O Santos fez um esforço tremendo e elogiável para manter Neymar no Brasil. Provavelmente tenha aberto mão de alguns milhões de euros em troca da popularidade que o ídolo trará. A ideia é de que os santistas se tornem a terceira torcida do Brasil. Isso é ótimo. Mas, como entender que um clube que está arriscando tanto em busca de visibilidade, cobre ingressos tão caros para um jogo noturno entre os seus reservas e o Ituano, no Anacleto Campanella?

Um leitor deste blog reclamou, com razão, das entradas a 30 e 50 reais para ver o jogo em São Caetano. Para ele, isso explica o fato de a partida ter somente dois mil espectadores – a maioria de torcidas organizadas que, provavelmente, ganharam esses ingressos da diretoria do clube.

Então, é claro que cabe a pergunta: será que, além de manter Neymar, o Santos não deveria ter planejado várias ações para aumentar sua visibilidade, e uma delas seria aumentar sua média de público?

Pense comigo, querido leitor e leitora: não seria melhor ter reduzido o preço do ingresso ao mínimo permitido pela Federação Paulista? De que valeu querer faturar mais e conseguir uma arrecadação bruta de apenas R$ 48.645,00? Um estádio menos vazio não teria produzido uma impressão mais agradável?

Há quem defenda que é melhor ter metade do público pagando o dobro do ingresso. Por exemplo: 10 mil pessoas pagando 30 reais cada uma geram os mesmos 300 mil reais obtidos com 20 mil pessoas pagando 15 reais cada. Sim, matematicamente está correto, mas do ponto de vista do marketing, não.

Com mais gente no estádio aumenta-se a possibilidade de se conquistar mais torcedores, o time e as marcas agregadas a ele são mais bem divulgadas, o jogo visto pela tevê fica mais empolgante – já que a torcida faz parte do espetáculo – e contribui para uma propaganda subliminar, pela mídia, da torcida do Santos.

Portanto, não tenho qualquer dúvida de que é mais eficiente, ainda mais para um clube que está apostando tanto na popularidade, atrair o máximo de pessoas em seus jogos, mesmo que tenha de baratear o preço do ingresso. Esta é uma das diferenças entre o que o Santos pratica e o que eu acho recomendável.

Ainda não consigo admitir preço de ingresso caro para o futebol. A não ser, é claro, que a procura seja intensa. Se o Santos estivesse jogando para estádios cheios a toda rodada, a lei da oferta e da procura trataria, naturalmente, de fazer com que o preço das entradas subisse. Mas não é o caso.

Talvez o errado seja eu, claro. Mas ainda acho que a propaganda mais eficaz para um time que precisa e quer aumentar sua torcida, é estádio cheio.

Você concorda, ou acha que estou viajando?