Blog do Odir Cunha

O ombudsman do Santos FC

film izle

Tag: América do México (page 1 of 2)

Uma homenagem aos heróis de Querétaro

Esses rapazes do Santos merecem uma homenagem pela garra e o talento que têm demonstrado em duas difíceis competições. Desacreditados no início do ano, já são finalistas no Campeonato Paulista e ontem conseguiram uma classificação heróica para as quartas-de-final da Libertadores.

Para eles e para você, amigo santista, ofereço esta inspirada reportagem do repórter Régis Rösing, do Esporte Espetacular, da TV Globo – um dos programas esportivos mais bem feitos da tevê brasileira. Veja que beleza de matéria:

http://youtu.be/XcAlAyhIoRY

E você, o que tem pra dizer aos bravos jogadores do Santos que estão voltando da Batalha de Querétaro com a classificação na bagagem?


Muricy esquece vantagem e prepara o Santos para vencer


Prepare-se para entrar em campo. Aqui o Santos e você jogarão hoje à noite pela Libertadores.

Apesar do cansaço, das dificuldades com a viagem e da ausência de Elano, o técnico Muricy Ramalho disse que não colocará o Santos na defesa, para segurar o empate. Muricy, que iniciou sua carreira de técnico justamente no México, em 1993, treinando o Puebla – com quem foi campeão, antes de ser auxiliar técnico de Telê Santana, no São Paulo – disse à imprensa local que o Santos buscará a vitória:

“Tenemos una final el domingo, pero para nosotros la otra Final es hoy contra el América. Venimos para buscar la calificación. Si se empata está bien, porque estaríamos clasificados, pero nosotros no venimos para empatar, venimos para jugar al futbol como tiene que jugar un equipo, o sea, tener la pelota, marcar bien al América y salir a jugar bien con la pelota”.

A confiança de Muricy parece ter surpreendido parte da imprensa mexicana, que esperava um discurso tradicional, elogiando o adversário, falando da dificuldade da parrtida etc. Mas Muricy parece mais preocupado em não baixar a confiança dos seus jogadores.

Já se sabe que o América deverá ser bem ofensivo, com até quatro atacantes. O mexicano Ángel Reyna, artilheiro da liga mexicana, terá como companheiros de ataque o uruguaio Vicente Sánchez, o argentino Vicente Vuoso e o brasileño Rosinei, ex-Corinthians, que já está pensando em se naturalizar mexicano para jogar a Copa pelo país estrangeiro.

Experiente, Muricy sabe que o Santos não poderá apenas se defender, pois isso tornará mais provável os gols do adversário e a desclassificação do Alvinegro Praiano. Se jogar de igual para igual, como se não tivesse nenhuma vantagem, terá grandes possibilidades de também fazer ao menos um gol, o que obrigaria o adversário a marcar três para se classificar.

A possibilidade de se adotar novamente o sistema com três zagueiros não está descartada, mas dependerá do desenvolvimento do jogo. Se o time estiver se saindo bem com o sistema 4-4-2, não haverá motivo para qualquer alteração tática.

Defesa, o ponto fraco do América

Se depender das estatísticas, o time mexicano sofrerá ao menos um gol hoje. Pois em 17 partidas pelo campeonato mexicano, sofreu 28 gols, e em sete jogos na Libertadores, vazou mais sete. Isso dá 35 gols sofridos em 24 jogos, ou 1,45 gol por partida.

Surgiram também noticias, não confirmadas, de que o goleiro Guillermo Ochoa estava com a mão machucada. De qualquer forma, Ochoa é conhecido por sua dificuldade em defender bolas chutadas de longa distância. Que Danilo, Paulo Henrique Ganso e Jonathan não deixem de arriscar.

Pumas entregou para o América?

O conhecido site esportivo La afición.com traz uma acusação séria. O colunista Roberto Velázquez Bolio afirma que o América só derrotou o Pumas por 2 a 0, domingo, fora de casa, porque o adversário, que era líder do torneio clausura, amoleceu o jogo.

