garotada - cet da base

Por Tana Blaze, direto da alemanha

Tinha escrito metade deste post quando o Modesto Roma se recusou publicamente a ratificar o contrato assinado pelo Odílio com a Leroy-Merlin. Recebi a notícia da recusa do Modesto com júbilo. Se prevalecer, o assunto estará bem encaminhado no Santos. Mesmo assim, o post poderá servir de apoio para a decisão do Modesto ou para convencer os que pensam de forma contrária e precaver contra recaídas.

Poucas horas antes das eleições do clube, o Santos FC havia assinado contrato com a empresa francesa trocando o CT de Base do Saboó pela construção de um CT novo na ÁREA CONTINENTAL DO MUNICÍPIO DE SANTOS. Mesmo não sendo divulgado o local exato, é certo que se localizaria do outro lado do Estuário ou até mesmo do Canal de Bertioga, entre Monte Cabrão até as bandas do Caruara. É improvável que construiriam o CT no Quilombo perto da Siderúrgica.

Mas um CT situado na Área Continental de Santos seria RUINOSO para o Santos, porque o que importa é o fácil acesso tanto para os garotos como para os seus pais, algo impossível na Área Continental de Santos.

1 – A presença da família na formação de atletas excepcionais

Ao ver o GABRIEL MEDINA saltar da prancha conquistando o título mundial de surfe, sua mãe Simone, vista dias antes da decisão no Hawaí apoiando o seu marmanjo na concentração da praia, botou a boca no mundo. Disse que o título vai mudar a história de famílias no Brasil, a conquista do mundial muito se deve à relação entre o esportista e seus familiares e com ele, essa coisa da família foi resgatada. Tem muita razão Dona Simone, porque se dependesse de federação, empresários, STJD, o Gabriel Medina possivelmente não teria chegado lá.

Muitos atletas considerados como melhores de todos os tempos, do tênis, do esqui e de outros esportes individuais têm um currículo de incentivo e tutela muito forte com os seus pais. Nos esportes coletivos, como o futebol, a importância da ligação com a família é similar, porem menos visível, devido ao fator equipe que pode ajudar a diminuir a solidão do atleta e porque muitos caroneiros reclamam para si a paternidade esportiva dos atletas bem sucedidos.

Justamente os três esportistas brasileiros que alcançaram maior projeção internacional, Eder Jofre, Ayrton Senna e o maior de todos, Pelé, tiveram algo em comum: a ligação intensa com a família. Idem o emergente Neymar.

Além da formação mental, EDER JOFRE aprendeu a técnica do esporte no seio da família, com o pai treinador e manager e mãe do clã de boxeadores Zumbano.

O AYRTON SENNA tinha uma enorme ligação com a sua família, incentivado pelo pai que construiu pessoalmente o seu primeiro kart, os pais o acompanhando nas corridas de kart e a família cuidando dos seus negócios. Pelo menos foi isto que saía na imprensa e que minha mãe, que conhecia a mãe do Ayrton e outra família do Tremembé, em contato muito próximo com os Senna, me contavam. O Ayrton vinha tomar aulas particulares de inglês com a minha mãe, quando começava a disputar a Formula Ford e Três na Europa, assim como outros membros do seu entourage nos anos seguintes. No dia em que a Adriane Galisteu pediu aulas, minha mãe declinou devido ao Parkinson que a acometia.

Digno de nota é que a família Medina conscientemente se espelhou no apoio que Ayrton Senna recebia da família, o que Gabriel Medina disse na entrevista à Globo em 01/04/2014, portanto oito meses antes de sagrar-se campeão. Inspirado em Senna, Medina defende liderança na segunda etapa do WCT… não se intimida com pressão e foge da solidão com o forte apoio da família.

