo cedeu Garrincha, Didi e Nilton Santos. O Santos ainda teve um reserva, Pepe, enquanto o alvinegro carioca não teve nenhum reserva.
Detalhes – Em 1958, Zagalo do Flamengo, assim como Gylmar ainda era do Corinthians e Mauro do São Paulo.

Copa de 1962 – O Alvinegro Praiano teve quatro titulares: Pelé, Gylmar, Mauro e Zito. O Botafogo, outros quatro: Nilton Santos, Didi, Garrincha e Zagalo. Entre os reservas ainda havia três santistas: Mengálvio, Coutinho e Pepe. O Botafogo tinha um reserva: Amarildo.
Detalhes – Pelé se machucou no segundo jogo e foi substituído pelo botafoguense Amarildo. Coutinho e Pepe foram inscritos na Copa como titulares, mas, devido a contusões nos últimos jogos preparatórios, Coutinho foi substituído pelo palmeirense Vavá e Pepe pelo botafoguense Zagalo.

Copa de 1970 – O Santos teve três titulares no México: Pelé, Clodoaldo e Carlos Alberto Torres. E ainda mais dois reservas: Joel Camargo e Edu. O Botafogo só teve Jairzinho como titular. Roberto e Paulo Cezar Lima, ou “Caju”, foram reservas.
Detalhes – Gérson foi inscrito na Copa como jogador do São Paulo. Nas Eliminatórias, quando o time foi denominado “As Feras do Saldanha”, por ser dirigido pelo jornalista João Saldanha, o Brasil fez todos os jogos com seis titulares do Santos: Carlos Alberto, Djalma Dias, Joel, Rildo, Pelé e Edu.

Portanto, em que pese a ênfase dada pelo companheiro Márcio Guedes, a realidade é que além de ter mais jogadores nas três Copas, somando-se titulares e reservas, o Santos também teve mais titulares do que o alvinegro carioca nas Copas que deram ao Brasil a Jules Rimet.

Mesmo que se divida a titularidade entre Pelé e Amarildo em 1962, o fato de ter dois titulares a mais em 1970 ainda daria ao Santos o mesmo número de titulares do que o Botafogo, com nove titulares nas três Copas. Isto sem contar os reservas, que proporcionam uma vantagem absoluta ao melhor time de todos os tempos. E ainda sem contr o time nas Eliminatórias de 1970.

E pra você, que time contribuiu mais para a conquista da Jules Rimet?


Há 47 anos o Santos se tornava o primeiro bicampeão mundial do futebol


O Santos para a final, sem Pelé, Calvet e Zito. O pênalti de Maldini em Almir.


Dalmo cobra o pênalti do título, o time dá a volta olímpica e, no vestiário, Pelé agradece a Almir.

Há 47 anos, em um sábado à noite, no Maracanã, o Santos se tornou o primeiro bicampeão mundial da história do futebol ao bater o Milan, campeão europeu, por 1 a 0. Dois dias antes, na virada mais importante e espetacular do futebol brasileiro, os santistas transformaram em 4 a 2 uma derrota parcial de 2 a 0 no primeiro tempo, devolvendo o mesmo marcador com que haviam perdido em Milão.

Ainda sem os titulares Pelé, Calvet e Zito, que, machucados, já não tinham podido jogar na segunda partida, o Santos entrou em campo com Gylmar, Ismael, Mauro, Haroldo e Damo; Lima e Mengálvio; Dorval, Almir, Coutinho e Pepe.

Como dois dias antes, o Maracanã estava superlotado. Oficialmente, pagaram ingressos 120.421 pessoas, mas testemunhas afirmam que o estádio tinha cerca de 200 mil pessoas. Depois de perder a final da Copa de 1950, 13 anos antes, o maior estádio do mundo poderia ver o futebol brasileiro reinar naquela noite em que a classe santista seria substituída pela raça de onze guerreiros comandados por Almir Albuquerque.

Volte no tempo e acompanhe a decisão do Mundial Interclubes de 1963. Para contar como foi a partida, recorro a um capítulo do livro Na Raça!, que escrevi para a Editora Realejo e foi lançado em 2008.

Primeiro Tempo

A expectativa pela decisão do título Mundial Interclubes é enorme. Até o presidente do Brasil, João Goulart, não se nega a dar seu palpite para o jogo: 3 a 1 para o Santos é o seu prognóstico.

