Blog do Odir Cunha

O ombudsman do Santos FC

Tag: Chelsea (page 1 of 3)

O que o Santos tem a ver com esta vitória

Um conceito que este blog sempre defendeu é que o futebol europeu não é tão poderoso e perfeito quanto alguns jornalistas de tevê por assinatura querem fazer parecer. Hoje isso ficou evidente. Com uma determinação inquebrantável, um equilíbrio psicológico surpreendente e uma disposição tática elogiável, o Corinthians mereceu vencer o Chelsea por seu resultado preferido – 1 a 0, gol do ótimo Guerrero –, acabou com o sorriso presunçoso do técnico Rafa Benitez e deixou lições que devem ser aprendidas e saboreadas pelos grandes times brasileiros, como o nosso querido Santos.

Tudo bem que o Barcelona é um time bem superior ao Chelsea, mas os santistas devem estar se perguntando se realmente não havia nada a fazer contra o esquadrão espanhol no ano passado – como fez transparecer o técnico Muricy Ramalho meses antes da decisão – ou era possível, sim, criar um sistema tático e um clima motivacional que pudesse levar o Glorioso Alvinegro Praiano à vitória, como esse trabalhador Tite elaborou para o alvinegro de Itaquera.

É importante destacar que o Chelsea, campeão europeu de 2011, ao bater surpreendentemente o Barcelona, tem um elenco caríssimo – a ponto de manter Oscar no banco de reservas –, é patrocinado pelas libras suspeitas do bilionário russo Roman Abramovich, dirigido pelo badalado Rafa Benitez e mesmo assim, depois de uma superioridade inicial, foi sendo dominado aos poucos pelo alvinegro paulistano, chegando a manter-se na defensiva em boa parte do segundo tempo. Esta partida mostrou que um bom e motivado time sul-americano ainda pode levar a melhor sobre o campeão europeu.

Esse resultado deixa evidente, para mim, que uma Conmebol mais organizada, capaz de emprestar segurança e valorização às competições sul-americanas, tornará plenamente possível a realização de espetáculos à altura dos que hoje só se pode assistir nos gramados europeus.

Note ainda que entre os jogadores corintianos não há nenhuma estrela. O elenco do Santos, por exemplo, é considerado mais valioso do que o do rival (algo que deveria ser repensado). Quase todos os jogadores do atual campeão do mundo vieram de equipes menores do Brasil. O que isso prova? Que não é um ou outro grande nome que garantirá o sucesso de uma equipe, como parece ser a filosofia da diretoria santista. O rendimento excepcional vem do conjunto, da harmonia entre os jogadores e da motivação geral que cria a sinergia necessária para os grandes triunfos.

A contratação da maioria dos jogadores corintianos não dependeu de fortunas, e sim de pesquisa de mercado e trabalho. Nenhum deles foi tão caro como Elano ou Ibson, por exemplo.

Veja que Santos e Corinthians têm potenciais parecidos, tanto que este ano, em cinco jogos, o Alvinegro Praiano saiu com o saldo positivo de uma vitória (venceu no Paulista e no Brasileiro e teve mais dois empates), sem perder nenhum dos dois jogos que fez no Pacaembu, com torcida contra. A única derrota, na Vila, pela Libertadores, por um mísero 1 a 0, acabou determinando a diferença radical do desempenho dos dois times no resto do ano. Eu diria que aquela semifinal apontou o caminho das duas equipes no segundo semestre.

Sei que muitos santistas prefeririam que eu não falasse deste Mundial e do título do Corinthians. Respeito a dor dos que têm bons motivos para torcer contra o alvinegro que ganhou um estádio de graça do governo, além de seguidas benesses típicas de um país populista. Mas, se queremos que um dia o futebol volte a ser como era, em que os méritos alheios eram reconhecidos, isso tem de começar desde já, mesmo em um blog de santistas. E a verdade é que a conquista foi merecida, o Corinthians ganhou o seu primeiro título mundial sem nenhuma contestação e realmente merece o status de melhor time do mundo em 2012.

