Cosme Damião, presidente de honra da Torcida Jovem do Santos

Vislumbrei Cosme Damião caminhando apressado para a área de concentração. Alcancei-o, dei-lhe um abraço e desejei sorte. O presidente de honra da Torcida Jovem me olhou meio assustado e, antes de seguir, voltou os olhos para o chão e exclamou: “Se você soubesse o que nós tivemos de fazer para colocar a escola na avenida”.

Duas horas depois vi Cosme, feliz como uma criança, desfilando com a Torcida Jovem, abrindo o desfile do Grupo de Acesso, ontem, no Sambódromo. Acho que ele estava contente porque, apesar de só ter conseguido metade da verba necessária para fazer um desfile campeão, que garantisse a Jovem no Grupo Especial do importante Carnaval paulista justo em 2012, ano do Centenário do Santos, e apesar de uma enchente ter destruído boa parte das fantasias e danificado os carros alegóricos, a Jovem saiu empolgante, com muita garra e samba no pé.

Confesso que me emocionei ao testemunhar a felicidade do Cosme velho de guerra, a entrega dos sambistas da Jovem e o apoio que seus companheiros, que vieram uniformizados, davam das arquibancadas. Era só amor, carinho, nenhum palavrão, nenhum sinal de animosidade. Enfim, o lado bom e puro de uma torcida organizada.

Há muitos anos não via as escolas do Grupo de Acesso, uma espécie de segunda divisão do Carnaval paulista. Como me surpreendi! Elas estão em um nível melhor do que as do Grupo Especial do meu tempo. Os sambas, as baterias, fantasias, carros alegóricos… Um espetáculo!

Gostei muito da Torcida Jovem. Creio que ela possa ter nota máxima em alguns quesitos, como bateria, samba-enredo, comissão de frente, mestre-sala e porta-bandeira, harmonia e enredo.

A briga por uma das vagas que dão acesso ao Grupo Especial em 2012 será renhida. Outras escolas fizeram grandes desfiles. Das que eu vi, destaco também a Imperador do Ipiranga e o Morro da Casa Verde, além da Camisa Verde e Branco e sua bateria incrível.

A relevância do Carnaval

Fui e levei a Suzana, minha mulher. Ela nunca tinha apreciado o desfile na avenida e ficou encantada. Trata-se, realmente, de um espetáculo completo, que envolve música, dança, figurino, enredo, cenário, interpretação, além de gerar uma interatividade mágica com o espectador.

É uma oportunidade única de se contar histórias, valorizar a cultura popular, criar momentos artísticos que ficarão para sempre no coração das pessoas. Por isso, considero de extrema importância o Santos ser representado por uma escola no Grupo Especial do Carnaval paulista.

A visibilidade que uma escola de samba pode gerar é muito valiosa. Se não der este ano, que seja feito um grande esforço para que a ascensão da Torcida Jovem seja conquistada no ano que vem, o ano do Centenário do clube.

A favor da Record e torcida no jogo com o Colo Colo

Na arquibancada, após o desfile, dirigentes da Torcida Jovem me pediram que conversasse com o presidente Luís Álvaro sobre a negociação das cotas de tevê. Eles temem que o presidente deixe passar uma oportunidade de o Santos se equiparar aos clubes que ganham mais e ao mesmo tempo permitir uma vantagem perpétua a Corinthians e Flamengo.

“Odir, diga ao presidente que não importa se for com a Record ou com a Globo, mas que o presidente faça o melhor acordo para o Santos, aquele que dê mais dinheiro para o clube”, enfatizava José Amilton, relações públicas da Jovem.

Bem, não sou tão próximo do presidente assim. Ele ia os lançamentos dos meus livros quando era apenas um torcedor. Mas, agora, como presidente do clube, só o vi uma vez em 14 meses. Espero que um de seus assessores lhe passe esta informação, a de que a Torcida Jovem quer que ele feche com a Record, desde que esta emissora realmente possa oferecer mais ao Santos.

O mesmo Amilton me disse que a Torcida Jovem levará dois ônibus até Santiago do Chile, para torcer pelo Santos no jogo decisivo contra o Colo Colo, dia 16. Outros 12 torcedores também já reservaram passagens de avião. Espera-se que chilenos que apreciam o Santos engrossem a torcida que apoiará o time na partida que marcará a volta do maestro Paulo Henrique Ganso. A sorte na Libertadores estará em jogo. Todo empenho é pouco.

Você acha importante o Santos ter uma escola de samba no Grupo Especial do Carnaval de São Paulo? Os santistas deveriam apoiar mais a Jovem, assim como os corintianos fazem com a Gaviões da Fiel?