garfiel no brasileiro de 2016
Ou os bobos somos nós, os torcedores do Santos?

EXISTE BOBO NO FUTEBOL…

A meia frase é do meu irmão, Marcos, que assistiu ao jogo comigo. E ela se completa com as palavras… “quando o Santos joga fora”.

Realmente, tivemos a impressão, principalmente no primeiro tempo, de que os reservas do Atlético Mineiro formavam uma equipe de Champions League, enquanto o Santos era um aparvalhado time amador, que não segurava a bola no meio-campo ou no ataque e tinha uma defesa de jogadores limitados, mal distribuídos e totalmente atrapalhados.

Aos 10 minutos o Atlético já tinha dado três chutes a gol; o Santos, nenhum. Aos 13 minutos, ao tentar sair jogando, David Braz serviu o ataque adversário e Vanderlei teve de se esticar todo para espalmar uma bola que entraria no ângulo. Um minuto depois um chutão da defesa atleticana encontrou Cazares livre, entre David Braz e Renato, e o equatoriano teve tempo de matar a bola e escolher o ângulo, para fazer aquele que seria o único gol do jogo.

Descrever a partida, lance a lance, só vai mostrar o quanto os santistas se mostraram desnorteados durante todo o tempo, a ponto de aos 33 minutos da segunda etapa Gustavo Henrique, sem prestar atenção, cobrar uma falta curta para Renato, que estava de costas, e entregar mais uma bola ao ataque adversário, que por pouco não chega ao segundo gol.

Enfim, o que nós, santistas, temíamos, aconteceu: o time campeão paulista, jogando joga fora de casa, pelo Campeonato Brasileiro, mostrou-se mais uma vez disperso, apatetado, como se só os jogos na Vila Belmiro contassem. Com essa derrota, completaram-se 11 anos que o Santos não estréia no Brasileiro com uma vitória.

Estreias do Santos nos Campeonatos Brasileiros desde 2006

2006 – Goiás 0 x 0 Santos
2007 – Sport 4 x 1 Santos
2008 – Flamengo 3 x 1 Santos
2009 – Grêmio 1 x 1 Santos
2010 – Botafogo 3 x 3 Santos
2011 – Santos 1 x 1 Internacional
2012 – Bahia 0 x 0 Santos
2013 – Santos 0 x 0 Flamengo
2014 – Santos 1 x 1 Sport
2015 – Avaí 1 x 1 Santos
2016 – Atlético/MG 1 x 0 Santos

A última vitória santista em estreia no Campeonato Brasileiro ocorreu em 2005, quando derrotou o Paysandu, no Estádio Anacleto Campanella, por 4 a 1.

A habilidade e a visão de jogo de Lucas Lima e o oportunismo de Ricardo Oliveira fizeram uma falta incrível. Gabriel é jogador para completar jogadas, não para criá-las. Sua deficiência de não chutar, não driblar, não fazer nada com a perna direita, é irritante.

O miolo de zaga do Santos está numa fase muito ruim. Os inseguros e atrapalhados David Braz e Gustavo Henrique não passam um jogo sem entregar, ao menos uma vez, o ouro ao bandido. Faz tempo que David Braz defende e sai jogando com deficiência. Está na hora de ir pro banco.

Quanto a Gustavo Henrique, sugiro que esqueça o desânimo por não ter sido chamado para a Olimpíada. Jogando assim, lento e desconcentrado, não será titular e nem continuará no Santos. Precisa ser mais esperto e mais rápido, garoto. Pare de fazer beicinho e jogue futebol.

Os laterais Zeca e Victor Ferraz foram mal dessa vez. Ferraz parece sem forças até para cobrar escanteios e faltas. Na armação, ambos não deveriam deixar o atacante dominar a bola, pois depois não conseguem roubá-la e têm péssima recuperação.

No meio de campo, não basta voluntariedade. É preciso ter um cérebro, um articulador de jogadas. Sem Lucas Lima, o jeito é insistir com Serginho, pois nenhum outro consegue segurar a bola. Renato está lento e perdendo reflexos. Em todo jogo sai jogando errado e cochila na marcação e na cobertura.

E no ataque, o Santos não teve ninguém. Gabriel tentou resolver tudo sozinho, mas não tem categoria e nem cabeça para tal. O rapaz está à beira de um ataque de nervos. Virou a prima dona do Santos. Ele deveria deixar de acreditar nos que dizem que ele será titular da Seleção Brasileira. Jogando assim, não será titular nem do Santos.

Uma pergunta que o Marcos e a Suzana fizeram, e eu não soube responder: “Se no final do jogo o Santos teve tanta energia para lutar em busca do empate, por que não mostrou a mesma determinação desde o começo?”. Eu complemento: por que esperar ficar atrás do marcador para só depois tentar jogar futebol?