E assim como o alvinegro de Itaquera aprendeu muito com sua queda para a Série B do Brasileiro em 2007, que o Santos faça um balanço de suas virtudes e defeitos desde a final do Mundial de 2011 e se prepare para manter a excelente média de dois títulos por ano em 2013. O bom do futebol é que a vida segue e o tempo cura todas as feridas. Vai Santos!

E você, o que aprendeu com o título do outro alvinegro?


O Santos é top ten. Cadê o Chelsea e o Milan?


Titulo da Libertadores coloca o Glorioso Alvinegro Praiano como o único time brasileiro entre os dez mais.

Não acredito em rankings, mas alguns ao menos têm algum critério. Um deles é o da Federação Internacional de História e Estatística do Futebol (IFFHS), da Alemanha, que ontem divulgou a lista dos dez mais do planeta.

Como qualquer ranking, os critérios deles não são corretos. Levam em conta apenas os campeonatos nacionais. Portanto, um campeonato paulista, em que se tem quatro times grandes, não dá ponto nenhum ao vencedor, enquanto alguns campeonatos europeus, como o espanhol, cujo título é sempre disputado entre Real Madrid e Barcelona, dá uma grande pontuação.

Mesmo surrupiado nos pontos do Paulista, que é bem mais forte do que o campeonato argentino, por exemplo, o Santos está em nono lugar, com 236 pontos. O líder é o Barcelona, com 317, seguido por Real Madrid (307).

Engraçado é que Chelsea (o São Caetano da Inglaterra) e o Milan não aparecem entre os dez mais bem classificados. Só para lembrar: foram estes dois os que mais azucrinaram a vida do Neymar e do Ganso no ano passado, alegando que os craques do Santos deveriam ir para clubes que lhes dessem mais visibilidade. Pois sim…

Certo está o Neymar, que quer ser o primeiro jogador em atividade na América do Sul a entrar na seleção dos melhores do mundo. Quem sabe o Ganso também consiga, se parar de se auto-elogiar e jogar um pouquinho mais.

Agora me responda: que graça tem torcer para o Chelsea?


Chegou a hora do Dia do Fico II. Neymar não deve ir embora agora

Quando Neymar recusou a proposta do Chelsea, há um ano, os jornais ingleses ironizaram, chamando-o de louco. Mas sua multa foi elevada a 45 milhões de euros (101 milhões de reais) e hoje há cinco clubes na fila, o que faz crer que alguns oferecerão ainda mais do que o valor da multa para te-lo. Nem é preciso ser muito inteligente para perceber que a valorização de Neymar se dará em progressão geométrica até o Mundial da Fifa, no final deste ano, e atingirá picos estratosféricos se o Santos bater o Barcelona e se tornar campeão mundial.

E mesmo que o título não venha, a presença constante na Seleção Brasileira e a proximidade da Copa de 2014 tratarão de aumentar mais e mais as ações da Neymar Corporation na bolsa do futebol.

O presidente Luis Alvaro Ribeiro foi profético quando disse, há um ano, que ao recusar a proposta do Chelsea Neymar estava saindo da condição de ídolo para a de mito. É este mesmo o caminho do garoto.

Mas será mito se, apesar de toda a pressão dos dinheiristas, disser não a tudo quanto é clube que quiser levá-lo e continuar no Santos e no Brasil até a Copa. Manter Neymar jogando entre nós não é uma questão de honra só para o Santos, mas para o futebol brasileiro.

Já pensaram se Garrincha e Pelé tivessem ido para a Europa após apenas dois anos e meio como profissionais? Como teriam feito o futebol brasileiro ser tão respeitado? Que lembranças teríamos deles? Com a camisa do real não sei das quantas, ou do inter sei lá o que? Não, não, não…

Além disso, ficar agora o deixará muito mais rico depois

Se ficar, com 23 anos Neymar será dono do seu passe. E aos 23 anos estará no auge de sua forma. Dá para imaginar quando o seu futebol valerá?