Um estrondo digno da era atômica – assim o jornal A Gazeta Esportiva descreve o barulho provocado pelos fogos de artifício e pelos gritos da torcida quando o Santos entra em campo.

Exatamente às 21 horas (de Brasília) Lodetti, o camisa oito do Milan, inicia a partida decisiva do Mundial Interclubes de 1963 tocando para Mazzola. O primeiro ataque do campeão europeu é perigoso. Mora penetra pela direita, passa por Dalmo e é combatido por Mengálvio, que joga para escanteio.

Aos cinco minutos, Dorval toca para Coutinho, que é cercado por Trapattoni. Ao tentar recuar para Ismael, o centroavante santista faz um passe curto que é interceptado por Amarildo. Este avança e ao tentar chutar a gol é prensado por Dalmo, que alivia o perigo.

Um minuto depois, Pepe cobra uma falta e a bola, rebatida por Balzarini, sobra para Almir. Ao tentar o chute, o atacante brasileiro acerta a cabeça do goleiro, que começa a sangrar (a partir daí Balzarini jogaria com a cabeça enfaixada, e seria substituído ao final do primeiro tempo). Maldini se revolta e vai pra cima de Almir, que ergue os braços, alegando inocência. Os italianos partem para a briga. Junto à linha de fundo, Pellagalli agride Coutinho. Mauro vem correndo e entra no bolo. Pela TV Record, o locutor Raul Tabajara diz: Vejam o clássico zagueiro santista, que dizem jogar com luvas de pelica, sair em defesa de seus companheiros. Repórteres e policiais invadem o campo e a área do Milan se transforma em um pandemônio. O ponta Mora vai ao chão, agredido não se sabe por quem.

Aos sete minutos, Maldini comete falta em Almir, mas, descontrolado, não gosta quando Juan Brozzi marca a inflação e o encara, dando-lhe uma peitada.

O Santos é mais ofensivo. Aos 18 minutos Coutinho tabela com Almir, a bola desvia em Trapattoni e sobra para Lima, na meia-direita, próximo à entrada da grande área. O santista atira rasteiro, Balzarini não pega e a bola passa raspando a trave.

O bicampeão sul-americano prossegue tentando o gol. Aos 27 minutos Coutinho recebe de Lima e passa na esquerda para Almir. Mesmo pressionado por Pellagalli, o atacante santista corre em direção à linha de fundo e chuta cruzado, obrigando Balzarini a uma defesa acrobática.

A defesa do Santos só assiste a partida, que se desenrola no campo do adversário. O Santos toca de pé em pé e o Milan se encolhe na defesa.

Aos 30 minutos, Lima centra para a área. A bola vai em direção de Almir. Trebbi escorrega ao tentar cortar o passe e o desesperado Maldini, quando busca chutar para a frente, acerta a cabeça de Almir, que cai rolando no gramado. Juan Brozzi marca pênalti, para revolta geral dos italianos, que o cercam, enfurecidos. Sobre o lance, Almir escreveu assim em seu livro “Eu e o futebol”: Lima fez um cruzamento alto. Eu estava mais ou menos ali pela marca do pênalti. Ia chegar um pouco atrasado na bola, mas tinha de tentar, tinha de acreditar em mim. Vi quando Maldini, desesperado, levantou o pé, tentando cortar o lançamento. Eu tinha de dar tudo ali naquele lance: meter a cabeça para levar um pontapé de Maldini, correr o risco de uma contusão grave, ficar cego, até mesmo morrer, porque o italiano vinha com vontade. Agora era ele ou eu. Meti a cabeça, Maldini enfiou o pé, eu rolei de dor pelo chão. O argentino não conversou: pênalti.

O jogo fica interrompido por cerca de quatro minutos. Os italianos protestam, tiram a bola da marca do pênalti. Maldini, que segundo Almir, parecia “enlouquecido”, ofende o árbitro e tenta agredi-lo, sendo expulso. Revoltado, o capitão do Milan só abandona o gramado com a intervenção dos policiais, com os quais discute também. Outros jogadores do Milan ameaçam abandonar o campo. A torcida vaia os italianos.