Segundo Roberto Bolio, o Pumas não queria jogar as quartas-de-final em Querétaro, onde sua torcida já teve problemas com a política e certamente teria novamente. Também preferia enfrentar o Monterrey do que voltar a jogar contra o América (só uma derrota por dois de diferença é que desclassificaria o América domingo, e ao sofrer o primeiro gol, o Pumas teria baixado a guarda).

Dificuldades planejadas por mexicanos?

Há muito percebi que aquela imagem simpática da torcida mexicana invadindo o Estádio Azteca para comemorar com Pelé & Cia a conquista da Jules Rimet, em 1970, não corresponde mais à realidade.

Futebol mais rico e mais estruturado do que o brasileiro, com uma Seleção que tem mais vencido do que perdido do Brasil nos últimos anos, muitos mexicanos não consideram mais seus jogadores e times inferiores aos brasileiros. Quem espera um clima amistoso neste confronto de hoje, se engana.

No Santos, há quem acredite que uma ordem superior do México é que impediu que o avião fretado – de uma companhia mexicana – embarcasse a equipe brasileira logo depois do jogo de sábado contra o São Paulo, como já estava acertado com antecedência.

Os santistas também estranharam o zelo das autoridades alfandegárias, que mesmo sabendo que se tratava de um time de futebol, que faria um jogo e depois retornaria imediatamente ao Brasil, fizeram questão de revistar um número excessivo de malas dos jogadores e de integrantes da comissão técnica, retardando ainda mais a chegada da delegação ao hotel de Querétaro, o que só ocorreu por volta das quatro horas da manhã de segunda-feira.

Jogos anteriores têm mostrado um policiamento extremamente omisso nos jogos pela Libertadores disputados no México. Objetos são jogados no campo e o risco de invasão existe. Isso é agravado pela impunidade que grassa na Conmebol, entidade que não passa de um escritório de negócios.

Estádio comporta 40 mil pessoas

Ao contrário do que informei no último post – baseado em um conhecido site internacional –, o estádio El Corregidora, utilizado no Mundial do México em 1986, não tem capacidade de apenas 34 mil pessoas, mas sim de 40 mil pessoas, conforme me corrigiram leitores deste blog.

A região também tem muitos torcedores do América, mas a pressão não deverá ser tanta quando no Estádio Azteca. Primeiro, porque os aficionados do América dão mais valor à liga nacional. E depois porque, infiltrado entre os americanos, haverá mexicanos que ainda admiram o futebol brasileiro e estarão no El Corregidora para ver Neymar, Ganso & Cia.

Times, arbitragem, horário

América: Guillermo Ochoa; Óscar Rojas, Valenzuela, Aquivaldo Mosquera, Diego Reyes; Daniel Montenegro, Rosinei, Vicente Sánchez, Pavel Pardo; Vicente Vuoso y Ángel Reyna. Técnico: Carlos Reynoso.

Santos: Rafael; Jonathan, Edú Dracena, Durval, Leo; Arouca, Danilo, Adriano, Paulo Henrique Ganso; Neymar y Ze Eduardo. Entrenador: Muricy Ramalho.

Arbitragem: Carlos Vera, auxiliado por Luis Alvarado e Marco Muzo, todos do Equador. O jogo poderá ser transmitido pelo Sportv, a partir das 22h45m (horário do Brasil). Por enquanto a tevê aberta está ignorando o Santos na Libertadores. Mas é só passar mais duas rodadas e não dará para fingir que não vê.

O que você achou da postura corajosa de Muricy, que não entrará com uma retranca para segurar o empate? Qual seu pressentimento para este jogo?


Prepare o coração. O América vem com todos os titulares


O estádio onde jogarão Santos e América e o mapa do México motrando Querétaro.