Muitas vezes já nos perguntamos quanto Pelé valeria se jogasse hoje. Pois eu digo que se Neymar ficar no Brasil até seus 23 anos, teremos uma boa idéia de quanto pode valer o melhor jogador do mundo em atividade no Brasil. Sim, o País precisa de Neymar…

O Brasil e o futebol sul-americano precisam de Neymar. Olhe para os lados e veja grandes clubes, como o River Plate e Boca Juniors, caindo pelas tabelas. Veja uma Confederação Sul-americana perdida, desorganizada, que sobrevive através de conchavos e lobbies. Falta um ídolo, um messias, uma luz que guie o futebol deste continente em busca da terra de leite e mel que já foi aqui e pode ser reencontrada.

Falta esperança ao futebol brasileiro e sul-americano. Que me desculpem Ganso, Lucas e outros garotos bons de bola que surgem, mas nenhum tem o carisma de Neymar, nenhum tem o dom de enlouquecer as multidões. Pois ninguém é indiferente a Neymar.

Que se usem todos os argumentos, que se ofereçam milhares de virgens, jóias, ouro e mirra para manter o nosso deus menino por aqui, pois do contrário o futebol brasileiro ficará parecendo um imenso cemitério. Sim, não haverá vida no nosso futebol sem Neymar.

Teremos de nos acostumar, claro. Mas será dose. Ficarei sem motivação para escrever sobre um futebol que teve a fortuna de ser abençoado com um novo Rei e o vendeu por alguns dinheiros, como as nossas mães solteiras vendem seus filhos para famílias de países ricos.

É questão de honra manter Neymar. De que vale erguer estádios magníficos e para isso gastar fortunas dos cofres públicos, se o grande artista irá embora e o povo se sentirá humilhado e órfão?

Tudo depende de Neymar. O orgulho do futebol brasileiro está nas mãos de um garoto de 19 anos. O que você diria a ele para convence-lo a ficar no Brasil ao menos até a Copa de 2014?


Santos cede Danilo e Possebon e traz de volta Renato e Diego!

A juventude e as boas atuações do polivalente Danilo pela Seleção Sub-20 que foi campeã sul-americana, e a idade “avançada” de Renato, que em 5 de maio completa 32 anos, acabaram contribuindo para que o Sevilha aceitasse a troca pura e simples dos dois jogadores. Outro que está voltando ao Santos é Diego. Pouco valorizado pelo técnico Pierre Littbarski, do Wolfsburg, Diego será trocado por Possebon, além de uma compensação em dinheiro.

“Danilo é um jogador versátil, muito jovem ainda, que tem muito o que evoluir. Foi um dos destaques do Brasil no título sul-americano da categoria e tenho certeza de que será muito útil ao Sevilha”, comentou o técnico do Sevilha, Gregório Manzano na edição de hoje do Diário de Sevilha.

Em entrevista para o jornal El Correo de Andaluzia, Renato admitiu que gostaria muito de continuar em Sevilha, onde ele e sua família se adaptaram muito bem, mas como não está mais nos planos do técnico e sabe que será recebido como um ídolo no Santos, onde jogará ao lado de Neymar, Elano e Diego, está feliz pela volta e confiante de que ainda poderá ser útil ao Alvinegro Praiano:

“Não vou mentir que não gostaria de ficar mais em Sevilha, mas ainda me considero jovem e sei que posso jogar mais alguns anos. E voltar para o Santos é como voltar para casa”, disse.

Litígio de Diego com Littbasrski foi decisivo

Desde que Diego foi suspenso pelo técnico Pierre Littbarski por perder um pênalti, o relacionamento entre os dois ficou ruim. Littbarski gosta de jogadores mais participativos, que não joguem só com a bola no pé e ajudem mais na marcação, mas Diego foge a este estilo.

