O técnico Dorival Junior pensou melhor e resolveu escalar um time reserva para o jogo de hoje, às 21h50m, na Vila Belmiro, contra o rebaixado Sertãozinho. Mas haverá boas atrações em campo, como o lateral-direito George Lucas, que voltará a atuar em um jogo de campeonato após longo afastamento por contusão; o lateral-esquerdo Alex Sandro, que tenta ganhar a vaga de Léo; o centroavante Zé Eduardo, uma boa sombra ao garoto André no comando do ataque e, principalmente, o meia-atacante Zezinho, que tem pinta de craque.

Como eu percebo se alguém se caminha para ser considerado craque? Ora, pela fisionomia. Não se espante. Anos a fio de observação me dão a certeza de que craque tem um certo desdém, um olhar inteligente e matreiro, um jeito agitado e impaciente de ver o jogo. Como enxerga muito além dos outros, nem sempre o craque tem paciência com os companheiros binários. Vi pouco Zezinho contra o Red Bull, naquele amistoso horroroso em Nova York, mas meu feeling já me passou a ficha do rapaz. A cada passe quadrado que recebia, ele deveria pensar: “Meu Deus, será que os caras não conseguem me dar uma bola no pé?”.

Posso errar? Claro. Esta fase de formação é como revólver na mão de macaco. O tiro pode ir pra qualquer lado. Pode e consagrar, pode cair no esquecimento… Mas Zezinho tem um quê que me agrada, um jeito de Pagão, um ar meio triste de atacante que sabe que seu talento será parado na base da violência, mas não pode fugir de sua sina.

Enfim, veremos Zezinho, veremos também o pequeno gigante Madson ao lado do energético Zé Eduardo. Desta vez, não terão um apoio tão eficiente do meio-campo, já que Roberto Brum, Germano e Rodriguinho são melhores para marcar do que para criar. Dos laterais, podemos esperar mais de George Lucas. Alex Sandro ainda parece meio inseguro. Que desencante hoje, é nosso desejo.

O meio da zaga, com Bruno Aguiar e Luciano Castán é uma incógnita, mas merece ser testado, claro. Quanto ao Sertãozinho, do técnico Paulo Cornelli, irá a campo – bem mais aliviado depois de saber que jogará contra os reservas do Santos – com Gilberto, Rafael Mineiro, Erivélton, Pablo e Helder; Éverton, Alex Maranhão, Marcus Vinícius e Rodriguinho; Thiago Silvy e Léo Mineiro. O jogo não será transmitido pela tevê (só pra quem optar pelo pay-per-view).

E você, querido leitor e leitora, também acha, como um amigo, que “não há, ó gente, ó não, adversário mais bonzinho que o Sertãozinho?” Ou o jogo pode engrossar? Dê seu palpite e concorra a uma biografia – que escrevi em 1997 – do ídolo do basquete Oscar Schmidt. Diga quanto será o jogo, qual a parcial do primeiro tempo e quem fará os gols do Santos. Em caso de empate nesses quesitos, valerá quem apostou primeiro. Portanto. Faça sua fé agora. É de graça e você ainda pode ganhar o livro com a vida do insuperável Mão Santa. Boa sorte!