Assim como o técnico Muricy Ramalho, o chileno Carlos Reinoso, treinador do América, está dividido entre o campeonato local (clausura) e a Libertadores. E da mesma forma que Muricy, Reinoso dá prioridade à competição internacional. Assim, que o torcedor santista se prepare, pois uma verdadeira batalha – de garra, técnica, talento e estrategia – está marcada para hoje, às 22h45 (horário do Brasil), em Querétaro.

O técnico e o goleiro Guillermo Ochoa parecem ser os mais otimistas quanto à possibilidade de o América passar pelo Santos na Libertadores e também eliminar o Morelia pelas quartas de final da liga mexicana. Mas os torcedores do time não estão confiantes e, nos comentários no site oficial do clube, reclamam que Reinoso é defensivista e não consegue fazer o time jogar no ataque.

Os torcedores querem que o América sufoque o Santos, o que pode ser propício ao contra-ataque do Alvinegro Praiano, tática preferida por Muricy. E nunca é demais lembrar que apenas um gol dos santistas obrigará o adversário a fazer três gols para garantir a classificação, já que em caso de empate em saldo de gols, a vantagem será do time que marcou mais vezes fora de casa.

O mesmo time que venceu o Cerro, com o reforço de Neymar

Mesmo com o importante desfalque de Elano, que teve um edema na coxa direita e por isso será substituído por Adriano, o Santos terá um time forte. Na verdade, será a mesma equipe que derrotou o Cerro Porteño, em Assunção, com a substituição de Maikon Leite por Neymar.

Muricy descartou a possibilidade de iniciar a partida com três zagueiros, fazendo entrar Bruno Aguiar no lugar de Zé Eduardo, tática que deu super certo contra o São Paulo, no sábado. O Santos que começará o jogo será Rafael, Jonathan, Edu Dracena, Durval e Léo: Arouca, Adriano, Danilo e Paulo Henrique Ganso; Neymar e Zé Eduardo.

Entretanto, se Zé Eduardo voltar a tropeçar na bola, como tem feito nas últimas partidas, não é preciso ser adivinhão para prever que o esquema que deu um nó em Paulo César Carpeggiani será usado também contra o falante Reinoso.

Outra arma do Santos, desde que Neymar e Ganso fiquem muito marcados, é permitir as avançadas de Danilo, que chuta bem de fora da área. Isso pode ser decisivo, pois o goleiro Ochoa é conhecido pela dificuldade com tiros de longa distância.

Por sua vez, o técnico do América também repetirá o time que venceu o Pumas no domingo, em um clássico local de grande rivalidade: Guillermo Ochoa, Oscar Rojas, Juan Carlos Valenzuela, Aquivaldo Mosquera, Israel Martínez, Diego Reyes, Adolfo Rosinei, Angel Reyna, Daniel Montenegro, Matías Vuoso y Vicente Sánchez.

A arbitragem será de um trio equatoriano: o árbitro Carlos Alfredo Vera Rodríguez será auxiliado por Luis Alvarado e Marco Muzo. Vera causou protestos da direção do Palmeiras em 2009, por sua atuação na partida que provocou a eliminação do time brasileiro pelo Nacional do Uruguai, em Montevidéu. Segundo os palmeirenses,Vera não teria dado dois pênaltis claros a favor do alviverde. O empate de 0 a 0 classificou o time uruguaio para as semifinais da Libertadores.

Viagem infernal teve escala em Acapulco

A delegação do Santos só chegou a Querétaro, a 200 quilômetros da Cidade do México, às três horas da madrugada de segunda-feira. Uma chuva torrencial impediu a aterrissagem na Cidade do México e o avião teve de fazer uma escala inesperada no balneário de Acapulco.

Só na noite de ontem é que os santistas puderam fazer o reconhecimento do gramado do estádio Corregidora de Querétaro, com capacidade de 34.130 pessoas.

Este estádio foi o escolhido para a partida porque o Azteca, na Cidade do México, onde o América manda os seus jogos na Libertadores, está sendo utilizado para três shows da banda de rock U2.