O campo é invadido por repórteres, fotógrafos e policiais. Os italianos tinham tentado impedir que repórteres e fotógrafos acompanhassem o jogo de dentro do campo, mas o vice-presidente do Santos, Modesto Roma, disse que no Brasil mandavam os brasileiros. Nossa imprensa sempre teve toda a liberdade para trabalhar e não vamos tirá-la agora, disse o dirigente santista em uma reunião anterior com dirigentes do Milan e representantes da Confederação Sul-americana, realizada no Hotel Glória.

Em meio ao tumulto, Dalmo se aproxima de Pepe, diz que está confiante e pede para cobrar o pênalti. Pepe, que seria o cobrador natural, percebe que o companheiro realmente está decidido e cede ao lateral aquele que seria o seu maior momento na história do futebol.

Gol do Santos. 1 a 0. Dalmo

Aos 34 minutos, o lateral-esquerdo Dalmo aproxima-se da bola para cobrar a penalidade, mas interrompe o movimento do chute ao perceber que Balzarini adiantou-se tanto a ponto de pisar quase na risca da pequena área. O árbitro admoesta o arqueiro italiano e pede que ele volte à sua posição inicial. Novo apito e desta vez Dalmo bate de pé direito, rasteiro, no canto esquerdo. O goleiro pula no canto certo e quase chega a tocar na bola, mas esta morre no fundo do gol.

Depois, Dalmo descreveria os momentos que antecederam o gol: Era um barulho ensurdecedor, aquele povo todo gritando. Houve um desentendimento. Quando eu ia bater, dava a paradinha, (sou o inventor da paradinha), e o goleiro se adiantava. O árbitro mandou que eu não fizesse a paradinha e que o goleiro não se adiantasse. Fui frio e calculista, pois estava acostumado a cobrar pênaltis nos outros clubes em que joguei. Quando corri para a bola, o estádio silenciou. Mas já estava decidido. Bati no canto esquerdo do goleiro, rasteiro e fiz o gol.

O Alvinegro Praiano se anima com a vantagem e continua melhor do que o Milan, que parece atordoado. Aos 40 minutos o Santos tem um gol anulado. Em casa, assistindo pela TV Record, percebo que ao saltarem para tentar aproveitar um cruzamento na área italiana, Mengálvio e Coutinho fazem falta no goleiro. A bola sobra para Coutinho, que chuta para as redes, mas o gol é invalidado e os santistas não reclamam.

Aos 43 minutos, Balzarini cai no gramado e pede atendimento médico. O sangue escorre por seu rosto. Sem condição para continuar, o goleiro é substituído pelo reserva Barlucci.

Um gesto de elegância em meio ao clima hostil da partida: aos 46 minutos Dalmo joga a bola pela lateral para que Fortunato, caído, seja atendido.

Oito minutos além do tempo regulamentar, Amarildo dá uma entrada forte em Ismael, que parte para cima do atacante do Milan e lhe desfere uma cabeçada. Amarildo cai, exagerando, e Juan Brozzi expulsa o jogador do Santos. Profundamente arrependido, Ismael sai de campo acompanhado por Coutinho e, aos prantos, é recebido pelo massagista Macedo, que o acompanha até o túnel.

Juan Brozzi dá onze minutos de descontos. Ao final do primeiro tempo, os milaneses saem de campo vaiados, enquanto os santistas são aplaudidos.

Segundo Tempo

Às 22h45m Coutinho dá a saída.

O clima é tenso os jogadores pegam pesado. Almir é o primeiro a ir ao chão. Antes de se completar três minutos de jogo, Haroldo dá uma entrada violenta em Amarildo.

Aos sete minutos, Almir dá um belo drible em Trapattoni e segue em direção à área italiana. Já batido, o zagueiro italiano apela e derruba acintosamente o brasileiro, merecendo apenas uma bronca do árbitro.

Aos 10 minutos percebe-se que o Milan, mesmo sem criar lances de perigo, está jogando melhor. Dalmo e Haroldo erram passes e quebram a evolução do time, que não consegue atacar.

Mas o Santos se reapruma e aos 14 minutos Almir tenta escapar pela direita e sofre falta de Trapatoni. Pepe cobra, a bola passa pela barreira, mas Barlucci agarra firme, quando Haroldo já estava pronto para aproveitar um possível rebote.

Aos 20 minutos o Santos tem uma chance de ouro de ampliar o marcador. Após receber excelente passe de Haroldo, Lima surge livre na frente de Barlucci. Mas o meia santista demora muito para atirar e, quando o faz, o goleiro, que já fechou o ângulo, salta para espalmar para escanteio, numa grande defesa.