Por outro lado, Rodrigo Possebon, 22 anos, quatro anos mais jovem e com um porte físico mais imponente do que Diego, ficou com fama de futuro talento na Europa ao ser contratado pelo Manchester United e jogar na Seleção Sub-20 da Itália. Seu golaço contra o Santo André, assistido por Littbarski na concentração do Wolfsburg, convenceu o técnico der que a troca, sugerida pela direção do Santos, era um bom negócio para o clube alemão:

“O Possebon é jovem e tem talento. Seu estilo se encaixará como uma luva no futebol alemão. Mas, pelo prestígio que Diego tem na Alemanha, pedimos que, além do passe de Possebon, que o Santos se comprometeu a liberar junto ao Manchester, o Wolfsburg receba uma compensação financeira de meio milhão de euros. O Santos concordou, então posso anunciar que o negócio está fechado”, disse Littbarski ao diário Wolfsburger Allgemeine.

Próximo negócio é a troca de Edu Dracena por Alex

Diante do sucesso das duas trocas que trarão de volta à Vila Belmiro os campeões brasileiros de 2002 Renato e Diego, a diretoria do Santos tem mantido contatos com o Chelsea para concretizar a troca do zagueiro Alex por Edu Dracena. Os ingleses não estão muito satisfeitos com Alex e preferem um zagueiro mais firme, de personalidade mais forte, um verdadeiro líder, que foi campeão em todos os clubes pelos quais passou, como é o caso de Dracena. Ontem o jornal Sunday Times noticiou em seu caderno de esportes: “Exchange is close. Dracena can come at any moment”.

O que você achou das trocas? Acha que Renato e Diego ainda serão titulares no Santos?


Neymar pode ser do Santos para sempre!

O mundo esperava que Neymar brilhasse no jogo de hoje, contra a Escócia, em Londres. E ele não decepcionou. Assim como no Santos, o garoto de 19 anos definiu a partida. Marcou os dois gols da vitória de 2 a 0 – um em chute quase sem ângulo, colocado, e cobrando pênalti que ele mesmo sofreu.

Além de jogar demais, Neymar tem personalidade, é autêntico, e isso dá a ele uma força interior irresistível. Como Robinho na final do Brasileiro de 2002, provocou o pênalti, pôs a bola embaixo do braço e definiu o jogo. Isto, sob vaias dos agressivos torcedores escoceses, que numa odiosa demonstração racista jogaram uma banana dentro do campo na saída dos brasileiros.

Há ao menos dois lados positivos nessa grosseria desses idiotas escoceses: o de questionar essa babação de ovo da imprensa esportiva brasileira pela Europa, como se estivesse escrito que um jogador brasileiro jovem e de talento fosse obrigado a jogar lá antes de se tornar efetivamente um craque. E o de mostrar a Neymar e sua família que a Europa pode ser um bom lugar para ganhar dinheiro, mas nem sempre é o melhor para um brasileiro ser feliz.

Pai do ídolo gosta da idéia de mante-lo no País

Como um pai que, acima de tudo, quer ver a felicidade do filho, o senhor Neymar já disse que o garoto só sairá do Santos se a oferta for bem maior do que o clube pode cobrir, no mínimo o dobro. Ele está certíssimo, e deve ter percebido hoje, ao ver o filho ser insultado pelos racistas, que a vida lá fora não é esse mar de rosas que alguns teimam em divulgar por aqui.

Se em Londres, em um estádio moderno e seguro, essas manifestações acontecem livremente, imagine como será nas cidades e nos estádios menores, em que a torcida local cria um clima de guerra contra os visitantes. Neymar não precisa passar por isso para provar nada.

“Eram muitas vaias, até na hora de bater o pênalti estava o estádio inteiro vaiando. Esse clima do racismo é totalmente triste. A gente sai do nosso país, vem jogar aqui e acontece isso. É triste, prefiro nem tocar no assunto, para não virar uma bola de neve”, disse Neymar após o jogo.

