Blog do Odir Cunha

O ombudsman do Santos FC

film izle

Tag: Bruno Aguiar (page 1 of 3)

Strongest 2, Santos 1. Crônica de uma derrota anunciada

O que quase todos os santistas previam aconteceu: o técnico Muricy Ramalho escalou os medalhões fora de forma, o time se arrastou em campo, viveu dos arroubos de Ganso e Neymar e acabou tomando a virada do Strongest com um gol no fim. Péssima estreia na Copa Libertadores.

Se os reservas do Santos estão jogando melhor do que os titulares no Campeonato Paulista, o que poderia fazer Muricy acreditar que um time formado por jogadores veteranos voltando de contusão – como Edu Dracena, Durval e Borges -; por outros que não têm jogado nada, como Henrique, Íbson e Elano; por um estreante (Fucile) e um eterno perna de pau (Pará) poderia estrear na Libertadores com uma vitória?

Ou nosso técnico é muito ingênuo, ou está louco para receber a multa rescisória. Pois eu, se fosse o presidente, não demitiria o Muricy, já que isso arrasaria com os cofres do clube (aliás, fiquei sabendo que seu salário não é 700, mas 900 mil reais. Se for verdade, nem me digam, pois meu coração não resistirá).

Ao invés de demiti-lo, o rebaixaria a assistente do Tata ou de qualquer um que jamais escale o Pará. Não colocar Felipe Anderson ao lado de Ganso e não tentar Anderson Carvalho ao lado de Arouca é insistir demais nos mesmos que estão afundando o time. Dizem que os salários de Íbson, Elano e Henrique somam 1,2 milhão de reais. Se for isso, nem me digam, pois meu fígado não suportaria.

Insistir com Pará, com o perdão da palavra, é assinar um atestado de burrice com firma reconhecida em papel dourado. No penúltimo post, pegando até um pouco pesado, repeti três vezes: “Pará num dá! Pará num dá! Pará num dá!”. Foi escalado e deu no que deu. Mais dois gols na sua conta.

Está certo que contratar Juan para a Libertadores e não saber que o jogador está suspenso, foi o cúmulo da desorganização. Não é só Muricy que precisa calçar as sandálias da humildade no Santos. Parece que a goleada para o Barcelona deixou meio mundo zonzo por lá.

Enfim, há quanto tempo o Santos não mostra um futebol de campeão? Será que já não deu para perceber que desse mato chamado Íbson, Elano, Henrique, Dracena, Durval, Pará e Maranhão não sai mais coelho? O bonde passou em Yokohama e só a diretoria do Santos não viu.

Ainda dá tempo de corrigir, mas é preciso uma qualidade que tem passado muito longe da Vila Belmiro de uns tempos para cá: a HUMILDADE. Reconheçam que as contratações foram mal feitas, que tem jogador ganhando muitíssimo para jogar pouquíssimo.

Posso errar e aliás torço para errar, mas meu feeling diz que se Muricy continuar escalando esse time que jogou hoje – com Edu Dracena, Durval, Íbson, Elano, Henrique e Pará – o Santos não passará nem pela fase de grupos da Libertadores.

Por que essa zaga é titular?

O Santos está parecendo a Seleção Brasileira na Copa de 1966. Como tinha ganhado as duas anteriores, manteve os veteranos e acabou dando vexame. Eu pergunto: onde está escrito que Edu Dracena e Durval devem ser os titulares absolutos? Por que devem voltar de contusão e já assumir o lugar de Bruno Rodrigo e Vinícius Simon? Os “reservas” ao menos têm mais vitalidade, mais garra.

Os dois gols que o Santos sofreu foram ridículos. O primeiro passou por todo o miolo da defesa, pelo chão. Cadê os dois zagueiraços? De Pará eu nem vou perguntar, pois ele nunca está onde se precisa dele.

E o segundo foi uma tremenda piada. O jogo terminando, último lance da partida e o Santos toma gol de escanteio, com um jogador livre no chamado segundo pau. Cadê a experiência do capitão Dracena para orientar a defesa? Nem vou dizer de novo que o Pará só ficou olhando, como sempre…

Vou repetir: depois de tomar aquela chacoalhada do Barcelona, o Santos – técnico e diretoria – deveria ter tido coragem de fazer as mudanças óbvias ululantes. Deveriam desfazer-se de bondes de ouro – como Henrique, Íbson, Elano – e trazer jovens mais baratos e com mais apetite para jogar.