Na seqüência da jogada, Pepe cobra o escanteio e Coutinho cabeceia, encobrindo Barlucci. A bola vai entrando, mas Benitez consegue salvar.

Aos 24 minutos Almir corre e evita a saída de bola pela linha de fundo. Trapattoni vem marcá-lo e o atacante brasileiro usa o corpo para proteger a bola. Sem ter como desarmar o santista, Trapattoni o derruba, cometendo falta.

A 15 minutos para terminar a partida, o Santos segue sem dar oportunidades ao campeão europeu. Com a expulsão de Ismael, o ponta Dorval recuou para a lateral-direita e conseguiu anular Fortunato, o bom atacante do Milan.

A primeira grande oportunidade do Milan surge aos 32 minutos, quando Fortunato passa por Haroldo e cruza para a direita. Mora vem na corrida, domina a bola e penetra livre. Na hora de concluir, entretanto, entorta o chute e a bola sai à esquerda da meta de Gilmar.

As coisas começam a se complicar para o Santos com as contusões de Almir e Pepe (à época só eram permitidas substituições de goleiros). O substituto de Pelé, de tanto correr e levar pancadas, sente uma contusão na coxa direita e passa a jogar com uma cinta elástica, deslocando-se para a extrema direita. Minutos depois, Almir cai e em seguida aparece com duas cintas, uma em cada coxa. Pepe também manquitola e é atendido pelo massagista Macedo. O Santos está em frangalhos e o Milan vem para cima.

Aos 37 minutos Mazzola perde ótima oportunidade para empatar. Após receber de Amarildo, na posição de meia-esquerda, ele avança livre e chuta, mas a bola sai.

Mesmo sem poder andar direito, Almir continua lutando como um leão. Aos 43 minutos ele acerta bom passe em profundidade para Pepe, que sofre falta de Pellagali na entrada da área. O mesmo Pepe cobra a falta e obriga Barlucci a grande defesa, jogando a bola para escanteio.

O final da partida é de pressão total do Milan. Aos 44 minutos Mora avança pela direita, passa por Dalmo e cruza rasteiro para Amarildo. Mas Gilmar se antecipa e agarra firme.

A impressão que se tem é que se o Milan empatar, o estropiado Santos não terá forças para buscar a vitória e o título na prorrogação. Os italianos ainda estão inteiros, enquanto os santistas capengam pelo campo, tentando suportar de todas as formas a pressão do adversário.

Quando Juan Brozzi apita, assinalando o final da partida, os jogadores do Milan saem correndo do campo em direção aos vestiários, sem cumprimentar os santistas ou dar entrevistas aos repórteres, o que era usual à época. Percebia-se, entretanto, que protestavam contra a atuação do árbitro. Na verdade, durante todo o jogo tinham sido insuflados contra a arbitragem pelo seu técnico, o argentino Luiz Carniglia. Dos vestiários, foram direto para o Aeroporto Internacional do Galeão.

Os jogadores do Santos, por sua vez, recebem o apito final do árbitro com alívio e alegria. Pulam, carregam Almir nos braços, enquanto Ismael, que voltou a campo ainda de calção, mas sem meias, chora copiosamente. Lima, Coutinho e Haroldo caminham aos saltos. Organiza-se uma volta olímpica. O Santos parece um exército Brancaleone. Alguns jogadores mancam, outros estão semchuteiras. Todos erguem as mãos para o público, agradecendo o comovente apoio nos dois jogos.

O capitão Mauro Ramos de Oliveira é convocado para subir à tribuna de honra e receber a taça de campeão mundial interclubes das mãos de Raul Colombo, presidente da Confederação Sul-americana de Futebol. O estádio rompe em aplausos. Em menos de um ano e meio o elegante zagueiro santista erguia duas taças de campeão do mundo (a primeira pela Seleção Brasileira, no Chile, em 17 de junho de 1962).