Talvez outros jogadores brasileiros acreditem que precisam passar por essas humilhações para serem mais ricos e conhecidos. Neymar, não. No Brasil ele prosseguirá cada vez mais rico, amado, ídolo e reverenciado. Mais e mais empresas quererão associar sua marca à do jovem irreverente, mas talentoso e vencedor. Hoje, Neymar é um espelho para uma geração. Não só pelo corte de cabelo moicano – algo superficial, que só pode ser valorizado por quem não consegue enxergar o que o rapaz realmente representa.

Em um país em que o jovem é desvalorizado e desrespeitado, mendiga estágios para iniciar uma claudicante carreira profissional, Neymar é um espelho pela confiança em si mesmo, pela coragem de enfrentar o status quo fora do campo e, dentro dele, a violência dos adversários e a autoridade cínica e complacente dos árbitros.

Neymar não pediu licença. Chegou chegando, como dizem os torcedores. E é claro que incomodou e incomoda muita gente, principalmente os falsos moralistas que se baseiam em um hipócrita conceito de autoridade para cercear a liberdade e o talento.

É claro que para manter Neymar o Santos terá de fazer alguns esforços, mas todos valerão a pena. Seria um orgulho, não só para o Santos, mas para o Brasil, manter um dos grandes ídolos do futebol mundial por aqui, apesar de toda a pressão para que vá embora.

Equilíbrio, um dom de Neymar. Como de Ademir da Guia

Um dia pesquisando fotos de Ademir da Guia nos arquivos do jornal O Estado de São Paulo, descobri que não havia uma única situação de jogo em que o grande craque não estivesse perfeitamente equilibrado. Pois esta mesma qualidade tem Neymar e isso lhe dá uma vantagem muito grande sobre os demais.

Há outros atacantes que também conseguem boas avançadas, às vezes chegando até o gol. Mas avançam aos trancos, aos solavancos, quase caindo. Neymar, não. Há elegância e equilíbrio em cada fase de sua investida e aí está a marca do jogador excepcional, que pode extrair o máximo de uma jogada, mesmo que aparentemente sem condição física de faze-lo.

No gol que fez hoje, ele está, aparentemente, desequilibrado. Mas em fração de segundos ajeita o corpo e coloca a bola, não chuta, no canto oposto do goleiro. Note que no filme abaixo, da tevê britânica, o comentarista percebe e elogia esta incrível noção de equilíbrio do atacante do Santos e define o gol como lovely, ou digno de adoração. Na verdade, o termo lovely é uado três vezes neste curto comentário, mostrando o grau de admiração dos ingleses pelo futebol de Neymar.

No final de sua fala, o locutor diz que o Chelsea tentou contratar Neymar por 50 milhões de dólares, mas que agora esse valor serviria só para iniciar a negociação (deixando claro que o jogador do Santos vale muito mais do que a oferta recusada do Chelsea).

No twitter, o zagueiro Rio Ferdinand, do Manchester United, ex-capitão da Seleção Inglesa, escreveu que Neymar parece um “Cristiano Ronaldo jovem, ousado, um show man”. Disse que ele tem “muito ritmo e habilidade” e o definiu como um “garoto legal”.

Atuações como a de hoje, em Londres, e as repercussões que elas têm no mundo do futebol, certamente elevam o valor de mercado de Neymar e não me surpreendo se na malfadada janela de transferências ele e o Santos receberem propostas absurdas para que vá embora do Brasil. Acho que é uma questão de honra para o clube e o Brasil mantê-lo entre nós.

Santos/São Vicente, terra abençoada do futebol

Sem forçar muito a memória, é possível destacar vários nomes de jogadores maravilhosos que nasceram ou vieram ainda crianças para Santos e São Vicente e acabaram se tornando lendários. Pagão, Antoninho, Neymar, Robinho, Pepe, Del Vecchio, Joel Camargo, Gylmar dos Santos Neves, Cláudio Cristóvão Pinho… Nossa, o que será que essa terra tem para gerar tantos craques?

Reveja os gols de Neymar na partida contra a Escócia:

E você, o que acha da ideia de Neymar jogar no Santos para sempre?


Older posts

© 2017 Blog do Odir Cunha

Theme by Anders NorenUp ↑