Agora, ainda há alguma esperança, mas parece que Muricy Ramalho não quer dar o braço a torcer. Temo que ainda veremos o ranzinza e teimoso técnico morrer abraçado com seus protegidos.

E você, o que achou de Strongest 2, Santos 1?


Contra o bom Coritiba, voltam os super reservas do Santos


O zagueiro Bruno Aguiar fez dois gols contra o Ceará (um de falta!) e é um dos destaques do time reserva do Santos, hoje, em Curitiba (Foto: Comunicação Santos FC)

Na última vez que entraram em campo eles foram responsáveis por uma vitória de virada contra o Ceará, em Fortaleza. Até Diogo desencantou e fez gol. Portanto, que não duvidemos dos super reservas dos Santos que hoje, às 19 horas, no Couto Pereira, em Curitiba, enfrentam o bom Coritiba.

Como na partida contra o Ceará, o jogo nada vale para o Santos com respeito à classificação, mas é importante para ajudar o técnico Muricy Ramalho a escolher os jogadores que faltam para completar o elenco que viajará para o Mundial do Japão.

O time deverá iniciar a partida com Aranha, Leandro Silva, Bruno Aguiar, Vinícius Simon e Éder Lima; Anderson Carvalho, Possebon, Ibson e Felipe Anderson; Diogo e Alan Kardec. Destes, os favoritos para viajar são Aranha, Bruno Aguiar, Ibson, Felipe Anderson, Diogo e Alan Kardec. Será que Anderson carvalho também garantirá a vaga?

No banco de reservas ficarão o goleiro Vladimir, o zagueiro sub-20 Gustavo, o lateral-direito Crystian, o meia Breitner, o volante Alan Santos e os atacantes Renan Mota e Tiago Alves.

No primeiro turno, a derrota para o Coritiba, na Vila Belmiro, deixou o Santos na zona de rebaixamento e acabou com o sonho de lutar pelo título brasileiro. Se perder novamente hoje, o Santos cumprirá neste Brasileiro a triste sina de ser derrotado nos dois jogos que fez com Grêmio, Figueirense e Coritiba.

Mas o jogo de hoje exige cuidados. Em casa, o COritiba já deu algumas goleadas estrondosas neste ano, como os 6 a 0 sobre o Palmeiras e os 5 a 0 sobre o Botafogo. Que o Santos não abra demais a defesa, ou…

Retrospecto e histórias de Santos x Coritiba

Por Wesley Miranda

Santos e Coritiba se enfrentaram 38 vezes. E a vantagem é amplamente santista com 22 vitórias, 6 empates e 10 vitórias curitibana. O Peixe marcou 72 gols e o Coxa 48.

Em Brasileiros, o primeiro confronto aconteceu apenas em 1969, e o Santos ganhou por 3 tentos a 1. No campeonato nacional foram 28 jogos com 17 vitórias alvinegras, 3 empates e 8 vitórias alviverdes. O Santos balançou as redes adversárias 50 vezes e o Coritiba 35.

O primeiro confronto entre as equipes no dia 20 de Maio de 1941, marcou o artilheiro santista do histórico. Segundo o Profº Guilherme Nascimento, Carabina, autor de 6 gols, marcou 5 vezes de cabeça, algo raro que só foi igualado no Santos por Odair Titica em 1948 na vitória do Santos sobre o Comercial por 5 a 4. Carabina foi artilheiro do Santos na temporada de 1941, com 30 gols.

Apesar dos seis gols de Carabina em uma única partida, o recorde do confronto pertence a Keirrison do Coritiba que em 2 partidas marcou 7 gols. Como gostava de marcar gols contra o Santos!…

WO e rebaixamento
Em 1989 o Coxa se negou a aceitar uma mudança de calendário que fazia com que o time jogasse um dia antes do Vasco – seu adversário no grupo. O Coxa então não compareceu ao jogo contra o Santos em Juiz de Fora e foi punido pela CBF com a derrota por 1 x 0, a perda de mais 5 pontos e a queda automática para a Série B.

Briga pela 8ª vaga
No Brasileiro de 2002, Santos e Coritiba disputaram uma vaga nas quartas de final. O Santos que perdeu para o São Caetano por 3 a 2 dependeu do já rebaixado Gama de Dimba vencer o time paranaense por 4 a 0. Caso o time do Paraná vencesse, estaria classificado.

A volta do Guerreiro
Aos 38 minutos do 2º tempo após dois anos e cinco meses de luta contra a leucemia entrava em campo Narciso. A partida disputada no dia 25 de Outubro de 2003 no estádio Couto Pereira já estava 4 a 0 para o Santos, mas não impediu que a torcida adversária o aplaudisse de pé.