Almir Albuquerque, o Almir Pernambuquinho, descreveu esse momento em seu livro: Eu ouvia o público gritar meu nome num coro que tomava o Maracanã de ponta a ponta: – Al-mir! Al-mir! Àquela altura eu não tinha condições de fazer a volta olímpica, com os demais jogadores. Estava no bagaço, de tão massacrado. Dei muita pancada, mas também apanhei demais. Saí do campo capengando, me arrastando, não agüentava de tanto cansaço. Fiquei um tempão na banheira térmica do vestiário… Nós estávamos hospedados na concentração do próprio Maracanã. Várias vezes os jogadores tiveram de chegar à janela para acenar à multidão, ali em frente à rampa das arquibancadas. O povo dançava acompanhando a marcação do surdo com um coco que alternava duas palavaras: – Al-mir! Bicampeão! Al-mir! Bicampeão! Quase arrastado por seu Moran, cheguei á janela: houve um delírio ali diante do lugar onde o Santos mandou colocar uma placa à homenagem à torcida carioca. Eu tinha me comportado como um marginal? Para o povo, ali, e para a imprensa, no dia seguinte, eu era um herói. Eu, Almir Morais Albuquerque, apenas havia aplicado o que o futebol me ensinou.

A placa foi mesmo encomendada pela diretoria santista e colocada na entrada das arquibancadas do Maracanã. Ela dizia: Às palmas dos cariocas, o coração do Santos Football Club. Os cariocas elegaram o triunfo santista como uma vitória deles também, uma vitória do Brasil. Há três anos a capital da nação havia se mudado para Brasília, mas a verdade é que o Rio de Janeiro ainda se sentia o coração do País. A vitória do Santos era a vitória da raça brasileira. A imprensa nacional se colocou ao Santos do Santos cem por cento. O time se sentiu amparado por ela nas 72 horas martirizantes que decidiram o Mundial de 1963.

O mais inflamado de todos era o locutor da Rádio Globo Valdir Amaral. Ele, que dramatizou ainda mais os últimos minutos de jogo com seu bordão “o relóóógio maarcaaa” agora discursava apoteoticamente, num som metálico que reverberava entre a multidão que abandonava o Maracanã com a alma lavada: Esse maravilhoso Santos deu ao Brasil, a mim, a você, senhor, ao País, a glória imensa de ser bicampeão do mundo! Transcendemos como nação!.

Naquela noite o Santos e a imprensa carioca fizeram o brasileiro acreditar que vivia no maior país do mundo: o maior estádio, o maior futebol, Pelé, o Carnaval, Copacabana… O milagre do futebol se espalhou pelas pessoas. O Santos não pertencia mais a ele mesmo.

Veja agora um vídeo sobre as finais do Mundial de 1963. Há mais cenas do jogo na Itália, em Milão, em que o Milan venceu por 4 a 2 e Amarildo disse que era melhor do que Pelé. No final do filme vê-se o pênalti cobrado por Dalmo. Repare que é como o milésimo de Pelé: de chapa, rasteiro e no canto esquerdo do goleiro.

O que você sabia deste Mundial de 1963? Tem alguma lembrança?


Hoje faz 47 anos que o maior jogo do mundo foi realizado

Quase perdi o maior jogo já disputado no Brasil. Como estudava pela manhã, estava dormindo quando meu pai me chamou: “Não vai ser seu time?!”. Estranho o seu Moacyr, que não ligava pra futebol (e talvez por isso se dissesse são-paulino), me despertar para assistir a uma partida do Santos. Acordei, sonolento, e fui para o sofá da sala. A imagem, linda, mesmo em branco e preto, vinha do Maracanã. Já batiam bola o Santos de Pelé e o Botafogo de Garrincha, que naquela partida, em 2 de abril de 1963, decidiriam a Taça Brasil, válida pelo título brasileiro de 1962.

Era o único acordado em casa e parecia ser o único vivo no mundo. O silencia chegava cedo naqueles lados ainda ermos da Cidade Dutra. Só a voz do locutor e a luz azulada da tevê povoavam a sala. Havia algo de mágico naquilo tudo e hoje eu sei que não era só uma impressão. Eu estava prestes a apreciar jogadores inigualáveis de uma geração iluminada, como se jogassem só pra mim..

Imagine, em uma mesma partida, os bicampeões mundiais Garrincha, Pelé, Nilton Santos, Zito, Zagallo, Gylmar, Mauro, Amarildo, todos titulares na Copa do Chile, além dos reservas Mengálvio, Coutinho e Pepe. Lá ainda estavam jogadores que seriam titulares na Copa seguinte, a de 1966, casos de Manga, Rildo e Lima. Para completar, outros craques notáveis que só não se firmaram na Seleção pelo excesso de concorrentes naqueles tempos de ouro do nosso futebol, casos de Quarentinha, Calvet e Dorval.

