Em meados de 2010 fui com a Suzana para um evento do artista plástico Paulo Consentino em um shopping de Santos e nos monitores assistíamos a vários filmes com as brincadeiras de vestiário e as dancinhas daquele time alegre, talentoso e goleador que tinha Neymar, Ganso, Robinho, Wesley, André, Madson, Zé Eduardo, Pará, Arouca… Depois de olhar bem e se divertir com as cenas, a Suzana disse: “Agora talvez eles não percebam, mas algum dia saberão que nunca mais foram tão felizes”.

Lembrei-me disso ao ver um apagado Neymar contra a França. Será que será mais feliz no Barcelona do que foi naquele Santos de 2010? Duvido. Assim como duvido que Ganso se divirta mais com o futebol hoje, no São Paulo; ou Wesley no Palmeiras; ou Pará no Grêmio; ou André, Madson e Zé Eduardo onde quer que estejam. Todos contribuiam para aquela magia que se perdeu quando os artistas foram vendidos.

Os deuses tinham dado o bilhete premiado para o Santos mais uma vez, mas ele foi levado pelas lufadas da incompetência e da falta de visão que têm soprado na Vila Belmiro nos últimos anos. Agora querem que outros Meninos da Vila recuperem na marra o encanto que se perdeu. Faço votos, mas temo que a paciência divina um dia se esgote e o Alvinegro Praiano não consiga mais renascer das cinzas.

Reveja os tempos em que Neymar & Cia eram bem mais felizes:

Você acha que depois de 2010 eles foram tão felizes?