Já contei que em 2006 no Hotel Mandarin Oriental em Munique conversei umas duas horas com o PELÉ. De repente a Marisa D?Amico da Octagon, pediu um Baileys, um licor na base de uísque com nata de leite. Explicada a composição desta bebida, o Pelé foi logo contando para todo mundo que a mãe dele, Dona Celeste, costumava preparar o ?meia de seda?, igualmente na base de leite e outras coisa que ela fazia. Não seria preciso esta historinha para lembrar que o Pelé teve uma ligação forte com os seus pais, citando-os frequentemente em entrevistas, sendo esta talvez a principal razão de Dona Celeste e Dondinho serem tão conhecidos. Alguém sabe de cor o nome dos pais do Fried, do Leônidas, do Zizinho, do Garrincha, do Zico, do Romário e do Ronaldo? Dona Celeste não quis que o seu menino fosse sozinho a Santos; Dondinho a convenceu com a promessa de ir logo atrás. A ligação forte com os seus pais deve ter sido importante para que no Dico emergisse a personalidade do Pelé. Lá no fim do mundo, no meio de gente desconhecida e na madrugada de uma Copa do Mundo, de repente o rei lembra da mãe.

Também o NEYMAR foi forjado na proximidade dos seus pais. Quando menor quase sempre aparecia nas entrevistas sentado num sofá entre eles. No dia em que já na equipe principal o jovem Neymar insultou o Dorival Junior, levou a maior chacoalhada que já se viu uma mãe dar a um jogador de futebol profissional. (De acordo com participantes da reunião que ocorreu na casa do atleta, reação de Nadine foi determinante para que o garoto caísse na real, Globo 17/09/2010). Deve ter sido a força da família que permitiu ao Neymar, mesmo perseguido por comentaristas esportivos, levando pancadas como ninguém e vaias organizadas inéditas no futebol mundial, como a do Morumbi e de Brasília, se tornar o melhor jogador do Brasil e que, como acaba de observar o Dunga ao nomeá-lo capitão da Seleção Brasileira, um que sabe trabalhar sob pressão. A importância da proximidade do CT para os pais é ilustrada pelo fato de que com o milhão de reais pagos pelo Marcelo Teixeira para que o Neymar não fosse ao Real Madrid em 2006, os pais do Neymar, então alojados num cômodo em São Vicente, compraram um apartamento pegado à Vila Belmiro, para ficar mais pertos do garoto. (IstoÉ 23 Jun.11)

2 – O erro do Odílio

Alguns pais aceitarão, mas outros não toparão ver os filhos trancados em alojamento distante da cidade, quererão buscá-los para passar à tardinha e a noite com a família, porventura até acompanhar os treinos.

A importância da proximidade do CT foi também exemplificada pelo pai do jogador do Santos GABRIEL. Além de santista, o pai Valdemir Silva, justificou a saída do garoto do São Paulo para o Santos, com o fato da esposa lá em São Paulo ter que acompanhar o filho, tomando três conduções de São Bernardo do Campo a Cotia e quando não dava para pagar a condução, tinha de pegar dinheiro emprestado de amigos, ao passo que em Santos tudo era perto.

O problema da localização do CT é relevante justamente para uma minoria de jovens que já com idade precoce mostra talento nitidamente acima da média, os potenciais novos raios. Portanto para o segmento que mais interessa. No caso destes raríssimos excepcionais, os pais tendem a migrar com os jovens, têm ofertas de muitos clubes e escolhem o pacote lhe convier melhor. Lembremos que com 14 anos de idade o Neymar já estava praticamente no Real Madrid, tendo sido registrado como jogador do Real na Federação Madrilenha em 30 de Março de 2006.

Os exemplos recentes do Neymar e do Gabriel transmitem uma mensagem muito clara. Mesmo que seja factível, não adiantará encher um CT na Área Continental de Santos com garotos, porque os pouquíssimos fora de série serão perdidos para outros CTs melhor localizados. O aspecto localização é particularmente importante no Brasil, tendo em vista os enfartes de transito e os riscos de segurança nas vias publicas.

Em sessenta anos caíram três raios em Santos. Se no próximo raio que estiver por vir, os respectivos pais quiserem morar perto do local de treinamento e o Santos apenas oferecer um local de treinamento distante das facilidades e comodidades urbanas, optarão pelo CT de um clube rival para morar pertinho do local de treino do filho, e o raio cairá fora da Baixada Santista. Lembremos apenas como exemplo, que existem bairros residenciais e condomínios a dois quilômetros do CT de Cotia do São Paulo e um ginásio publico a menos de quatro quilômetros.

