Um dia depois de marcar quatro gols contra o Atlético-PR, Neymar foi a Nova York dar o pontapé inicial em um jogo com Thierry Henry e David Beckham. Será que está faltando visibilidade ao Menino de Ouro?

A ideia sugerida pelo publicitário Nizan Guanaes, da Agência África, para que se lançasse uma campanha de doações, por telefone, para manter Neymar no Brasil, foi abortada pelo próprio jogador. Neymar não quer que sua permanência no Brasil seja condicionada pela quantidade de dinheiro doado pelos fãs. Ele quer ficar no Santos, mas prefere ter um acordo com o clube.

“Ele disse que, se aceitasse, diriam que ficou no Brasil só por dinheiro. Ele não quer isso”, confidenciou-me alguém muito ligado ao Menino de Ouro. Pude perceber que o Santos está correndo atrás de novos parceiros para manter Neymar na Vila Belmiro por tempo indeterminado.

A fama do garoto já rompeu todas as fronteiras. Ontem, um dia depois de ter marcado seis gols contra o Atlético Paranaense (dos quais o árbitro só validou quatro), Neymar estava em Nova York para dar o pontapé inicial do jogo entre Los Angeles Galaxy e New York Red Bulls, pela liga de futebol dos EUA, ao lado dos astros David Beckham e Thierry Henry.

Quem insistiu que Neymar precisa ir para a Europa para ser reconhecido mundialmente, deve estar se mordendo de raiva. O planeta todo já conhece e admira o Menino de Ouro da Vila. Será um absurdo se ele não ficar entre os três finalistas ao prêmio de melhor do mundo.

O que você achou de Neymar recusar a campanha de doação?