Briga pela permanência na Série A
Se em 2002 os times disputavam uma vaga nas quartas, em 2009 os times se enfrentaram para permanecer na serie A. A vitória do Santos por 4 a 0 no dia 22 de Novembro de 2009, garantiu o Santos na elite e colocou o Coxa próximo à zona de degola. E a queda aconteceu dois jogos depois. Neymar marcou pela primeira vez dois gols na mesma partida jogando na Vila.

E você, o que espera de Coritiba e Santos?


Quais reservas do Santos se destacaram na vitória sobre o Ceará?

Confesso que não vi o jogo, por isso peço a ajuda dos companheiros do blog que assistiram a bela vitória contra o Ceará. Pelos melhores momentos e pelos comentários de alguns portais, deu para perceber que Aranha, Bruno Aguiar e Felipe Anderson foram alguns dos destaques santistas. Quem mais?

Como se saiu Vinicius Simon? E Diogo, jogou bem mesmo, ou só fez aquele golaço? E Alan Kardec? E o garoto Anderson Carvalho? Escreva que eu só quero ler os comentários e aprender com vocês.

Reveja os gols de Ceará 2 x 3 Santos:

Quais dos santistas que venceram o Ceará você levaria para o Mundial?


Defesa do Santos tem rendimento negativo histórico

O técnico Muricy Ramalho tinha dado um jeito na defesa do Santos, que sofria 1, 3 gols por jogo em 2010 e caiu para 0,9 tanto no Campeonato Paulista, como na Copa Libertadores de 2011. Mas neste Campeonato Brasileiro, com os desfalques provocados pelas Seleções Brasileiras (principal e subs), por contusões de jogadores importantes (Ganso, Elano, Arouca) e a atenção voltada para o Mundial da Fifa, a defesa santista vive um dos piores períodos de sua história e tem sofrido 1,53 gols por jogo.

Para se ter uma idéia do que este índice significa, basta lembrar que nos Brasileiros de 2008 e 2009, quando o Santos sofreu o risco de rebaixamento até as últimas rodadas, o time sofreu 1,39 e 1.52 gols por jogo, respectivamente.

Em 2010 a defesa santista sofreu 1,3 gols por jogo durante todo o ano, independentemente das competições e dos técnicos. No Paulista, sofreu 31 gols em 23 jogos – média de 1,34. Na Copa do Brasil, 11 jogos, 15 gols – média de 1,36. E no Brasileiro, mesmo depois da demissão de Dorival Junior, manteve o mesmo rendimento com Marcelo Martelotte, e no final sofreu 50 gols em 38 jogos – média de 1,34.

A contratação de Muricy Ramalho, um técnico que baseia sua estratégia vitoriosa na força da defesa, melhorou sensivelmente o rendimento do setor defensivo do Santos no primeiro semestre de 2011. Nos 23 jogos que fez no Campeonato Paulista o time sofreu 21 gols – média de 0,91. Nas 14 partidas pela Copa Libertadores, vazou 13 gols – média de 0,92.

No Campeonato Brasileiro deste ano, porém, o Santos só não sofreu mais gols do que América/MG, Avaí, Atlético Mineiro e Ceará. E o pior é que em quase todas as suas derrotas mais contundentes o time pode contar com todos os seus titulares da defesa, o setor menos desfalcado da equipe este ano.

Nas suas piores derrotas neste Brasileiro, jogos em que foi surpreendido e sofreu mais gols, o time jogou com Rafael, Pará (ou Danilo), Edu Dracena, Durval e Léo. Esta formação esteve em campo nas derrotas, na Vila Belmiro, para Flamengo (4 x 5) e Coritiba (2 x 3). Com Danilo no lugar de Pará o Santos perdeu para Figueirense, também na Vila (2 a 3).

Um detalhe curioso é que o zagueiro reserva Bruno Rodrigo jogou o tempo todo em três vitórias importantes: na vitória por 2 a 1 sobre o Avaí, fora de casa (formou dupla com Edu Dracena), na vitória sobre o Bahia, por 2 a 1, também fora de casa (fez dupla com Durval) e no triunfo sobre o Palmeiras, na Vila Belmiro, por 1 a 0 (novamente fez dupla com Durval).

O mesmo fenômeno já tinha acontecido no ano passado. Sempre que Vinicius Simon substituía Edu Dracena, o Santos sofria menos gols. Isso leva muitos santistas a acreditar que o ponto fraco da zaga santista é justamente o capitão do time, que tem dificuldades nas bolas altas, pouca mobilidade, apesar de ser mais técnico e experiente do que os demais.