Não apenas os pais. Os futuros garotos apreciarão também estarem na tardinha perto da orla, das escolas, das sorveterias, das meninas e dos cinemas.

3 – Financiamento de um terreno adequado na cidade

E se um terreno ideal para um CT no perímetro urbano de Santos, do Guarujá ou São Vicente custar alguns milhões, porque o Santos não:

1) se candidata para receber recursos pela Lei do Incentivo ao Esporte como auxílio
para financiar o CT. Aldo Rebelo informou que: O São Paulo, por exemplo, construiu boa parte do CT de Cotia com recursos desta Lei, Globo 19/05/2104, no artigo O Flamengo precisa de um estádio. Não por justiça, mas por necessidade, afirma Aldo Rebelo.

2) aplica à financiamento da Caixa Econômica Federal, que tem como missão financiar habitações? Porque não participaria do financiamento do CT do clube que deu ao mundo o maior esportista do Século XX e o maior futebolista do início Século XXI e que mais revela jogadores para o Campeonato Brasileiro?

3) arranja um investidor? Dando em troca, digamos, 5% sobre as receitas de venda de direitos econômicos dos jogadores formados no CT, a serem equacionados pelo tempo em que o jogador respectivo esteve no CT e com o devido cap (limite). Não feriria o regulamento da FIFA porque não haveria investimento nos direitos econômicos de cada jogador individualmente.

Existem bilhões, com B maiúsculo, de capital financeiro em Euros, Dólares vagabundeando na Europa e nos Estados Unidos à procura desesperada de investimento, as grandes companhias de seguro de vida que o digam. A escassez de projetos para investimento contribuiu para o nível de juros baixíssimos na Europa e nos Estados Unidos a ponto dos bancos estarem pensando em cobrar juros negativos (Com juros negativos na Europa, banco cobra por depósito Folha 18/10/14).

Em principio poucos investidores estrangeiros estariam dispostos a botar dinheiro num campeonato sujeito às viradas de mesa e dirigido por um truste, que não foi contratado por licitação e que distribui cotas de dinheiro televisivo e tempos de transmissão no direto ao vivo de forma arbitrária. Mas um CT para a base representa sempre uma exceção para um investidor, porque financiar a formação de jovens é fazer uma aplicação considerada ética. O Santos, até mesmo com a ajuda da Leroy-Merlin, poderia procurar um fundo de investimento ético para financiar a compra um terreno adequado.

4 – Um CT para a base distante da cidade seria um passo para a mediocridade

Já tivemos que engolir horrorizados o Laor DISPENSAR a proteção que o regulamento da FIFA dá a todos os clubes, autorizando o Sandro Rosell, cujas boas maneiras o impressionaram, a negociar com o Neymar antes de seis meses do vencimento do contrato, abrindo assim a porteira para o maior rombo da patrimonial da historia do Santos. Agora vimos não menos horrorizados o Odílio DISPENSAR o trunfo inigualável que são as comodidades e facilidades urbanas, o charme da aprazível cidade de Santos para os jovens e seus pais. Quis por os garotos lá no fim do mundo no meio dos manguezais e da Serra do Mar.

Seria profundamente ignorante não valorizar a importância dos pais na formação das mentes dos garotos fora de série e não considerar à importância que darão à proximidade dos seus filhos. Seria insano acreditar que um CT para a base com X mil metros quadrados com um método de treinamento do Barcelona seja por si só garantia de fabricação de craques.

É preciso reconhecer que os três raios caíram em Santos em decorrência do caráter aprazível da cidade, que atraiu jogadores e as suas famílias, como também havia atraído os amigos que o Waldemar de Brito gostava de visitar. Qualquer CT de base deve levar em conta os desejos e os caprichos dos garotos e dos seus pais.

O Santos se agigantou três vezes na sua história em 1956, 2002 e 2011, primordialmente em função dos três raios. Se não dispuser de CT para a base competitivo, o próximo raio dificilmente cairá em Santos e o clube ariscará a voltar a ser médio como foi antes de 1955, com poucas possibilidades de se agigantar novamente.

Se alguém tiver alguma dúvida sobre onde botar o CT para a base, que vá a Maresias e consulte Dona Simone.

E você, o que pensa das ponderações de Tana Blaze sobre o CT dos Meninos da Vila?