A troca acabou sendo benéfica ao Santos, pois além de o estádio ser parcialmente neutro, está situado a 400 metros abaixo da Cidade do México (são 1.800 metros em Querétaro, contra 2.200 da capital), o que deverá reduzir os efeitos provocados pela altitude nos santistas.

Minha previsão: será trabalhoso, mas o Santos passará.

Não tenho dúvidas de que será um jogo difícil e equilibrado. Porém, se o time mantiver a calma e a segurança que vem demonstrando desde que passou a ser dirigido por Muricy Ramalho, sairá do México com a classificação para as quartas-de-final.

O Santos poderá jogar com tranquilidade e manter o esquema tático mesmo que sofra o primeiro gol, pois bastará que empate para obrigar o América a fazer mais dois gols para obter a classificação.

Ou seja, a não ser que a defesa santista falhe demais, o que não acredito, o time terá a opção do contra-ataque o tempo todo, e é difícil acreditar que Neymar e Paulo Henrique Ganso passarão um jogo inteiro sem aproveitar essas oportunidades.

A TV e a impunidade na Conmebol

O jogo será transmitido pelo Sportv. A tevê aberta deve passar alguma coisa da secundária Copa do Brasil. Lamentavelmente, a TV Globo virará as costas para os dois maiores mercados patrocinadores que a sustentam, que é a cidade e o interior de São Paulo. Acho que tem gente batendo cabeça por lá.

No Rio, o STJD suspendeu os principais envolvidos na briga generalizada que ocorreu após o jogo Avaí e Botafogo, em Florianópolis, pela Copa do Brasil. Marquinhos (Avaí) pegou cinco jogos; Loco Abreu e Herrera (Botafogo) e Bruno (Avaí) pegaram quatro. Acho que foi até pouco, mas ao menos alguma satisfação foi dada.

Mas e quanto à agressão dos jogadores do Argentinos Juniors contra os do Fluminense, após a eliminação do time argentino na Libertadores? Vai ficar por isso mesmo? Não pode, não. Alô, senhor Nicolás Leoz, trabalhe um pouco, moralize a maior competição do continente.

Bem, isto é o que eu acho. E você? Que previsão faz para o jogão de hoje à noite entre Santos e América do México?


Elano por Adriano não é só uma rima. É a solução


Elano com a namorada Livia Stelmann e gráfico que mostra o músculo adutor, na virilha.

Elano está fora do jogo contra o América do México, em Querétaro, na noite de terça-feira. Ele mesmo avisou pelo twitter – @elano_blumer – que estava “triste por não ter condições de jogar na terça” e explicou que não viajaria com o grupo para ganhar dois dias para o tratamento.

Pela experiência e pela tão esperada bola parada, Elano é importante para o Santos. Porém, pelo que vem jogando e pelas exigências do jogo contra o América, talvez Adriano possa até se sair melhor.

Prestes a completar 30 anos – que fará no dia 14 de junho –, Elano não tem demonstrado a mesma forma física e a mesma precisão técnica dos primeiros jogos que fez pelo Santos nesta sua volta.

Por outro lado, Adriano, que no dia 29 deste mês fará 24 anos, é um jogador incansável, um marcador que se entrega ao trabalho com dedicação total. Com ele no time, ajudando Arouca na marcação, Danilo poderá se soltar um pouco mais e arriscar algumas investidas ao ataque, além de chutes de longe, como aconteceu na vitória heróica sobre o Cerro Porteño, em Assunção.

Há males que vêm para o bem

A má forma de Elano era visível e, mais cedo ou mais tarde, ele teria um problema físico um pouco mais grave, além do cansaço. O tempo de recuperação dessa distensão do músculo adutor depende da quantidade de fibras musculares que foram lesionadas. Pode demorar uma semana, ou duas, sendo que duas é o prazo mais provável.

Já tive esse tipo de distensão e sei que ela é enganosa. A dor some logo, com um ou dois dias, mas é só voltar antes do tempo e as fibras esgarçam de novo. E uma semana era pouco para a recuperação.

