Gostei da idéia de se fazer um Mistão do Santos para iniciar as disputas do Campeonato Paulista. Se o time estiver bem, que continue, mas se não inspirar confiança, que alguns titulares importantes voltem ao menos nos clássicos. Afinal, este ano há a possibilidade de se conseguir um tricampeonato, que não ocorre em São Paulo desde 1969, quando o próprio Santos realizou a façanha.

O time treinou ontem sob as ordens do auxiliar técnico Tata, que usou os seguintes titulares: Aranha, Maranhão, Bruno Rodrigo, Vinícius Simon e Émerson; Anderson Carvalho, Íbson e Felipe Anderson; Alan Kardec, Tiago Alves e Rentería.

Hoje, às 15h30m, no CT Rei Pelé, este time faz amistoso contra o Guarani de Divinópolis. Veremos como se sairá. A seguir, analiso cada um dos prováveis titulares do Mistão:

Aranha – Bom goleiro. Mais experiente do que Vladimir, o outro reserva de Rafael. É uma posição em que o Santos está bem servido.

Maranhão – Pecava mais pelo descontrole emocional do que por falta de técnica. Quem sabe agora, mais experiente, possa queimar a nossa língua.

Bruno Rodrigo – Brigador, destemido, é um Domingos melhorado.

Vinícius Simon – Se jogar à vontade, com liberdade para sair com a bola, pode se revelar o grande zagueiro que pode ser.

Émerson – Não tenho informações precisas sobre o rapaz. Alguém me ajude.

Anderson Carvalho – Algo me diz que é mais um garoto que se firmará no time. Este é o seu ano.

Íbson – Pode jogar muito mais do que está jogando. Por sua experiência e técnica, é natural que seja o líder desse time. Vejamos como se sairá.

Felipe Anderson – Tem categoria, mas às vezes se esquece de que um jogador também joga sem a bola. Este é o seu ano. Ou vai, ou racha.

Alan Kardec – Já fez boas algumas partidas. Tem potencial e experiência para jogar bem.

Tiago Alves – É rápido, tem habilidade, mas comete o erro de tentar resolver tudo sozinho. Vamos ver se melhorou.

Rentería – Bastante rodado, forte, com bom chute, pode começar a justificar sua contratação pelo Santos.

Amanhã tem Santos na Copinha

Acostumado a presenciar o surgimento de grandes jogadores nas suas categorias de base, o santista espera com ansiedade mais um jogo do time na Copa São Paulo. O próximo compromisso será amanhã, às 21 horas, contra o Desportivo Brasil, que goza de ótima estrutura oferecida pela Traffic. Tudo indica que veremos uma grande partida.

Oitavas de final da Copa São Paulo de Futebol Júnior

JOGO DATA HORA LOCAL JOGOS

17 17/01 18h30 Benedito Teixeira Atlético-PR x Olé Brasil

18 17/01 21h Fonte Luminosa Palmeiras x Paulista

19 17/01 17h Professor Luís Augusto de Oliveira Red Bull Brasil x América-MG

20 17/01 16h Alfredo Schiavetto Corinthians x Primeira Camisa

21 18/01 21h Professor Luís Augusto de Oliveira Santos x Desportivo Brasil

22 18/01 16h Nicolau Alayon Grêmio x Fluminense

23 18/01 18h30 Arena Barueri Internacional x Coritiba

24 18/01 10h Martins Pereira Vitória x Rondonópolis

Boicote Permanente a favor do Futebol Brasileiro

Esse boicote – que deve ser permanente – de todos os torcedores de clubes grandes do Brasil, contra a transmissão de jogos de Corinthians e Flamengo na tevê, quer apenas recuperar o mínimo de justiça e equilíbrio no futebol brasileiro. É extremamente injusto pinçar um momento da história e tentar perpetuá-lo por meio de um maciço apoio financeiro a apenas dois clubes do País, como a Rede Globo está fazendo.