A visão geral que tivemos do jogo é a de que o time experiente, superior, vitorioso, era o dos reservas do Atlético Mineiro. Após mais essa estréia desastrosa em um Brasileiro, além de rever a titularidade de muitos jogadores que não têm futebol e nem autoconfiança para jogar no Santos, o técnico Dorival Junior precisa, ele também, se dedicar mais ao seu ofício. Descansou os reservas durante a semana para quê? Que novidade tática o time apresentou? Que jogada ensaiada pudermos ver? (mais uma vez ficou provado que após um bom descanso, o Santos joga mal).

Enfim, nos acostumamos a ouvir que “não há mais bobo no futebol”, pois quando menos se espera somos surpreendidos com um resultado inesperado, em que um time considerado inferior, com garra e astúcia, supera um favorito. Porém, se é o Santos que joga fora de casa no Brasileiro, pode ter a certeza de que o jogo terá, sim, um bobo em campo.

As autuações dos santistas estão entre parênteses, sendo o sinal = para os mais ou menos: Vanderlei (=), Victor Ferraz (-), David Braz (–), Gustavo Henrique (-) e Zeca (=); Thiago Maia (=), Renato (-)(Maxi Rolón, aos 32 do 2º (=)), Vitor Bueno (=) e Ronaldo Mendes (=) (Matheus Nolasco, aos 19 do 2º (+)); Paulinho (-) (Serginho, no intervalo (=)) e Gabriel (=). Técnico: Dorival Júnior (-).

É hora de você comprar o seu Dossiê. E ganhar o Donos da Terra de presente (só por 20 reais e mais as despesas de correio)

dossie - livro

Em comemoração ao início do Campeonato Brasileiro, este blog lança agora a promoção do livro “Dossiê Unificação dos Títulos Brasileiros a partir de 1959”. A obra, de José Carlos Peres e Odir Cunha, com 323 páginas, resgatou os títulos brasileiros da era de ouro do nosso futebol (o reconhecimento da CBF está impresso no livro). Por apenas 20 reais, mais as despesas de correio, você adquire o Dossiê com dedicatória exclusiva e ainda ganha de presente um exemplar, em PDF, do livro “Donos da Terra”, com a história completa do primeiro título mundial do Santos.

A promoção do livro Time dos Sonhos continua. Sua compra – por 68 reais, com a despesa de correio incluída – também dá direito à dedicatória exclusiva de Odir Cunha e a versão eletrônica do livro Donos da Terra. Para adquirir apenas a versão eletrônica do Donos da Terra, por um valor simbólico de R$ 3 (três reais), é preciso enviar e-mail para blogdoodir@blogdoodir.com.br

Clique aqui para comprar o seu Dossiê.

Atlético Mineiro 1 x 0 Santos
Estádio Independência, Belo Horizonte, 14/05/2016, 18h30
Atlético Mineiro: Uilson, Gabriel, Edcarlos, Tiago e Carlos César; Lucas Cândido, Eduardo, Carlos Eduardo (Pablo aos 11 do 2º) e Cazares; Hyuri (Yago aos 41 do 2º) e Clayton. Técnico: Treinador: Diego Aguirre.
Santos: Vanderlei, Victor Ferraz, David Braz, Gustavo Henrique e Zeca; Thiago Maia, Renato (Maxi Rolón, aos 32 do 2º), Vitor Bueno e Ronaldo Mendes (Matheus Nolasco, aos 19 do 2º); Paulinho (Serginho, no intervalo) e Gabriel. Técnico: Dorival Júnior.
Gol: Cazares, aos 14 min do primeiro tempo.
Arbitragem: Jailson Macedo Freitas (BA), auxiliado por Eduardo Gonçalves da Cruz (MS) e Elicarlos Franco de Oliveira (BA) (marcou dois impedimentos errados que poderiam dar ao Santos a chance de ao menos empatar a partida. Tirando isso, não comprometeu).
Cartões amarelos: Cazares e Carlos Eduardo (Atlético/MG) David Braz e Gustavo Henrique (Santos).

Um jogo de valentes

Para ser campeão no tênis é preciso trabalhar todos os dias, às vezes em dois períodos. Quando não se joga, se treina ou se viaja. As partidas podem demorar três, quatro horas, e se o jogador quiser tirar uns dias de folga, perde por WO e cai no ranking. Para manter os patrocínios é preciso vencer e permanecer entre os melhores do mundo. Os astros não têm moleza. A cada torneio começam da primeira rodada, como os outros. O fato de o sérvio Novak Djokovic, número um do mundo, e o britânico Andy Nurray, número dois, chegaram às finais de Madrid e Roma, em semanas consecutivas, mostra como o tênis é justo e o mérito prevalece. É um esporte de quem tem talento e trabalha, mas também exige muita garra e inteligência. Veja os melhores lances da final de Roma e diga se não tenho razão:

Gostou? Quer fazer o seu garoto, ou a sua garota, trilharem os caminhos do tênis? Veja com atenção o anúncio abaixo. No mínimo a saúde física e mental de seus pimpolhos estará garantida. Ou prefere que ele fique o tempo todo no computador e no celular?

clinica no castelo

E você, acha que o Santos ainda pode fazer uma boa campanha no Brasileiro?