Acho que é o momento, também, de Elano colocar a cabeça no lugar e analisar que caminho quer tomar para a sua vida. É visível que seu rendimento piorou desde que começou o seu namoro com a atriz da TV Globo Nívea Stelmann, de 37 anos.

Não que namorar seja ruim, ao contrário, mas namorar publicamente enquanto ainda se mantém em uma relação com filhos, não deixa de ser constrangedor. Se é amor, beleza. Que siga sua vida. Mas se é só um caso, o que parece ser, esta exposição não é boa para ninguém.

Pior do que a exposição pública, é a cabeça e o corpo do jogador. Cabeça que fica dividida, já que Elano tem raízes religiosas e deve estar se sentindo terrivelmente culpado com a situação. E o corpo, porque essas idas e vindas ao Rio de Janeiro, essas noites mal dormidas, têm atrapalhado o seu treinamento e influindo no seu rendimento físico.

Ficar fora desse jogo decisivo do Santos pode ser positivo para que Elano coloque a cabeça no lugar, analise o que é realmente prioritário em sua vida, e a partir daí siga um caminho que lhe faça feliz e também faça feliz as pessoas que ama.

Não sou puritano e sei que amores e casamentos acabam, assim como paixões podem gerar relações sinceras e duradouras. Como santista e admirador de Elano, de quem tenho a melhor imagem como pessoa e atleta, quero vê-lo feliz e despreocupado, como chegou ao Santos.

Que decida logo a sua vida e se dedique – de corpo e alma – ao time que o acolheu com respeito e carinho. Paixões passam, Elano, mas o Santos é um amor eterno!

Você acha que o Santos sentirá muita falta de Elano contra o América do México, ou o valente Adriano dará conta do recado?


Santos na final. Sem sustos e sem desgaste

O técnico Muricy Ramalho fez bem de usar seus titulares na semifinal do Campeonato Paulista contra o São Paulo. Depois de um primeiro tempo equilibrado, Neymar, Ganso e Elano decidiram o jogo no segundo tempo. 2 a 0 foi um placar justo, que exprimiu bem a diferença de categoria entre os times e também a diferença entre os técnicos.

Enquanto Muricy voltou para o segundo tempo com Bruno Aguiar no lugar de Zé Eduardo, adotando a formação com três zagueiros, que brecou as investidas do adversário e fez Dagoberto, o melhor do primeiro tempo, buscar jogo no meio-campo, Paulo César Carpeggiani tirou os jovens Casemiro e Marlos para colocar Fernandão e Rivaldo, facilitando as coisas para a retaguarda santista.

Enquanto o São Paulo pouco produziu com o seu manjado jogo de chuveirinho, Ganso teve espaço para lançar Neymar e, com esta fórmula simples, o Santos matou o jogo.

Primeiro tempo: Santos começou melhor, mas São Paulo cresceu

Uma bobeada na saída de bola do São Paulo e quase o Santos abre o marcador logo aos dois minutos de jogo. Neymar roubou de Alex Silva e acertou a trave. No início, a impressão que se tinha é que o gol do santos não tardaria a acontecer.

Não que o São Paulo não atacasse – como em uma jogada em que Danilo foi cercado por três, perdeu a bola e o adversário conseguiu um escanteio –, mas o Santos dava a impressão de estar mais calmo, mais consciente, apenas esperando o momento para dar o bote.

E as oportunidades começaram a surgir, como em uma falta que Elano chutou no pé de um são-paulino (novamente Elano não foi bem em cobranças de falta) e em um bom contra-ataque que acabou quando Zé Eduardo, literalmente, pisou na bola, caiu sentado e a perdeu.

O ar de superioridade do Santos acabou quando Edu Dracena, sozinho, se atrapalhou diante de Dagoberto, tropeçou na bola, caiu sentado, e quase o São Paulo chegou ao gol.