Anos depois, a pedido do amigo Roberto Avallone, fiz uma musiquinha falando daquela noite e só me lembro dos versos: “A bola era branca, branca como o Santos, e o Santos e a bola se davam tão bem… Me fazia acordar na noite para ve-lo jogar. Me fazia acordar na noite para continuar a sonhar”.

Sim, foi como um sonho, pois naquele jogo que nunca mais se repetirá, entre duas equipes que reuniam quase 80% dos titulares da Seleção Brasileira bicampeã do mundo, o Santos realizou uma das partidas mais deslumbrantes de sua história, e ganhou por esplêndidos 5 a 0.

No primeiro tempo os gols foram de Dorval aos 24 e Pepe aos 39 minutos. Na segunda etapa, Coutinho aos 9 e Pelé aos 30 e 35 minutos completaram o marcador. Sem ter outra forma de reagir, e mostrando uma elegância que só era possível durante o curto reinado do futebol-arte, o público de 70.324 pagantes aplaudiu os santistas.

A imprensa carioca se rendeu àquele que, com aquela vitória incontestável, confirmava sua condição de campeão mundial. O jornalista Ney Bianchi, que viria a se tornar o único a conquistar três vezes o Prêmio Esso de Informação Esportiva, batizou aquele confronto de “O maior jogo do mundo” e o definiu assim na matéria de capa da revista Fatos& Fotos, uma das mais lidas do País:

O Maracanã ainda não tinha visto tamanha exibição de futebol-arte até quando, terça-feira, o Santos provou ser o maior time do mundo, aniquilando, por 5×0, o Botafogo, com Pelé abusando da condição de gênio. Houve de tudo. Principalmente: 1. O Botafogo, glorioso dias antes, passando ao papel de vítima; 2. A estratégia de Lula anulando a de Marinho, que retirou Zagallo, afastou Nilton Santos da área e abandonou Garrincha; 3. cada um dos gols sendo uma obra-prima; 4. Manga devorando um “frango” servido por Pepe; 5. A torcida (caso único na América do Sul) esquecendo a partida para aplaudir o melhor; 6. O Botafogo, que costuma ferir com “olé”, com “olé” sendo ferido. É preciso repetir que jamais o Maracanã viu espetáculo igual. Foi tão perfeita a exibição que, ao terminar, a partida pareceu a todos a mais curta da história do futebol.

Decisão da Taça Brasil de 1962

02/04/1963

Botafogo 0, Santos 5, Maracanã, Rio de Janeiro

Botafogo: Manga, Rildo (Joel), Zé Maria, Nilton Santos (Jadir) e Ivan; Ayrton e Édison; Garrincha, Quarentinha, Amarildo e Zagallo. Técnico: Marinho Rodrigues.

Santos: Gilmar, Lima, Mauro, Calvet e Dalmo; Zito e Mengálvio; Dorval, Coutinho (Tite), Pelé e Pepe. Técnico: Lula.

Gols: Dorval aos 24 e Pepe aos 39 minutos do primeiro tempo; Coutinho aos 9, Pelé aos 30 e aos 35 minutos do segundo tempo.

Árbitro: Eunápio de Queiroz.

Público: 70.324.

Como campeão da Taça Brasil, o Santos se classificou para a Taça Libertadores da América de 1963. Porém, como foi campeão da Libertadores em 1962 e com isso garantiu vaga na edição seguinte, o Botafogo, vice-campeão da Taça Brasil de 1962, ganhou o direito de ser o segundo representante brasileiro na Libertadores de 1963 (que também seria vencida pelo santos, depois de derrotar o Botafogo, na semifinal, novamente no Maracanã, por 4 as 0).

Neste post trago as imagens históricas da cobertura deste jogo pela concorrida revista Fatos & Fotos. O consagrado jornalista Ney Bianchi atuava na imprensa carioca. Portanto, não tinha qualquer interesse em enaltecer uma equipe de São Paulo. Seu texto está livre do bairrismo e do passionalismo que tanto turvam as opiniões dos cronistas de hoje.

E você, querido leitor e leitora, acha que ainda veremos um jogo como este Botafogo e Santos, decidindo a Taça Brasil de 1962, ou aqueles tempos nunca mais voltarão?


© 2017 Blog do Odir Cunha

Theme by Anders NorenUp ↑