Sei que é preciso dar um desconto porque é o time reserva e está voltando de férias. Mesmo assim, acho que o Santos ficou devendo em sua estreia no Campeonato Paulista. Faltou mais vontade e determinação. Além de tranqüilidade, confiança, inteligência, habilidade… É, vendo bem, faltou muita coisa… No final, o empate em 1 a 1 com o XV de Piracicaba foi justo. O time da casa não merecia perder.

Não vi os números finais, mas tenho quase certeza de que o XV teve mais posse de bola que o Santos. Fico aqui imaginando quando será que o Santos voltará a controlar mais a bola do que o adversário – algo que foi sempre uma de suas características. Não encontro outra explicação para esse fenômeno a não ser uma grande dificuldade em acertar os passes e uma displicência nas divididas.

Um time que quer ganhar não faz frescuras. Tem hora que é preciso dar um bico pra frente e não tentar sair jogando. O jogo caminhava para o fim e Felipe Anderson quis dar um passe curto, entre jogadores do XV, e acabou propiciando a jogada que gerou o pênalti e o gol de empate de André Cunha, quase no final da partida. Para completar, Crystian fez um pênalti infantil.

Uma pena que Felipe Anderson esteja perdendo, por falta de vontade e inteligência, essa grande oportunidade de ser o substituto do Ganso. Sei que ele tem categoria, mas sua falta de garra e energia irrita os torcedores. Se não se coçar rápido, será outra promessa que não dará em nada. Por outro lado, mesmo mais limitado tecnicamente, Anderson Carvalho tem demonstrado uma atitude mais positiva – chegou até a construir uma bela jogada ofensiva – e é o garoto mais próximo de subir para os titulares.

O veterano Íbson foi um pouco melhor, mas acho que não adianta esperar muito mais dele. Em várias oportunidades em que podia enfiar uma bola, ou ir pra cima e tentar o chute, deu meia volta passou pra trás. Mais um jogo e um dos maiores salários do Santos continua sem dar uma assistência e nem fazer gol. Algo me diz que Íbson não sairá disso…

Gostei de Aranha. Não fosse sua boa atuação e o Santos teria perdido. No ataque, Tiago Alves continua correndo mais do que a bola; Alan Kardec, o autor do gol santista, continua correndo atrás da bola e Rentería continua esperando a bola chegar aos seus pés. Na defesa, Maranhão tem altos e baixos o jogo todo; Crystian teve mais baixos do que altos, assim como Vinícius Simon, que começou bem, mas foi se atrapalhando com o tempo. Bruno Rodrigo ao menos rebate para onde está virado.

Tudo bem que o XV está treinando desde novembro. Mas se você é um reserva do Santos e sabe que será utilizado nos jogos iniciais do Campeonato Paulista, o que você faria nas férias? Se cuidaria, se prepararia, pois não quer ser um reserva eterno, certo? Parece que nem todos os santistas pensam assim. No final, o time estava cansado, sem forças para sair da pressão do time catalão, ou melhor, do onze quinzista.

Muller comentava para a TV do XV?

Não entendi absolutamente nada da postura do comentarista Muller, do Sportv. O rapaz comentou todo o jogo do ângulo do XV de Piracicaba, como se estivesse a trabalho da TV do time de Piracicaba. Em todas as suas intervenções Muller se preocupou em dizer o que o XV deveria fazer para ganhar o jogo, que tática deveria utilizar, ou como seus jogadores deveriam atuar. Como Muller jogou no Santos em 1997 – período em que atuou tão bem que foi chamado novamente para a Seleção Brasileira – fiquei pensando se houve algum problema entre ele e o Alvinegro Praiano. O consolo é que Muller também é um reserva que está tapando o buraco deixado pelas férias do competente Maurício Noriega.

E você, o que achou do Santos em sua estréia no Paulistão?