Não creio que no Mundial Muricy Ramalho abrirá mão de Edu Dracena como titular, apesar de os números dizerem o contrário. Em uma competição curtíssima, com dois jogos eliminatórios de altíssimo nível, a experiência vale muito e Dracena é tarimbado em jogos importantes.

Por outro lado, nos jogos decisivos do Paulista e da Libertadores, este ano, a defesa do Santos teve um rendimento excelente, pouco permitindo aos ataques de Corinthians e Peñarol. Descansados e motivados, estes mesmos jogadores que hoje colocam a defesa do santos como uma das mais vazadas do Brasileiro, poderão dar a volta por cima e garantir mais um título essencial para o Alvinegro Praiano. Eu acredito.

E você, acredita que a defesa do Santos voltará a jogar bem no Mundial, ou Muricy Ramalho deveria fazer mudanças enquanto ainda há tempo?


Para torcida do Santos, não basta ter categoria. É preciso vontade


Determinado, Bruno Aguiar mostrou que pode ser o titular da lateral-direita (foto: Ivan Storti/ Santos FC)

Como este blog previu, a falta de volantes à disposição de Muricy Ramalho tornou o Santos vai ofensivo e vibrante contra o Cruzeiro. O time fez um primeiro tempo irresistível e poderia te-lo terminado com uma vantagem de no mínimo três gols não fossem as chances perdidas e a péssima atuação do árbitro Francisco Nascimento e do bandeirinha Pedro santos de Araújo, que anularam dois gols legítimos do Alvinegro Praiano. Mas por que um time tão desfalcado jogou tão bem?

A resposta está na velha sabedoria do torcedor, para quem não basta ser craque, ter categoria, se não tiver vontade. E o que estava ocorrendo com o Santos é que a falta de iniciativa de Elano e Paulo Henrique Ganso infectava o resto do time. Sem contar a insegurança de Pará, que nem craque é.

Com o aguerrido Bruno Aguiar na lateral-direita, o dinâmico Anderson Carvalho na marcação do meio-campo e o jovem e talentoso Felipe Anderson na armação, o Santos fez, nos primeiros 45 minutos contra o experiente Cruzeiro, uma de suas melhores exibições neste campeonato.

Ficou evidente, mais uma vez, que a ausência de Pará mais ajuda do que atrapalha, e que Ganso e Elano só são decisivos quando, além da inspiração, dão também um pouco mais de transpiração ao time.

O caso de Ganso é mais compreensível. Sem estar plenamente recuperado das recentes contusões, o rapaz vive pisando em ovos. Não entra mais nas divididas como antes e nem se arrisca em jogadas que podem machuca-lo. Para complicar, viveu até o final de agosto a expectativa de ser negociado com algum clube europeu – o que, como prevíamos, ficou só no sonho e nas manchetes sensacionalistas de alguns tablóides.

Quanto a Elano, perdeu o foco depois da separação. Deixou-se levar por uma aventura amorosa e se desequilibrou totalmente. A vida pessoal, como se podia prever, refletiu em seu rendimento em campo. Primeiro deixou de ser titular, depois nem foi mais chamado para a Seleção Brasileira. Terá a mesma sorte no Santos se não colocar a cabeça no lugar e resolver jogar futebol de novo.

Com a reconciliação com a mãe de suas filhas, Alexandra, espera-se que Elano volte a se equilibrar como pessoa e ser tão importante para o Santos como sempre foi. Uma coisa é certa: se não correr mais, se não se apresentar mais para o jogo, deixará de ser titular em pouco tempo.

Ainda não se sabe quem dos chamados titulares poderá voltar no jogo decisivo contra o Corinthians, mas o certo é que deverão correr e se dedicar mais se quiserem manter este status. A molecada mostrou contra o Cruzeiro que está com muito apetite.

Quanto a Pará, por mais simpático que seja, já está fazendo hora extra no Santos. Dos santistas, acho que só o presidente Luis Álvaro é fã do seu futebol. Está na hora de o clube fazer um bom negócio e vende-lo (o Pará, não o Luís Álvaro) para o Barcelona. Se Daniel Alves é considerado um deus na Espanha, Pará pode se transformar ao menos em um príncipe por lá.

Você acha que Ganso e Elano correm o risco de irem para a reserva?


Older posts

© 2017 Blog do Odir Cunha

Theme by Anders NorenUp ↑