Já que não tem um Neymar, Corinthians quer levar Jean Carlos Chera?

É muito grave e precisa ser investigada a fundo a notícia, publicada no Blog do Paulinho, do site Mídias sem Média, de que o Corinthians está tentando surrupiar dois jogadores da base do Santos, entre eles o craque Jean Carlos Chera.

Na matéria, Paulinho, o autor do blog, diz que recebeu um telefonema de um amigo jornalista dizendo que em uma mesa do bar Pirajá, na avenida Faria Lima, André Negão, das categorias de base do Corinthians, estaria negociando com Serginho Chulapa, observador técnico do Santos, a aquisição de dois juvenis do Alvinegro Praiano. De um nome a testemunha não recordava, mas o outro, com certeza, era Jean Carlos Chera.

Bem, amigos, esta acusação é gravíssima. Duvido que a diretoria de futebol, muito menos a presidência do Santos, saibam que suas jóias, preparadas com carinho para um dia brilhar no time de cima e manter tradição do Santos de revelar craques do futebol, estão sendo negociadas com o maior rival.

Recentemente fiz uma matéria com os futuros Meninos da Vila para a revista Personalité, ouvi os profissionais que trabalham com os garotos, entre eles Luiz Fernando Moraes, gerente das categorias de base do Santos, e posso afirmar que não há qualquer intenção do clube de se desfazer de seus garotos, principalmente dos de maior destaque.

Nem passa pela cabeça da direção do Santos perder Jean Carlos Chera, 15 anos (12/05/1995), que aos seis já era considerado um fenômeno na pequena Vera, cidade de 9.500 habitantes no Mato Grosso do Sul, que depois mudou-se para Campo Mourão, Paraná, e lá foi descoberto por Eduardo Jenner, que o trouxe aos nove anos, com seus pais, para morar em Santos, onde é cultivado como uma flor preciosa.

O Santos deu moradia à família de Jean Carlos, paga-lhe um salário – que Serginho teria revelado a André Negão tratar-se de 11 mil reais – e lhe tem proporcionado segurança e assistência para se tornar um profissional, o que deve acontecer daqui a dois anos.

Tentar tirá-lo no Santos agora é, no mínimo, extremamente anti-ético. Mesmo que o Corinthians esteja disposto a pagar os cerca de R$ 15 milhões avaliados por seu passe, Chera é patrimônio do Santos e a torcida já conta com ele para reforçar o time em 2012, ano do Centenário do clube.

Além do mais, Chera é santista de coração. No seu twitter chega a ironizar os corintianos. Há poucos minutos, ao saber desta história envolvendo o seu nome, postou: “O que posso dizer pra vocês é que isso TUDO É MENTIRA… Não vou sair do #SFC”.

Negão é ligado a Andrés Sanches

O que mais me espantou nessa história são os nomes dos envolvidos. André Negão, o André Luiz de Oliveira, nunca teve cargo de diretoria, mas tem acesso direto ao presidente corintiano Andrés Sanches. Por outro lado, Serginho Chulapa é considerado um dos grandes ídolos da história do Santos.

Para os santistas seria incrivelmente decepcionante constatar que Serginho, um artilheiro histórico do Peixe, negocia por baixo do pano a venda dos futuros ídolos do clube, e justamente para o maior rival. Seria uma quebra de confiança tremenda. É o tipo de história que não pode ser simplesmente esquecida. É preciso haver, no mínimo, uma conversa séria entre a diretoria e Serginho para passar isso a limpo.

No começo do ano fui a Santos almoçar com alguém da nova diretoria e esta pessoa me confidenciou que o quadro que encontraram nas categorias de base do Santos era terrível. Profissionais contratados pelo clube achacavam pais e faziam conluios com agentes para aprovar a entrada de jovens nas categorias de base. Havia quase uma tabela: passar na peneira custava no mínimo R$ 5 mil.

Por isso, para, segunda este diretor, eliminar os maus elementos, houve uma grande reformulação no setor e muitos foram demitidos. Esta notícia agora, de que o Corinthians tenta agir nos bastidores para tirar dois jogadores da base do Santos, mostra que talvez todo o mal ainda não tenha sido erradicado.

Para um clube que baseia a história do seu futebol nas revelações que vêm das categorias de base, esses infanto-juvenis devem ser preparados por profissionais tão ou mais qualificados dos que os que lidam com o time principal. E qualificados não só técnica, mas, principalmente, do ponto de vista moral.

É o tipo da história que não dá para fingir que não aconteceu, que é boato, que é melhor deixar pra lá etc… Por mais que possa vir a doer a confirmação de que um ídolo do Santos participa ou participou de negociatas que lesam o patrimônio do clube, isso tem de ser discutido e esclarecido.

Agora veja alguns gols de Jean carlos Chera, mais um menino-prodígio da Vila

E você, o que achou dessa história e qual deve ser o papel da diretoria do Santos diante desta grave acusação?