Seria o mesmo que, no início do século XX, quando o futebol era praticado apenas por clubes de elite, ou de origem inglesa, que se fizessem regras impedindo o crescimento das outras agremiações. Na época, é óbvio que os clubes mais estruturados – como Paulistano, São Paulo Athletic, Germania e Americano –, detinham o poder político e econômico do futebol paulista. Teimassem em não dividi-lo e não teríamos o surgimento das equipes populares, vindas da várzea paulistana, como o Corinthians e o Palestra Itália.

Portanto, houve um momento em que o espírito democrático prevaleceu no futebol. Por que agora ele terá de ser substituído pela mesma aristocracia há tanto tempo banida, que privilegia pouquíssimos e condena os demais a eternos coadjuvantes?

O argumento de que é bom para a tevê não serve, pois desde que ela se apoderou do nosso futebol, vemos um predomínio cada vez maior do futebol europeu e um enfraquecimento contínuo dos grandes clubes brasileiros, que têm perdido, gradativamente, sua capacidade competitiva.

Não é preciso recorrer a nenhum milagre para melhorar as coisas. É só copiar as fórmulas que dão certo. A divisão justa, que valoriza o mérito esportivo e dá a muito mais times a possibilidade de lutar pelo título tornam os campeonatos nacionais de Inglaterra e Alemanha um grande sucesso. É só copiá-los.

A discriminação feita pela Globo é odiosa e só poderá gerar fortes reações contrárias dos outros clubes e seus torcedores. Se uma agremiação mais popular já tem inúmeras vantagens sobre as demais, por que ainda precisa receber uma verba desproporcional da tevê?

Sim, pois um clube popular tem a vantagem de conseguir maiores arrecadações, atrair mais sócios, cobrar mais caro pelos espaços em seu uniforme, atrair mais verba para ações de marketing, ter mais visibilidade na mídia e, com tudo isso, conquistar mais torcedores. Ora, isso tudo já não basta?

Que ainda haja um adicional pelo ibope na tevê ainda é compreensível, mas quando essa diferença para os demais representa dezenas de milhões de reais a cada ano, aí o buraco vai ficando cada vez maior, até que se torne intransponível. É só ver o que acontece na Espanha, em que os outros clubes, por mais que sejam competentes em sua administração, por mais que revelem grandes jogadores, estão fadados a viver das migalhas de Real Madrid e Barcelona. Chegou a um ponto em que, mesmo extremamente incompetentes, mesmo que joguem milhões pela janela, os dois gigantes continuarão bem acima dos outros.

Entre os argumentos esdrúxulos para defender o sistema espanhol, citam que a maioria dos titulares do Barcelona vieram das categorias de base do clube, portanto, não foram comprados a peso de ouro. Sim, mas não fosse o Barcelona um dos times mais ricos do mundo e não teria conservado nenhum desses craques que vieram da base.

Recentemente, o Santo André foi vice-campeão paulista com um bom time. De futebol ofensivo e vistoso, por muito pouco não tirou o título Paulista do Santos em pleno Pacaembu. Pois bem: o que aconteceu com esse Santo André? Foi destroçado por outros clubes, que lhes extraíram todos os bons jogadores, e acabou rebaixado não só no Paulista, como no Campeonato Brasileiro. Em dois anos o promissor Santo André caiu para a Série A2 do Paulista e, da Série A, para a Série C do Brasileiro.

Portanto, este modelo que a Rede Globo quer implantar é elitista e não serve ao nosso futebol, que sempre se caracterizou pela competitividade. Vença quem for o melhor em campo, quem tiver melhor capacidade administrativa e puder revelar melhores jogadores. Porque é muito fácil vencer quando se tem o dobro, o triplo do dinheiro dos demais adversários diretos.

Por isso, todo torcedor que não é corintiano ou flamenguista tem a obrigação de não assistir aos jogos desses times na tevê. Pois isso só engrossará a audiência dessas equipes e justificará o dinheiro desproporcional que ganham da Globo. Por um futebol brasileiro mais justo, não assista mais a Corinthians e Flamengo na tevê, até que a fórmula seja mudada.

Qual é sua opinião sobre os temas de hoje?