Em seguida, ao tentar despachar para o meio, Jonathan jogou a bola em Dagoberto, que passou para trás e gerou um lance que só não se transformou em gol porque Rafael fez uma defesa heróica.

Então, o São Paulo viveu momentos de domínio. Dagoberto driblou da esquerda para o meio e chutou para outra boa defesa de Rafael. Em nova jogada, Jean surgiu livre à frente do gol e chutou por cima.

Antes de terminar o primeiro tempo, Danilo e Neymar tiveram chances de chutar a gol da meia-lua da área, mas o fizeram fraco e rasteiro. Ficou a impressão de que ambos estavam nervosos.

Quem esteve à vontade na primeira etapa foi Paulo Henrique Ganso e o incansável Léo. Zé Eduardo era o pior do time. Do jogo todo, o melhor era Dagoberto, que um dia, neste blog, eu sugeri uma troca por Keirrison e quase apanhei.

Na saída do campo, Léo disse que as coisas estavam complicadas para o seu lado, que o time estava sentindo o cansaço, mas que era só acertar o último passe, encaixar o contra-ataque, que o gol sairia.

Muricy volta com três zagueiros e dá um nó em Carpeggiani

O Santos voltou bem melhor no segundo tempo, devido, principalmente, a uma simples alteração de Muricy Ramalho: tirou Zé Eduardo, colocou um terceiro zagueiro (Bruno Aguiar) e a partir daí, ao mesmo tempo em que não deu mais espaços para o ataque do adversário, passou a criar oportunidades seguidas.

Depois de conseguir espaços com Neymar e Léo, pela direita, e Jonathan, pela esquerda, o Santos finalmente chegou ao gol aos 16 minutos. Neymar dominou na área e passou parta o Ganso, no canto esquerdo. Este, como se estivesse passeando no parque, virou-se calmamente, olhou para o lado oposto e colocou na cabeça de Elano, que, a exemplo do jogo na fase de classificação, marcou o primeiro do Sansão, de cabeça.

A partir daí, Paulo César Carpeggiani apelou para os veteranos: colocou Fernandão e Rivaldo e tirou Casemiro e Marlos. Sobrou ao São Paulo a opção de cruzar bolas altas para a área, nada mais.

A ordem de pressionar a saída de bola do Santos foi uma faca de dois gumes. Em um contra-ataque, aos 28 minutos, a bola caiu no pé dele, Ganso, e daí pareceu videogame: o passe preciso para Neymar, a avançada deste, que não foi fominha e depois de driblar Rogério Ceni, mas percebeu que estava sem ângulo, esperou pela entrada de Ganso e lhe empurrou a bola. O 10 da Vila bateu seco, rasteiro, entre Ceni e Alex Silva. Golaço!

No final, saiu Léo e entrou Alex Sandro; o São Paulo chegou a ter uma única boa chance, em cruzamento de Rivaldo e cabeçada de Fernandão, para fora; e Neymar perdeu um gol feito, ao penetrar livre, depois de outro passe genial de Ganso, e chutar por cima do gol.

Antes do final, Elano saiu machucado. Esticou ao jogar uma bola para escanteio e parece ter tido um estiramento muscular. Talvez seja a única baixa para o jogo contra o América, terça-feira. Com esta única exceção, entre mortos e feridos salvarem-se todos.

Um pouco cansado, mas feliz, e talvez com Adriano no lugar de Elano, o Santos jogará no México com a garantia de que já tem um título a disputar. Agora é pernas pro ar e esperar os resultados de domingo. Mais importante do que saber com quem jogará a final do Paulista, é torcer para o América vencer o Pumas e se classificar para as quartas de final do clausura mexicano, na quinta-feira. Se vencer, o América terá de poupar titulares contra o Santos, pois para o seu torcedor a prioridade é o campeonato local.

Bem, esta é apenas a minha opinião. E a sua? Manda ver…


Older posts

© 2017 Blog do Odir Cunha

Theme by Anders NorenUp ↑